segunda-feira, 12 de maio de 2008

QUEREM BANALIZAR A TEOLOGIA!

Projetos reconhecem líder religioso como ''teólogo'', mesmo sem curso.

É este o título da matéria publicada no Estadão, por José Maria Mayrink.

Qual seria o grau de confiança que você teria num médico que nunca estudou medicina? Num engenheiro que nunca estudou engenharia? Num pedagogo que nuca estudou pedagogia? Num psicólogo que nunca estudo psicologia? Num administrador que nunca estudou administração? Num advogado que nunca cursou uma faculdade de Direito?

Pois bem, como confiar num teólogo que nunca estudou teologia?

Não estou afirmando aqui, que o estudo acadêmico por si só, diz quem é o profissional. Existem pessoas competentes e incompetentes, qualificadas e não-qualificadas, honestas e desonestas em qualquer segmento da sociedade, em qualquer profissão ou área científica.

O que o senador Marcello Crivella (PRB-RJ), com o PL lei 114/2005, deseja com este projeto? Se é arrancar risos ou indignação daqueles que levam o estudo teológico a sério neste país, conseguiram. Um outro PL em andamento é o 2407/2007, do ex-deputado federal Victório Galli (Cuiabá-MT), que visa regulamentar a atividade dos teólogos, mediante diplomação em cursos oficiais ou reconhecidos pelo Governo Federal. Se o presente texto exclui a validade dentro das denominações evangélicas dos certificados expedidos pelos cursos livres de teologia, entendo que acaba-se caindo num outro extremo. (este parágrafo foi corrigido com base em informações mais claras sobre o referido assunto)

Você aceitaria ser chamado, ou ter o título de teólogo sem nunca ter estudado para isto? Espero que não, embora seja provável que outros aceitem, pois, se tem gente disposto a pagar alguns reais pelo título (sem estudar), imagina recebê-lo de graça.

Em relação ao assunto o CEC (Conselho de Educação e Cultura) da CGADB (Convenção de Ministros das Assembléias de Deus no Brasil), estará emitindo parecer contrário ao PL 114/2005 e estudando um parecer referente ao PL 2407/2007.

6 comentários:

sandre disse...

Infelizmente em nosso país, como a própria educação é banalizada, agora esta banalização, vem chegado a religião.
Concordo inteiramente que um formação não faz um ótimo profissional, muito menos um teólogo, pois conheço uma infinidade de cursos teológicos e tenho uma opnião reservada sobre a maioria desles, poucas são realmente as grande escolas teológicas realmente boas e respeitosas no Brasil, falo entre as escolas de linha pentescotal, afinal nem temos um pensamento teológico pentecostal genuinamente brasileiro, pois tudo aqui vem da escola americana de pensamento.
Mas é triste ver este projeto, pois no meu caso, estudo e pesquiso a mais de 15 anos de minha vida, sobre teologia, algo que amo e Deus tem me dado esta oportunidade.
E agora vem um projeto triste como este.
Triste ainda mais porque um diploma faz de alguém um diplomado.
Mas um teólogo verdadeiro, quem realmente ama teologia, sabe que em 4 anos é pouco para ser realmente um versado.
Mas estamos diante de um projeto, para presentear os teologastros.

teologastro sm (teólogo+astro) pej Mau teólogo, teólogo medíocre; ergotista em matéria religiosa.

A definição do Workpédia, será enfim muito representada.

Elessandre/

ALTAIR GERMANO, disse...

Amado Sandro, obrigado por sua participação na discussão.

Realmente, o presente episódio nos oferece a oportunidade da criação de alguns "neologismo" pertinentes.

Paz do Senhor!

Gutierres Siqueira, 19 anos disse...

Pastor Altair Germano, parabéns por essa postagem de alerta. Fico feliz que o Conselho de Educação da CGADB se posicione contra essa banalização dos cursos teológicos. Concordo plenamente com a observação do pastor presbiteriano Fernando Bortoletto Filho, que disse: “As escolas formam bacharéis em Teologia que não são considerados teólogos. Merece esse título quem tem produção científica própria, a ponto de se tornar referência por seu pensamento”.
Se o Crivella quer ser chamado de teólogo, que ele então estude em uma escola séria (não aquelas que seu patrão “estudou”) e seja convertido das “doutrinas” iurdianas.
A banalização é tanta, que ao lado da reportagem havia uma propaganda anunciando: “Diploma de Teologia: Método Rápido só para Pastores. Basta Monografia e Terás o Diploma!”

Gutierres Siqueira
www.teologiapentecostal.blogspot.com

Soldado Universal disse...

Foi lançado recentemente a rede social Reino do Céu. É um serviço semelhante ao Orkut, porém destinado aos cristãos.

A rede social tem a finalidade de divulgar a Palavra de Deus através de Artigos publicados pelos próprios usuários, além de disponibilizar um perfil, onde os usuários podem inserir fotos e vídeos.

Outro serviço bastante interessante é a criação de comunidades, a qual permite criar tópicos para debates, inserir fotos e também inserir vídeos.

É um serviço totalmente gratuito que permite aos cristãos do Brasil publicar seus próprios textos e fazer novas amizades.

O endereço do Reino do Céu é www.reinodoceu.com e ao efetuar o cadastro, cada usuário ganha um endereço próprio para seu perfil.

Vale a pena conhecer.

Juber Donizete Gonçalves disse...

Prezado Pr. Altair,

São projetos de lei como este, que só fazem banalizar o título e a função dos teólogos. Se antes, a pessoa, só porque arrumava um diploma "meio suspeito" de teologia, e já se achava teólogo, imagina com a aprovação destes projetos.

Graça e Paz,

Pr. Juber Donizete Gonçalves
www.juberdonizete.blogspot.com/

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro Pr.Altair!
Parabéns pela abordagem.
Quero aqui concordar com a posição de que os dois Pls são radicais.
Gente séria, nem se expõe com certificados dessa natureza, muito menos ainda compraria.
Que Deus tenha miseicórdia de nós.
É melhor não se dizer teólogo, não sendo, e pregar uma mensagem simples e ungida pelo Espírito Santo.
Deus chamou cada um com uma vocação.
A beleza do evangelho está justamente na pluralidade dos dons.
Se a pessoa não tem essa vocação para o estudo de aprofundamento teológico, assuma isso, procure sua verdadeira vocação, e não use de estripolias para se dizer diplomado naquilo que não é!