sábado, 10 de maio de 2008

A IMPORTÂNCIA DO PLANO DE AULA NA ESCOLA DOMINICAL

“Uma previsão bem-feita do que será realizado em classe melhora muito o aprendizado dos alunos e aprimora a sua prática pedagógica” (Márcio Ferrari)

Por mais experiente que o professor seja, ele não deverá entrar em classe sem antes planejar a aula. Por mais formal que a elaboração de um plano de aula pareça, ele não dispensa a oração nem a direção do Espírito em sua elaboração. Agindo assim, tem-se uma garantia de que as aulas vão ganhar qualidade e eficiência.

1. O que é um Plano de Aula

O plano de aula pode ser definido como a previsão dos conteúdos e atividades de uma ou de várias aulas que compõem uma unidade de estudo (trimestres, no caso das lições bíblicas). Dessa forma, “ele limita-se à previsão do desenvolvimento a ser dado ao conteúdo da matéria (lição) e as atividades de ensino-aprendizagem proposta de acordo com os objetivos no âmbito de cada aula”. (GIL, 2007, p. 40)

2. Elaboração do Plano de Aula

Não existe um padrão único na elaboração de um plano de aula. É preciso, no entanto, que um mínimo de coerência seja percebido na seqüência dos elementos a serem considerados no processo ensino-aprendizagem.

Buscando uma forma simples e funcional, adotaremos os componentes abaixo, como partes integrantes do plano de aula a ser implementado nas Escolas Bíblicas Dominicais da AD em Abreu e Lima. São eles:

a) Identificação do Plano. Nesta parte são indicados os seguintes dados:

NOME DA ESCOLA:

NÚMERO DA CLASSE:

NOME DO PROFESSOR:

TRIMESTRE:

NÚMERO E DATA DA LIÇÃO BÍBLICA:

TEMA DA LIÇÃO BÍBLICA:

b) Objetivos. Os objetivos apontam para o elemento central do plano. Define aonde se quer chegar, o que deseja ser alcançado. Os objetivos devem ser claros e bem definidos. As lições bíblicas de mestre, para facilitar a vida dos professores, trazem os objetivos já definidos, o que não impede que os mesmos possam ser redefinidos, à medida que o professor perceba tal necessidade.

c) Conteúdo. Os conteúdos neste caso, já são previamente estabelecidos, mediante uma análise criteriosa de uma equipe devidamente qualificada, que compõem o setor de educação cristã da CPAD, editora responsável pela publicação e distribuição das lições bíblicas. Envolvem de forma geral, temas relacionados à Bíblia sagrada, que vão incluem o estudo teológico sistemático, introdução e comentários dos livros da Bíblia, Família Cristã, vida cristã e outros.

d) Estratégia ou Método de Ensino-Aprendizagem. Estratégias ou métodos são caminhos a serem percorridos pelo professor, visando o alcance dos objetivos estabelecidos. Os procedimentos a serem utilizados para facilitar o fazer pedagógico são aqui esclarecidos. Dentre os vários métodos ou estratégias previstas, podemos citar:

- Aulas expositivas

- Perguntas e Respostas

- Seminários

- Júri Simulado

- Estudo de Caso

- Discussão

Para um melhor conhecimento destes métodos de ensino, sugerimos consultar as referências no final dessa abordagem.

e) Recursos Didáticos. Podem ser definidos como os meios que “servem para estruturar conceitos necessários à compreensão do que está sendo estudado. Isto é, são recursos auxiliares do ensino que facilitam a assimilação da mensagem que se pretende comunicar” (TULER, 2003, p. 39). Existe uma grande variedade destes recursos, que vão desde o quadro branco com marcador, até o uso de computadores e projetores de última geração. A previsão para o uso dos recursos didáticos, precisa estar dentro da realidade e disponibilidade de cada escola e professor.

f) Avaliação. Como podemos verificar a eficácia do processo-ensino aprendizagem, de que formar podemos comprovar se os objetivos foram alcançados? A resposta é: avaliando os alunos. A avaliação pode ser feita através da elaboração dos questionários (o da lição bíblica pode ser utilizado), perguntas diretas, avaliação no final do trimestre, observação etc. No caso do ensino cristão, uma vida transformada, que resulta numa mudança de caráter, comportamento, envolvimento no serviço cristão e maior comunhão com Deus e com o próximo, é sem dúvida alguma, a prova cabal que os objetivos de nossa prática pedagógica foram alcançados.

MODELO DE PLANO DE AULA


3. Referências Bibliográficas

GIL, Metodologia do ensino superior. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

GILBERTO, Antonio. Manual da escola bíblica dominical: pela excelência do ensino da palavra de Deus. 17. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1997.

TULER, Marcos. Manual do professor de escola dominical. Rio de Janeiro: CPAD, 2002.

______. Recursos didáticos para a escola dominical: ferramentas indispensáveis ao ensino bíblico infanto-juvenil. Rio de Janeiro: CPAD, 2003.

3 comentários:

Elisomar disse...

Isso é verdade, porque eu já havia comentado com alguém antes do CABEDAL,quanto me admirava a maneira como era administrado o tempo de estudo no sábado. E com certeza isso faz parte de um planejamento.

ASSEMBLÉIA DE DEUS-T.C disse...

A paz do Senhor amado; mim ajudou muito esse post... Deus abençoe vc + ainda.
Ir. Evanilson

Pedro Paulo disse...

Paz do Senhor! Quero parabeniza-lo pelo seu blog; pois se ele transmite tanto capricho e zelo provavelmente sua E.B.D tambémo tem. Que o Senhor continue a lhe abençoar.