domingo, 27 de abril de 2008

PASTORAS ASSEMBLEIANAS BRASILEIRAS

ASSEMBLÉIA DE DEUS DO PLANO PILOTO - BRASÍLIA

Estive em Brasília nos dias 25 e 26 do corrente mês participando de uma reunião do CEC (Conselho de Educação e Cultura Religiosa da CGADB), e confesso que fiquei bastante surpreso ao saber que na Assembléia de Deus do Plano Piloto, igreja ligada à CEADDIF (Convenção das Assembléias de Deus no Distrito Federal) e liderada pelo pastor Sóstenes Apolo, havia pastoras em seu quadro ministerial.

Fomos inclusive bem recebidos por uma delas, a pastora Maria Clara, diretora geral da UNIECO - Instituto Evangélico do Centro-Oeste, que nos mostrou o andamento das obras do novo templo, como também as instalações do novo estúdio de TV e do Instituto Teológico.

Entrando no site da referida igreja, pude conhecer também a pastora Maria José, que é responsável pela área 30 (Lago Sul e Condomínios Adjacentes).

Dentro das Assembléias de Deus no Brasil, a aceitação do ministério feminino vem crescendo gradativamente. Diaconisas já são ordenadas e atuam em várias regiões do país, e ao que tudo indica, discussões à parte, em breve, não será diferente em relação a atividade pastoral feminina, a não ser que haja uma intervenção firme da CGADB em relação aos fatos, fazendo valer as resoluções convencionais de 1983 (realizada em Vila Velha-ES) e 2001 (realizada em Brasília).

Uma coisa é certa, fazendo uma análise geral da realidade assembleiana brasileira, e parece-nos que em outras denominações acontece o mesmo fenômeno, já não se fala a mesma linguagem, já não existem padrões fixos litúrgicos, ministeriais, doutrinários etc.

O que se ganha e o que se perde com isso? Algumas respostas já podem ser dadas, enquanto outras, só virão com o passar do tempo.

Em meio a tudo isso, continuemos a orar pelo futuro das Assembléias de Deus e das demais igrejas evangélicas no Brasil.

89 comentários:

Daladier Lima disse...

Excelente notícia, que se multiplique pelo Brasil afora. E que as mulheres tenham a coragem e a sensibilidade de não errar onde os homens erraram.
Não vão haver maiores problemas do que agora. Já está mais do que na hora!

O que poderíamos temer com a entrada de mulheres no ministério? Concorrência? Ela já existe, e vai muito bem obrigado.

Zwinglio Rodrigues disse...

Parabéns à Assembléia referida na postagem.

O ministério (ordenação) feminino é legítimo.

Vitor Hugo da Silva disse...

Me desculpe pastor Altair, e principalmente Daladier!

Não acho que seja uma boa notícia. Como sempre digo: "Isto não passa de vaidade". Não é preciso ordenar mulheres para que as mesmas sejam valorizadas, ou até mesmo, terem a mesma voz ativa dos homens. Tudo bem quanto a diaconisas, pois temos respaldo bíblico para isto, porém, pastoras.

Quanto ao errar dos homens escrito pelo Evangelista Daladier. Nós bem sabemos que tanto mulheres como homens são falhos, ambos irão sempre falhar. Agora vai ser aquela festa de mulheres de pastores virando pastoras. Se há um abuso de poder sendo o homem pastor, imagina com sua mulher no pastorado! (Me desculpem a sinceridade).

Me desculpe, mas não falta homens valorozos para exercerem tal cargo. Existem ainda muitos homens que ainda não "falharam" e que são temerosos ao Senhor. Capacitados para a obra do Senhor.

Repito: "Vaidade e vaidade no seu sentido etimológico, vento, sopro, vão!"

Estou decepcionado!

Vitor Hugo

Mauricio disse...

A paz a Todos,
Sinceramente, acredito que enquanto nós homens nos preocupamos demais com coisas, rituais,atividades, nos esquecemos de mirar nossos olhos na pessoa do Senhor Jesus, enquanto lutamos com aquilo que achamos ser o certo ou errado, Deus tem pressa em agir e salvar tantos quantos for possível, porém estamos demais atentos a questões sem relevância, no que tange ganhar almas e cumprir o chamado de Deus, e se o Senhor da Igreja escolheu mulheres para o pastorado?, Ele é Deus e sabe todas as coisas.
Não podemos dizer que existe ou não base biblica olhando apenas a cultura da época e traduzindo para atualidade, a muito que considerar teologicamente, porém o tempo ruge, lembremos que a "posição" ocupada com seus diversos títulos, para Deus não tem valor algum, a não ser quando cumprimos aquilo para o qual fomos chamados.
Existe uma urgência no clamor do Espirito Santo no sentindo de que voltemos para o Senhor da Obra, não a obra em si, nos voltemos Àquele que faz o chamado e comissiona,não aos títulos que para nada servem.
O Espirito Santo tem clamado nos quatro cantos da terra para que o povo de Deus deixe de lado as firulas, para que possamos nos preparar para volta do Senhor Jesus que está tão perto de acontecer. Porém esse clamor vai além, devemos nos preparar mas sem esquecer dos milhares só neste país que ainda precisam de salvação.
Irmãos vamos nos lembrar que o Dono da Igreja anda no meio dos candeeiros, Apoc 1 e 2.
E que a maior preocupação do nosso Pai é ver seus filhos sendo luz e sal nesta terra.
Vamos somar juntos com as amadas irmãs e não dividir, deixemos o achismo de lado, vivamos em amor.
Diante do trono de Deus daremos conta do que pensamos e fazemos, sabedores de que para Deus não existem denominações e sim um povo único ao qual o sangue do Seu único Filho foi derramado para nos comprar e mais,custou caro para Deus abrir mão de Seu Filho afim de nos dar por graça, imerecida graça, a Salvação que temos hoje.
O mesmo Espírito foi derramado a todos quantos entregaram suas vidas a Jesus e para Deus fomos feitos em Jesus, reino e sacerdócio, que maravilha, todos são ministros do Senhor e não há distinção.
Deus abençoe a todos
No Amor de nosso Senhor Jesus Cristo
Mauricio Pereira do Carmo
www.blogspot.com
mauricio.melita@gmail.com

sandre disse...

Eu também, acho uma excelente noticia, primariamente, pelo fato, de que em todo o Novo Testamento, ele não é contrario a ordenança feminina, até, porque as ajudadoras de Paulo, em nenhum momento, não falam que elas não eram Pastoras, principalmente quanto a questão de liderança, Débora era uma lider.
No meu ver uma igreja homogenia em sua liderança é mais saudavel, do que simplesmente uma igreja machista.
Principalmente nos dias difíceis em que vivemos.
Até Porque o chamado é divino, a confirmação que é apenas humana, se não houver espaço na Assembléia de Deus, haverá em outros lugares, porque quando o trabalho é de Deus, as mãos humanas de nada poderão fazer, como disse Gamaliel ao Sinédrio.

Elessandre/São Paulo

TIAGO NYSTRÖM disse...

Pastor o senhor tem razão quando fala que não existe mais padrões nas igrejas e denominações. É verdade que muitas igrejas, ministérios e denominações estão despadronizadas, de igrejas com forma e identidade estão ficando deformadas. Depois da fabricação de pastores em série como que se fosse uma linha de produção, agora a moda é montar uma nova linha de produção. Isso é uma vergonha para aqueles que se disem conhecedores da Palavra e apoiam tais iniciativas.
Não interessa exemplos pós testamentários, o exemplo e a identidade da igreja vem da Bíblia. Então é bobagem alguém querer para sí o que não é proprio dela. Nem todos os homens são escolhidos para o ministério pastoral. Porém não há base bíblica para se dizer que a "produção" de Pastoras é de condição sagrada.

Pr. Robson Aguiar disse...

A paz do Senhor, Pr. Altair!

Segue um texto interessante sobre o tema, que digo de antemão que não é meu. Mais retrata o que eu penso:

MULHERES PASTORAS...


Com a indubitável proliferação das heresias dos últimos tempos, somos testemunhas de fatos nem sequer imaginados há dez anos atrás. Com Satanás avançando suas táticas e usando milhares de incautos, não nos surpreende que até aqueles que se intitulam crentes, sejam usados pelos intuitos satânicos: É o caso da ordenação de mulheres ao pastorado. O feminismo com suas mazelas e extremismos, pretende defender a mulher, mas o que faz‚ é atacar os princípios basilares da família e o papel do homem e da mulher. A sanha incontrolável das feministas que, diga-se de passagem, defendem dentre outras maldições o homossexualismo e lesbianismo, contaminou também as mulheres que se dizem cristãs, inspirando-as a invadir e usurpar o púlpito, lugar que Deus jamais concedeu às mulheres! (desafio alguém encontrar uma só linha na Bíblia defendendo isso) De onde, então, tiraram essa idéia ? Primeiramente vejamos de onde não tiraram essa idéia. Certamente não foi da Bíblia Sagrada, a Palavra de Deus, que de forma clara e contundente nos ensina sobre o assunto senão vejamos:

Pr. Robson Aguiar disse...

Cont...

ARGUMENTO DA AUTORIDADE DAS ESCRITURAS

O que na verdade está em jogo é a autoridade das escrituras. Se a Bíblia é muito clara sobre a questão do papel da mulher na família , no estado e na igreja, de onde foi que saiu essa idéia? Aqueles que negam a vontade e revelação de Deus no que diz respeito ao papel da mulher, estão fazendo coro com o Inimigo quando enganava Eva: "É assim que Deus disse...?" ( Gen. 3:1)

ARGUMENTO DA SEQUÊNCIA DA CRIAÇÃO

O relato da criação em Gênesis 2:7, mostra que Deus criou primeiro o homem e depois trouxe a sua presença todo o animal do campo, e toda a ave dos céus. É claro que Adão percebeu a relação de macho e fêmea no reino animal. Deus então interviu e criou depois a mulher ( Gen. 2:22-23). Não foram formados ambos ao mesmo tempo como poderia o Senhor fazer se quisesse, mas Eva foi formada posteriormente. O estabelecimento dessa ordem antecede a entrada do pecado, ficando assim indicada qual a intenção original de Deus.

ARGUMENTO DA FUNÇÃO DA MULHER

Deus criou a mulher com uma clara função: para ser a ajudadora ( hebraico "ezer" = ajudante, ajudadora, auxiliadora, quem está por perto, Gen. 2:18 e 20) do homem. A função da mulher de ajudadora e de submissão ao homem, não quer dizer que ela tenha mais ou menos valor, pois para Deus todos somos iguais. O que muita gente confunde é FUNÇÃO com VALOR, que são coisas completamente diferentes dentro desse contexto. Homem e mulher tem igualdade em valor e essência, porém diferentes em função. A mulher ímpia que não tem o Espírito Santo e que não conhece a Deus, jamais pode preencher completamente o papel que Deus reservou a mulher que começa pela aceitação de Jesus Cristo como Senhor e Salvador e continua no processo de santificação com a aceitação do plano de Deus que inclui a submissão. Em 1 Tim 2:12-14, Paulo usa o argumento da criação para demonstrar que a mulher não foi criada para dominar o homem. As razões colocadas foram que a mulher foi criada depois do homem e que ela foi enganada quando resolveu agir independente da liderança do homem.

Pr. Robson Aguiar disse...

ARGUMENTO DO PECADO

Após o pecado, a relação completamente harmônica entre o homem e a mulher foi drasticamente deteriorada em virtude da culpa e troca de acusações surgidas, o que gerou a maldição de Deus sobre toda a criação inclusive alterando o relacionamento conjugal. Deus colocou então sobre a mulher a expressão "...e o teu desejo será para o teu marido e ele te dominará..." ( Gen. 3:16). Tal dependência da mulher para com o homem a coloca numa posição de fragilidade, que deve ser respeitada com muito cuidado e respaldada pelo texto em 1 Pe 3:7 que revela: "Igualmente vós, maridos, coabitai com elas com entendimento dando honra a mulher, como vaso mais fraco;..." Note também que a mesma frase é usada em Gen 3:16 e repetida em Gen 4:7 "...e para ti será o seu desejo..." ( desejo = teshuwqah ). Da mesma maneira o pecado tenta nos dominar a todos: as mulheres decaídas desejam sobrepujar seus maridos e os homens decaídos tendem a oprimir as mulheres do mesmo jeito que o pecado oprime o pecador. O equilíbrio é alcançado quando o homem e a mulher, respectivamente, lidera e se submete, de acordo com o plano divino e com o amor ágape (Ef.5:22-28).

ARGUMENTO DAS 12 TRIBOS DE ISRAEL

Porque o Senhor escolheu somente homens para serem os cabeças das tribos de Israel? Qual a probabilidade disso acontecer sem um propósito? Um meio (1/2) multiplicado por si 12 vezes, ou seja, uma chance em quatro mil e noventa e seis vezes (1/4096). É óbvio que todos os escolhidos pelo Senhor foram homens por ser esta uma exigência fundamental que Ele estabeleceu para ser um modelo de liderança entre o povo de Israel. Quando isso foi violado, resultou apenas em desgraças. Vejamos dois exemplos: 1- Jezabel, a rainha megera cultuadora de Baal; 2- A rainha Atalia, sórdida e assassina que quando foi executada o "povo da terra se alegrou, e a cidade ficou em paz..." (2Cr. 23:21 ACF).

ARGUMENTO DOS 12 APÓSTOLOS

Porque Jesus Cristo escolheu somente homens para serem apóstolos? Qual a probabilidade disso acontecer sem um propósito? Um meio (1/2) multiplicado por si 12 vezes, ou seja, uma chance em quatro mil e noventa e seis vezes (1/4096). É óbvio que todos escolhidos por Jesus foram homens por ser esta uma exigência fundamental que O Mestre estabeleceu para ser um modelo de liderança na igreja. Isso não significa que Jesus não admitiu mulheres discípulas, muito pelo contrário. Muitas delas foram mulheres formidáveis que O serviam, mas não eram líderes. Isso não significa que quem não e líder não tem valor. Um desafio bíblico para se comparar com certas práticas missionárias: Quantas mulheres fundaram e lideraram igrejas no Novo Testamento? Nenhuma! Foram auxiliadoras valiosas e até fundamentais, mas não ultrapassaram a função divina.

Pr. Robson Aguiar disse...

ARGUMENTO DOS ESCRITORES DA BÍBLIA

A Bíblia foi escrita por cerca de 40 autores. O livro de Salmos, por exemplo, por vários autores, e o livro de Hebreus, muito provavelmente por Paulo apóstolo, mas nenhum livro da Bíblia teve uma mulher como autora. Isso não significa que a mulher crente tenha menos capacidade intelectual ou espiritual. Entretanto, isso é uma clara mensagem de Deus para o Seu povo: Ele quer usar - o homem na liderança. Isso é um fato incontestável que nenhuma feminista poderá jamais refutar. Ir de encontro a isso será uma rebeldia que cada uma irá carregar, arcando com as consequências.

ARGUMENTO DAS QUALIFICAÇÕES: " MARIDA" de uma só mulher ?

Em I Tim 3:1-7, Paulo coloca claramente as qualificações do bispo ( gr. episkopos ) , que é igual a pastor (gr. poinen), que é igual a ancião ( gr. presbuteros ). O bispo tem que ser em primeiro lugar IRREPREENSÍVEL e em segundo lugar MARIDO DE UMA MULHER. Só um homem (sexo masculino) pode preencher tal requisito fundamental. Talvez a crescente maldição demoníaca do lesbianismo em algumas pastoras nos Estados Unidos (isso é mais frequente do que se imagina) seja explicada pela tentativa de querer ser "marida" de uma mulher... Isso pode ser provado, por exemplo:

1. Uma igreja Luterana em Minneapolis, Minnesota - USA. Uma determinada "pastora", se divorciou do seu marido, um pastor luterano, e anunciou seu lesbianismo. Após isso, essa lésbica foi ordenada "pastora" e vive com sua "amante", musicista da igreja. Que tragédia!

2. Uma igreja Metodista em Ellensburg, Washignton. A pastora lésbica, nutrindo uma aberta relação com outra mulher, continuava triplamente desqualifica a usar o púlpito da sua igreja. Triplamente pelo seguinte: Primeiro por que uma pessoa depravada assim nunca nasceu de novo. Segundo porque Deus não chama nenhuma mulher para pregar. Terceiro porque o pecado de sodomia (masculina ou feminina) é uma abominação a Deus. Ver Romanos 1:26-27.

Essa maldição não é de se estranhar, pois quando uma pessoa cai em apostasia, um abismo chama outro abismo. A queda da mulher que usurpa o púlpito pode ser explicada em fases:

1. A mulher que cobiça o púlpito, em primeiro lugar, se torna rebelde contra Deus.

2. Ela se torna então rebelde contra a Palavra de Deus.

Uma certa rebelde, não tendo escapatória ao ser confrontada com a Espada do Espírito que é a Palavra de Deus, se tornou tão insana, réproba e rebelde que declarou acintosamente: "Eu não concordo com o apóstolo Paulo!!!" Sem comentários...

3. Ela direciona suas energias rebeldes contra toda a liderança da figura masculina.

Certa mulher, cheia de recalques e inflamada pelo espírito rebelde de Jezabel, declarou com relação ao púlpito: "Eu não aguento quando só tem homem lá na frente..." Nem precisa dizer que o marido dela, que é a favor de "pastoras", é um pobre coitado, omisso, e desmoralizado, mera caricatura de um marido e líder, totalmente dominado por ela...

4. Ela se rebela contra a autoridade do seu marido, assumindo inevitavelmente uma atitude masculinizada.

Esse tipo de mulher começa a se transformar paulatinamente num monstro andrógino. Ela começa a se vestir como homem (usa calça comprida, paletó, gravata), andar como homem, falar como homem, se parecer como homem (cabelo curto) e a fazer tudo como um homem. Para o Senhor isso é uma acintosa abominação (ver Deut. 22:5, 1 Tm. 2:9 - claramente saia - , 1Pe. 3:7).

5. Se ela é casada, duas opções se apresentam:
5.1 Esse marido que concorda com a insanidade de sua esposa, irá ser conivente. Ela, que não se submete ao seu marido, se rebela contra a autoridade dele (quer ele concorde ou não) que se torna um palerma manso; ou

5.2 Esse marido, que não concorda com a insanidade de sua esposa, irá viver em contínuo conflito com a ela desaguando em: 1. Separação, tragédia muito comum nesses casos, pois ela violou o mais básico princípio do matrimônio ou: 2. Desarmonia continuada. Tanto neste caso (5.2) como no anterior (5.1), a "pastora", que já não tinha e jamais terá qualquer qualificação Bíblica, adiciona mais uma desqualificação à sua lista: um lar fracassado. Sem escapatória, ela é totalmente reprovada nas Escrituras e na prática. Isso porém, não seria nada, para quem está compulsiva e cegamente obcecada em ser pastora, contra toda a multidão de argumentos Bíblicos.
Deixando de lados essas insanidades dos últimos tempos e voltando ao texto de 1 Tim. 3:1-7, a expressão usada no grego é : "...einai mias gunaikos andro." Note a palavra andro (= homem, macho). Deus, claramente, está usando a pena dos escritores sacros a nos comunicar claramente os seus desígnios que infelizmente tem sido rejeitado por aqueles que insistem no erro, o que atrairá sobre os mesmos todas as conseqüências dessa rebeldia. Aqueles que rejeitam tão contundentes argumentos é por que já estão rebeldes mesmo.

Pr. Robson Aguiar disse...

ARGUMENTO DA PROIBIÇÃO DE PAULO E DA LIDERANÇA DO HOMEM

Como já vimos, se ao homem ( sexo masculino) foi dada a responsabilidade de ser: 1- o pastor (líder) na igreja local e 2- o cabeça no lar, como é que pode uma mulher subir ao púlpito e pregar uma mensagem com autoridade sobre o mesmo? Das duas uma: se tal mulher for solteira, está procurando uma forma de exercer domínio sobre o sexo masculino. Se for casada é porque já tem o seu marido debaixo do seu cabresto e pretende ampliar os seu poder sobre todos os que puder. Paulo, na sua pena inspirada, no texto imediatamente anterior a 1Tim 3, que estabelece os requisitos do candidato a ser bispo, coloca claramente o papel da mulher que, dentre outras coisas, está impedida de exercer autoridade sobre o homem (1Tm 2:14). Como conseqüência, é óbvio, impedida também de pregar na igreja. Como um prefácio à explanação dos requisitos mínimos do bispo, Paulo exclui categoricamente a possibilidade da mulher exercer autoridade sobre o homem na igreja, senão vejamos: " A mulher aprenda em silêncio e em toda a sujeição. Não permito, porém que a mulher ensine, nem use de autoridade sobre o marido, mas que esteja em silêncio." ( I Tm 2:12-14 ) Edmond Hiebert no seu livro "A primeira epístola a Timóteo", declara sobre este texto:
" O infinito presente, no original, "ensine", denota, não um único ato, e sim um processo; e significa que Paulo não permite que a mulher assuma o oficio de mestra pública em uma congregação cristã. O infinito, no original, "exerça autoridade sobre", denota alguém que governa outro, um senhor, ou em palavras mais fortes, um autocrata . "Marido", no original, é "aner", o indivíduo do sexo masculino em distinção ao indivíduo do sexo feminino. Aqui jaz o ponto nevrálgico dessa proibição. É inconsistente com sua posição de subordinação ao homem, conforme divinamente arranjado, que a mulher assuma posição de domínio sobre o homem. A posição de mestre, ou professor, ou pregador na assembléia, implica em superioridade e autoridade sobre os que são ensinados. O professor age como o senhor que deve ser ouvido e atendido. Tal posição é assumida pela mulher ao se tornar mestra pública numa assembléia. ‘Nenhuma mulher pode tomar o lugar do homem sem violar a própria Palavra que ela tenta ensinar a mulheres ou a homens’ (Lenski). A repetição da exigência, ‘...esteja, porém, em silêncio’, destaca, por meio de contraste, a posição que cabe legitimamente a mulher crente. Paulo não se está referindo a instrução secular, em classes de aula sobre matéria profana, mas a posição oficial de mestra pública na assembléia cristã. Contudo, tanto o Novo Testamento como a história eclesiástica mostram que as mulheres ocupam um honroso e indispensável ministério na congregação local sem que isso as leve a transgredir a posição que Deus reservou para os homens. Tito 2:3-4 lhe assegura o ministério de ensino entre pessoas de seu próprio sexo ou entre crianças. Priscila não estava incorrendo em erro quando ela e seu marido, ajudaram o erudito Apolo a conhecer com mais exatidão o caminho do Senhor (At.18:26)."

Pr. Robson Aguiar disse...

ARGUMENTO DA " SENHORA ELEITA "

Em 2 João, os defensores do motim feminino, pretendem alegar que o apóstolo João estava se dirigindo a uma pastora. Vejamos o texto: 2 João 1 " O ancião à senhora eleita, e a seus filhos, aos quais amo na verdade, e não somente eu, mas também todos os que tem conhecido a verdade." Nos 13 versículos da breve epístola, em nenhum momento o apóstolo se refere a igreja ou ao ofício de pastor, palavras que nem sequer ocorrem na carta. Quem é o remetente? João! Veja em 3 João 1 como ele se identifica. Está se referindo a uma senhora, cujo nome sequer é declinado, e que tem seus filhos crentes andando na verdade. Bela descrição de uma família crente que deve lutar e se separar dos deturpadores. Os que querem ver algo mais do que isso, incorrem na deturpação condenada no próprio texto, inserindo algo que não existe.

ARGUMENTO DA PALAVRA SUBMISSÃO

A palavra traduzida por submissão em Efésios 5, o texto áureo da relação marido esposa, é no grego "hupotasso" . Este verbo está na voz passiva, o que significa que é uma ação da própria esposa em colocar-se voluntariamente, de boa vontade e com alegria, em posição de submissão ao seu esposo que a ama, do mesmo modo que a igreja deve submissão e obediência a Cristo. É uma das mais belas comparações de um relacionamento humano com a relação de Cristo para com a sua igreja, que também é comparada a uma esposa ( Apoc 21:9 e 22:17 ). O verbo "hupotasso", que ocorre 30 vezes no N.T., significa: hupo (preposição sub, debaixo) tasso (verbo apontar, ordenar) ou seja colocar-se sob as ordens, subordinar-se, estar sob obediência voluntária, colocar-se em sujeição. Veja os seguintes versos onde o vocábulo aparece: Luc. 2:51; 10:17; 10:20, Rom 8:20; 10:3; 1 Cor 14:32-37; Ef. 1:22; 5:21-24; Col 3:18; Tito 2:5; I Pe 3:1.

ARGUMENTO DO GÊNERO MASCULINO DAS PALAVRAS.

Todas as palavras traduzidas como "PASTOR", "BISPO", "PRESBÍTERO", e "DIÁCONO", bem como todos os pronomes a elas associados, estão no gênero masculino sem exceção no original grego! As rebeldes feministas que insistem em se auto denominarem "pastoras" (ou "bispas" ou "apóstolas") estão debaixo da maldição divina de desprezar e pisar em cima da autoridade cristalina da Palavra de Deus. Aqueles que se submeterem a essa "autoridade eclesiástica" feminina fabricada pelas mentes carnais delas (e dos que consentem com essa heresia), estão não apenas desobedecendo a Bíblia, como também furtando a si mesmos a oportunidade de ouvirem qualquer mensagem que honra a Palavra pregada que se baseia na inspiração verbal. Em outras palavras, as "pregadoras" vão ter que inventar uma manobra mirabolante para se esquivar da sua rebeldia desonrosa contra a exegese sadia que leva em consideração não somente cada palavra, mas também seu grau, gênero e número. Lembremo-nos do jota e til que não hão de passar! Essas rebeldes não têm nenhuma autoridade para fazer nenhuma exegese em qualquer verso da Bíblia porque lhes faltam as palavras que justificam sua presença no púlpito e no ofício que tentam exercer.

Victor Leonardo Barbosa disse...

pastort Altair e outros, já publiquei o que penso do assunto, estou pensando em escrever outros posts, pra gerar uma série dissecando tal tema.
Creio que enquanto os homens tiverem tal postura, a igreja só tem a aperder.
http://gqlgeracaoquelamba.blogspot.com

Anônimo disse...

graça a DEUS que DEUS é´DEUS e ele naõ pensa como o homen pensa.

Eduardo Neves disse...

“Procurando o Deus desconhecido.”

http://panoramateologico.blogspot.com

Pr. Robson Aguiar disse...

A paz do Senhor, para todos!

Respeito os meus colegas que já postaram neste espaço. Não quero parecer radical, em minha opinião.

Devo, porém reafirmar que o texto que postei não é de minha autoria, mas, sim de um pastor Batista, entretanto, como já outrora afirmei, compactuo com o parecer do mesmo em relação a ordenação de mulheres ao Santo Ministério.

Não estamos falando aqui de dirigentes de órgãos na igreja, pois não encontro contradição nisso, e sim de componentes do MINISTÈRIO.

Bem, estamos em um blog, e subtende-se que aqui é o lugar certo para debates, opiniões contrárias ou não.

Já coloquei a minha opinião, mas, não quero parecer absoluto no conhecimento, até por que não sou. Mas, estou aberto a explicações fundamentadas na bíblia, convença-me o contrário, e acreditarei.

Por enquanto sou cativo de uma consciência bíblica, tal como foi Wicliff, Hus, Savanarola e Lutero.

E apesar de todas as irmãs proeminentes e de destaques nas Assembléias de Deus que já foram citada nesse blog, é bom ressaltar, que nunca foram convencionadas como pastoras, pois os nossos antigos pastores, tinham uma concepção diferente da que pensam hoje alguns ministros.

Quero reiterar, mas uma vez que não tenho nada contra as mulheres, pelo contrário, aproveito bem o serviço das irmãs, seja em secretaria, tesouraria, recepção em nossas igrejas, além de todas as outras atividades que já exercem essas santas, nas Assembléias de Deus.

Enfim, não é atoa, que ainda hoje, e até o momento, oficialmente não é reconhecida ministras nas Assembléias de Deus.

E digo mais, pelo conhecimento empírico que tenho sobre a postura dos atuais líderes sobre o tema, adianto que se for levado a plenário, não passará.

www.prrobsonaguiar.nireblog.com

"Sem medo de pensar"

Daladier Lima disse...

O que a Bíblia diz sobre o ministério pastoral feminino:
1) Não há proibição. Paulo recomenda a Timóteo: ...confia o que aprendestes a homens fiéis (II Tm 2:2). Esse posicionamento paulino reflete sua formação rabínica. Os rabinos diziam (e ainda dizem): Te agreço, ó Eterno, por não teres me feito gentio, escravo ou mulher. Quando nascia um filho homem havia festa, quando mulher tristeza. O pai de família se fechava em casa e não queria conversa com ninguém;
2) Mesmo assim, Paulo relata em Romanos 16 o nome de várias mulheres que o ajudaram no ministério. A palavra grega para denotar a qualidade do trabalho é o de esforço no mesmo nível do dele e dos demais apóstolos.
Em suma, a Bíblia nem proíbe, nem recomenda. É neutra. Quero relembrar aqui, que o átrio das mulheres era uma configuração típica do Antigo Testamento. Outrossim, não está havendo nenhuma pressão pela ordenação feminina (notem que eu não sou mulher para estar fazendo a reinvindicação), mas a constatação de uma falha histórica, ou contradição histórica, ou então todas minhas professoras da EBD estavam no lugar errado.

Para maiores informações e que não pareça estarmos mal embasados biblicamente, pelo fato de termos citado nenhum versículo, acesse http://daladier.blogspot.com/2008/02/o-ministrio-feminino-bblico.html

Daladier Lima disse...

Em tempo: não esqueçam de ler os comentários do post referenciado anteriormente, vão elucidar algumas questões levantadas aqui.

Pastor Geremias do Couto disse...

Embora tenha dado algumas pinceladas no blog do Daladier,nos quais me alio à defesa do ministério feminino, estou finalizando um ensaio sobre o assunto, para publicar no meu blog, como já registrei no blog do Victor Leonardo.

Mas neste tema estou em campo oposto ao de alguns companheiros que discordam da ordenação de mulheres ao ministério.

Apenas isso para, mais uma vez, deixar registrado aquilo que creio sobre o tema.

Abraços

Pr. Robson Aguiar disse...

A paz do Senhor, queridos!

O contexto bíblico é claro, e proibi sim, a ascensão da mulher ao ministério, conforme textos já citados anteriormente. Ela não foi criada como líder, foi criada como adjuntora, como satanás não foi criado como Deus, e sim como anjo. Lúcifer saiu do lugar que Deus lhe havia destinado e rebelou-se. Oxalá, não aconteça por vaidade e porfia o mesmo com as nossas irmãs. Posição ministerial não é sinal de elevação, ou status como julgam alguns, pois somos servos do povo de Deus e não patrões, portanto não é nenhum demérito o fato da mulher não ser consagrada pastora (serva), da igreja, apenas não foi este o lugar que Deus preparou para ela.

Sem desmerecer as irmãs, mas, observem:

Argumento da estrutura do homem e mulher

O homem foi criado diferente. Motivo: Função

Exemplos:

O homem tem uma musculatura rígida,
A mulher não.

A mulher tem um formato corpóreo diferente.

O homem é prático
A mulher é detalhista

O homem se satisfaz com coisas
A mulher se satisfaz com comunicação

A voz do homem é diferente da mulher

A mulher engravida
O homem não.

As mulheres agem mais pela emoção
O homem pela razão.

Aconselhamento masculino e feminino há uma grande diferença dado aos pontos de vistas diferentes.

Estas diferenças indicam que Deus não planejou que ambos tivessem a mesma função.

Além do mais é fato que:

As mulheres estão ocupando funções masculinas, contrariando os planos de Deus. As famílias estão se degradando com isso. Omissão da mulher no lar, por conta de serviços fora de casa. Os filhos estão sendo criados por babás eletrônicas, e perdendo o referencial feminino.

A título de curiosidade:

Argumento numérico:

01 homem criado primeiro (Adão), argumento hierárquico (Líder)
01 homem escolhido para ser o PATRIARCA de Israel (Abraão)
01 Líder hebreu escolhido por Deus; Moisés (homens) para tirar o povo do Egito.
70 Anciões escolhidos por Moisés (homens)
12 Príncipes de Israel filhos de Jacó (homens).
70 Missionários enviados por Cristo (homens)
12 Discípulos de Jesus (homens)
03 dos discípulos eram mais chegados a Jesus (homens)
07 diáconos escolhidos (homens)
02 Missionários enviados pela Igreja em Antioquia
07 pastores (homens) das Igrejas da Ásia.

Estou sendo sucinto nessa apresentação, e não estou citando versículos, até por que já foi citado no texto postado por mim anteriormente, mas, posso embasar na bíblia, caso seja questionado sobre a veracidade deste comentário.

Se isto não for contexto, não sei mas o que é contexto, pois numericamente também está claro que Deus preparou o homem para ser líder e não a mulher. Portanto a bílbia é enfática em afirmar que o lugar das mulheres não é no púlpito (pastoras)

Não vejo até o momento argumentos consistentes dos meus pares, que mostre o contrário do que a séculos sustentam os nossos principais teólogos.

E por falar em teólogos, quero registrar que o Rev.Russel Shed, em palestra numa Igreja em Recife meses atrás, ao ser indagado sobre o assunto “Consagração de Pastoras” foi taxativo “A bíblia não dá respaldo a consagração de mulheres”.

www.prrobsonaguiar.nireblog.com

“Por que nada podemos contra a verdade, senão em favor da verdade”. II Co 13.8

EMMERSON disse...

Paz do SENHOR Pastor Altair!

Está muito bom o seu blog Pastor Altair, muito bom mesmo.
Nesta questão, veio um pensamento...será que estamos como na Atenas antiga, onde começa a surgir os filósofos, e as pessoas começas a pensar, a raciocinar e levantar teses? Já disse e reafirmo, este não é um assunto do eu acho? E sim de grande importância, porque não orar à Deus? Para poder ter uma posição autenticada por Ele? Não basta colocar versículos Bíblicos, precisamos fundamenta-los com a interpretação do Espírito Santo, porque muitos usam as Sagradas Escrituras para dizerem o que querem como tais seitas ou religiões. Que fique bem claro que este não é o caso dos senhores. Será que só agora começamos a pensar nisto? Estamos parecendo crianças quando descobrem algo, será que os homens que fazem parte da nossa história não tinha esta visão? E nunca pensaram neste assunto? Está parecendo que descrobrimos hoje o Brasil. Caros irmãos, os textos são claros quanto a isto, elas eram ajudadoras não Pastoras, será que JESUS e Paulo não teriam colocado mulheres no "poder" na frente de uma Igreja se quisessem? E isto estaria claro na Bíblia, mas como as Escrituras não afirmam que mulheres tinham esta posição? então fica claro que colocar mulheres agora seria uma inovação, ou por assim dizer... uma experiência. E uma observação? Vocês pararam pra pensar o porque colocá-las nesta condição? para quê? como seria? o que melhoraria? Deus relevou algo desta natureza?

Fiquem na Paz do SENHOR meus irmãos!

Luciana disse...

Nobre Robson,

Além do Rev. Russel Shedd, não podemos nos esquecer do renomado Rev. Antonio Gilberto, que também não apóia tal inovação. Sei que esses homens podem errar, mas os considero autoridades em matéria de exegese sagrada.

Anônimo disse...

É UM ABSURDO ESSA AFIRMAÇÃO DE QUE O AP. PAULO ERA MACHISTA!!! A BÍBLIA É OU NÃO A PALAVRA DE DEUS??? SE O PRINCIPAL AP., COM 13 CARTAS, ERA MACHISTA, O TEXTO DAS SAGRADAS ESCRITURAS ESTÁ COMPROMETIDO!!!

QUEM SOMOS NÓS PARA AFIRMAR ISSO?

SE PAULO PODEMOS AFIRMAR QUE PAULO ERA MACHISTA, TAMBÉM PODEMOS DIZER QUE ELE ESTAVA ERRADO QUANTO A SALVAÇÃO E OUTROS ASSUNTOS DOUTRINÁRIOS.

NÃO ACEITO ISSO.

Sóstenis Moura disse...

Deus chama homens, mulheres, jovens e crianças, tanto em caráter geral como específico, para a salvação e para o serviço. No entanto, cada um deve ficar na posição a que foi chamado.
Se todos forem cabeça, certamente surgirá uma grande aberração da natureza (e como seria feio!!!).
O que se percebe quanto à separação de mulheres para o pastorado em alguns lugares é a imensa crise de liderança, liderança esta cabível ao homem; e com a falta de liderança, a esmagadora crise de identidade.
Quando não se sabe o que é, o que se faz e para onde se vai, as cousas tendem a perder o prumo.
As mulheres são e serão sempre cooperadoras, orarão com os maridos, pregarão com os maridos, profetizarão sob a supervisão dos maridos; seus desejos, quaisquer que sejam, são fortemente administrados pelos maridos. Deus disse no Antigo Testamento e Paulo no Novo.
A Assembléia de Deus dá inúmeras oportunidades às mulheres, elas dirigem trabalho de oração, de evangelismo, de música e louvor, com crianças, adolescentes e jovens, no ensino e no aconselhamento. O que querem mais? A liderança? Depois quererão questionar o que na Europa e Estados Unidos está bastante em voga: o espaço de uma mulher como Deus. Talvez o que Leonardo Boff chama "a quarta pessoa da Trindade".
"Ave Maria, gracia plena". Maria é uma bem-aventurada mulher, exemplo de todos os fiéis, submissa a Deus, em sua mente e corpo; submissa ao seu marido, que tinha consciência de sua boa conduta; submissa a seu filho-Deus; e ao seu Pastor, Jesus. Não deixou de ser uma grande mulher, nem uma forte influenciadora da fé. (Até demais).
Agora, o que me parece, é que alguns querem dar um título à "mulher sem nome" ou ""esposa do pastor", como sugerem para a esposa do pastor.
Será uma mulher sem nome com um título!

Sóstenis Moura
www.embaixadoressiao.blogspot.com

Daladier Lima disse...

Que rumo infeliz toma um tema tão importante. Vejamos como uma abordagem sem imposição é interpretada distorcidamente. Ainda aguardo duas respostas, que provavelmente não terei por não ser ninguém (eu me identifico com o título, porque não tenho a pretensão de nenhum outro, sequer hermeneuta): 1) Devo seguir a orientação paulina de que a mulher deve estar calada na Igreja? 2) A Bíblia proíbe, de fato, o ministério feminino? Se as respostas forem negativas, estamos discutindo a ação do vento.

Outra coisa, ontem encontrei um irmão, numa roda de debates na EBO em Abreu e Lima/PE, que pelas postagens entendeu que eu reinvindicava algum posto para as mulheres. Eu esclareci a ele, o que faço a todos aqui, que não exporia meu presidente, por exemplo, a tal. Agora se proposto por outrem teria meu total apoio, já que, repito, e peço que meçam cada palavra, de fato, já existe o ministério feminino entre nós. Tentar esconder isso ou minimizar é como reter água em peneira. Falta, apenas, a carteira e o título. Que não se dêem se é esse o problema, e as mulheres continuarão a fazer o trabalho, pois não pretendem tal honra, aliás, neste ponto são muito mais sábias do que nós. É aí onde digo que as novas pastoras de direito (já que têm o título de fato), citadas pelo pastor Altair, "tenham a coragem e a sensibilidade de não errar onde os homens erraram".

Por fim, sinto que o contexto social tem me influenciado como a outros. Aliás, ontem um grande ministro, de nível nacional (e talvez internacional), disse, com todas as letras, durante um dos estudos de nossa EBO, que um ministro não deve usar calça jeans! Ele acha inadequado. De quem recebeu ele? Do Senhor? Ou do dono dos tecidos tergal? Ele se ateve a um contexto específico ou não? A Igreja deve receber sua palavra e julgar, ou não?

Um pouco de sensatez senhores, e passem-me os sais, por favor.

SIVALNEI SILVA disse...

concordo, que HÁ o machismo sim na biblia, muitas outras coisas'por isso qUE diz na palavra de DEUS retenha o que e bom e o que não for jogue fora.digo que os seguidores da palavras tinham suas opiniões proprios,qual o espirito de DEUS não optou.DIGO DEUS ele e amigo do homem ele escuta tais opiniões, do homem' ele da essa liberdade ão homem.lembra de moises,que quando DEUS disse ,moises destruirei esse povo rebelde e levantarei outro povo maior!disse moisses!senhor se o senhor fazer isso os nossos inimigos irão pensa qUE o senhor matou o povo porque não foi capaz de conduzir esse povo.disse DEUS assim seja com forme sua paLAVRA MOISES.VIU E NECESSARIO OBSERVA ABIBLIA COM ATENÇÃO NÃO E PECADO VOÇÊ FALAR AVERDADE ENTENDIDA NA BIBLIA NÃO E CONTRADIÇÃO E VISÃO.VOCÊ E PROFETA DE DEUS TEM COISAS QUE E DE DEUS TEM COISAS QUE E OPINIÃO SUA ENTENDE ISSO ASSIM ERRAM COM OS PROFETAS ACASO O HOMEM E FALHO TEM QUE SE APEGAR EM DEUS.OBS. FAÇA O QUE OS FARISSEUS MANDA MAIS NÃO FAÇA O QUE ELES FAÇA,PREGAM E NÃO VEVEM.

Pr. Robson Aguiar disse...

A paz do Senhor, queridos!

Não concordo com o nobre pr. Daladier, quando diz que o tema discutido teve o rumo infeliz. Acho que foi oportuno o tema, e que as diferentes concepções a respeito, elucidaram dúvidas, e ajudaram a todos os internautas que nos acompanharam, a se posicionarem. Se houve excesso por parte de alguém, ou uma má interpretação de palavras de outro, um simples pedido de desculpas, já resolveria, independente de quem tenha ou não razão. O bom senso deve prevalecer. Quanto ao pastor que ensinou na COMADALPE sobre não ficar bem para ministros usarem calças jeans, embora não pude comparecer aos Estudos, tenho para mim, que ele talvez não tenha sido minucioso em seu comentário. Penso que ele apenas deu uma opinião particular, e não uma doutrina. Uso pouco calça jeans, quase não uso, mas, me sinto melhor usando os meus trajes sociais, pois estas roupas formais identificam melhor o crente, do que as informais. Sem, contudo, achar pecado em roupas esportivas.


www.prrobsonaguiar.nireblog.com

EMMERSON disse...

Paz do SENHOR para todos e para nosso querido pr. Altair germano!

Já disse que este assunto não é de um simples "eu acho". Mais uma vez me deparo com este tipo de comentário infelizmente entre nós Cristãos, como alguém pode dizer que a Bíblia tem machismo, e que Paulo é também de fato machista? Últimamente caros irmãos... Alunos, Professores, todos Cristãos de modo geral, não estão muito centralizados nas Escrituras, nas EBDs, porque foi ensinado semana passada sobre as Escrituras, suas reivindicações: inspiração, infabilidade, completude, inerrância, soberania. Não procuraram saber sobre o Cânon, sobre Bibliologia, não se procupam em saber a nossa história,assim fica inferiorisado e empobrecido os Cristãos, não porque faço Teologia, graças a DEUS, Ele tem me dado esta oportunidade de está na FATEADAL aprendendo a Palvra do nosso SENHOR,não para ter um diploma mas para ser mais crente ainda, e isto me faz feliz ainda mais, mas mesmo assim quando não fazia, procurava fontes de estudos sobre a Bíblia e história. Se Paulo fosse machista como dizem? então a Bíblia é contraditória e o nosso irmão também, porque diz em 1Co 1.17 "...mas para anunciar o Evangelho e anunciá-lo sem usar a linguagem da sabedoria humana, para não tirar o poder da morte de Cristo na cruz".(NTLH) Ou 2.Co 2.4 "o meu ensinamento e a minha mensagem não foram dados com a linguagem da sabedoria humana, mas com provas firmes do poder do Espírito de DEUS"(NTLH) 1Co 2.13 "Portanto, quando falamos,nós usamos palavras ensinsdas pelo Espírito Santo de DEUS..." ainda mais que Paulo adverte sobre filosofias e vãs sutilezas, não vãs filosofias, mas todo tipo de filosofia, aí sim tem que ser penerado, mas nossa regra máxima de fé e prática...? Infelizmente o irmão fez uma colocação não muito boa, fica assim como uma heresia, pura heresia. Será que Paulo quando diz para sermos seus imitadores como ele era de Cristo ele estava falando por opinião ou tese sua? ou estava guiado pelo Poder do Espírito Santo? Irmãos cuidado com tais afirmações e colocações sem uma observação e interpretação do Espírito Santo.

fiquem todos na Paz do nosso SENHOR E SALVADOR JESUS CRISTO!

Anônimo disse...

Nada contra às mulheres, porém a bíblia nos mostra que a ordenança é para os homens. Ex. I Timóteo cap.3 v 2. Convém pois que o bispo, não foi a bispa; no versículos 8 e 12 do mesmo cap. Da mesma sorte os diáconos... Os diáconos sejam maridos de uma mulher...No livro aos Efésios cap. 4 v 11, diz: E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores. Em nenhum momento eu li pastouras , doutoras, diaconiza.
Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste... se passar disso...

Pr. Robério Amorim

L i l y disse...

A Paz do Senhor Irmãos!

Estou admirada com o rumo que tomou o debate no que diz respeito a opinião de alguns irmãos. De qualquer forma é produtivo, mas é triste observar que a postura da mulher na igreja ainda causa tanta polêmica. Sobre o famigerado argumento de que a mulher é diferente do homem, "a mulher é a emoção e o homem é a razão", temos que observar como a cultura opera dentro de uma sociedade. Os papéis que exercemos no grupo social não foram determinados por Deus, mas pelo homem. Alguns povos da Oceania tem, inclusive, costume contrário ao nosso: a mulher é o parceiro dominante e o homem é, dos dois, o menos capaz e o mais emotivo. O papel social do homem e da mulher varia imensamente de cultura para cultura, o que nega a suposta universalidade da divisão de
papéis em nossa sociedade. Creio que a Bíblia é universal e seus ensinamentos devem servir para qualquer e toda comunidade. Temos que observar que Paulo foi humano e esteve inserido dentro de uma cultura também. Assim como, no Antigo Testamento, os mandamentos não serviam apenas como leis morais, mas como regras para organização do grupo. Os escravos foram citados nessas leis e não acredito que haja alguém aqui para dizer que - por que Deus não se manifestou contra o costume de Israel, mas ordenou sobre ele - fosse a favor da escravatura.

Zwinglio Rodrigues disse...

"[...]de fato, já existe o ministério feminino entre nós. Tentar esconder isso ou minimizar é como reter água em peneira. Falta, apenas, a carteira e o título. Que não se dêem se é esse o problema, e as mulheres continuarão a fazer o trabalho, pois não pretendem tal honra, aliás, neste ponto são muito mais sábias do que nós."

Irmão Daladier, com o comentário acima, o você desferiu um golpe final à questão.

Os tradicionalistas não dão o título a elas, mas elas os têm por causa da essência ministerial demonstrada em suas ações; realidade que antecede à titulação...

O que é fato estabelecido, ninguém pode mais subtrair, apenas divagar contrariamente sobre...

Recomendo a leitura do seguinte texto "MULHERES NO MINISTÉRIO" postado no endereço abaixo:

http://www.scribd.com/doc/44464/MULHERES-NO-MINISTERIO?

Autor:

*Rev. Prof. Carlos Alberto Chaves Fernandes

*Pós-Graduando em Ciências da Religião e Teologia pelas Faculdades Bennett

*Mestrando em Teologia pela Universidade de San José (Costa Rica)

*Profesor de NT do Seminário Teológico Presbiteriano do RJ

Nesse texto ela contraria opiniões de teólogos da envergadura de Augustus Nicodemus.

É interessante o texto.

Daladier Lima disse...

Pois é Pr. Zwinglio, eu até quando determinados líderes questionam a ação do vento. Tem um aqui que até hoje questiona a TV na casa do crente, o que é de fato um problema, se mal administrado, mas não diz uma palavra sobre a internet. Enquanto ele está preocupado em não ter TV, o filho pode estar na internet vendo filme, pornográfico, inclusive.

O que eu não entendo são as contradições de apreço. Por que você não gosta do comentário de alguém o discrimina totalmente, fechando os olhos para a realidade que o cerca. Eu suponho, até por ter lido em algum outro lugar, que tais pessoas tenham CDs de cantoras em casa.

Pois não é que a Bíblia não dá uma palavra sobre o assunto, ou seja, autorizando que mulheres cantem na igreja? Será que tais pessoas vão quebrar seus CDs de Aline Barros? Ou da cantora e pastora Fernanda Brum? Ou da cantora e pastora Ana Paula Valadão?

Daladier Lima disse...

Ih, Pr. Altair Germano, um teólogo assembleiano arminiano apoiando um téologo presbiteriano calvinista e o chamando de "bibliocêntrico"? Agora o negócio complicou... Mas, vamos ao que interessa.

Tomei uma decisão drástica. Vou desencorajar meus professores de ir ao CAPED em Campina Grande. É que eu soube que haverão algumas palestrantes do sexo feminino, isso contraria I Tm 2:12. Pra 13ª Conferência da EBD em Ribeirão Preto, onde haverão três mulheres, nem em sonho! O problema maior é que alguns dos meus professores são presbíteros e diáconos, já pensou? Mulheres ensinando a eles? Não dá.

Outrossim, está proibida a oportunidade aos grupos femininos e aos solos idem. É que eu decidi que agora vou ser "bibliocêntrico", o que é uma obrigação de todo crente. Lendo I Co 14:34,35 e a posição de algumas pessoas nos comentários ao post cheguei à conclusão que estava errada esta postura de alguns pastores que me antecederam. Especialmente quando confrontados com o louvor levita no tabernáculo e no templo.

Mulher lá nas igrejas em que trabalho somente para dar glória, e isso se houverem poucos homens no culto.

O que o senhor acha da minha decisão?

Em tempo: Já quebrei os CDs de Ana Paula Valadão, Cassiane, Aline, Fernanda Brum, Ana Karam, Shirley, Mara Dalila, Lília Paz, Alessandra Samadello. Não quero mulher me ministrando louvor, já pensou numa coisa dessas?!

ALTAIR GERMANO, disse...

Amado leitores, o tema "pastoras assembleianas brasileiras" tem dividido opiniões.

Não se trata de uma questão simples, pelo menos no meu entender.

Devemos contudo em todas as discussões saudáveis, manter o equilíbrio do debate, não perdendo o foco da questão, não levando-a para ao âmbito pessoal.

O que discutimos, discutimos no amor e no temor do Senhor, buscando o melhor para o reino de Deus.

Não se trata de brigar pela "minha verdade", mas de buscar "a verdade da Palavra", da qual ninguém é dono.

Me foi pedido por pessoas que se sentiram ofendidas, que a exclusão de alguns comentários dos leitores fosse feita. Como administrador do blog, sendo compreendido ou não, resolvi assim fazê-lo em nome de algo muito maior do que aquilo que aqui discutimos, a comunhão no Espírito e a paz de Deus.

Um abraço!

Daladier Lima disse...

Recado entendido. Decidi não mais contestar o amado, que decidiu retirar seus comentários do post. Não vale a pena.

Gostaria de reiterar minhas colocações feitas aqui e em meu blog. O tempo dirá se não estou certo, se é que isso já hoje não resta muito claro.

Anônimo disse...

Esses assuntos não edificam, só confundem...Quem ja viu pastora em igreja??? A mulher está fugindo do seu papel, deveria cuidar da familia, e deixar com o homem a sua função , por chamada divina...

Edilson disse...

A paz do Senhor Pastor Altair,

Vejo o nosso amado Daladier um pouco exaltado e fico refletindo,quando não temos base bíblica,se torna melhor ficarmos calados, pois temos que seguir a palavra de Deus como regra de fé e bússola para nos guiar até o porto seguro que é Jesus Cristo.A mulher tem um papel fundamental, mas em relação ao pastorado a bíblia se cala.Não temos o direito de acrescentarmos algo que a santa palavra não diz. O querer saber demais tem feito homens se acharem donos da verdade e tentarem impor algo que não é real bíblicamente falando.Conheço alguns que se disserem que o céu é verde e forem contestados ficam tão agressivos que é melhor não lhes desapontar.Por isso torno a diz; Em relação ao pastorado para mulheres a bíblia se cala, e se ela se cala quem somos nós para tentar mudar isso.Atenção:Vamos parar de querermos saber demais...

Anônimo disse...

qUE PENA QUE GENTE QUE NUNCA PASTOREOU IGRJA FICA DANDO OPINIÃO COMO QUE SEJA O DONO DA VERDAE...ESSES SÃO OS DALA DA VIDA...DALAMA

Daladier Lima disse...

Edilson e demais, desculpem não poder responder melhor. É que estou no Círculo de Oração, com uma nova dirigente, que promete orar das 07:00 ás 16:00, com 70 irmãs, para que e até que possamos reformar nosso templo! É um esforço prático e tanto, não acha? Além de serem um dos grupos que mais está contribuindo financeiramente (mesmo que a maioria não é economicamente ativa)!

Elas preferem assim, sem títulos, sem discussão, sem debates kantianos, com suor, com lágrimas, perseguindo objetivos coletivos, erguendo algo para a eternidade. Enquanto nós, bem... nós estamos debatendo se elas podem ou não exercer algum cargo, estar investidas de autoridade, elas exercem a função necessária a ele.

Que pena!

Daladier Lima disse...

Sugestão de leitura: http://daladier.blogspot.com/2008/05/como-as-mulheres-foram-liberadas-para.html

Basta copiar e colar no navegador.

ALTAIR GERMANO, disse...

Penso que nossa grande dificuldade não é reconhecer os ministérios de Ef 4.11 na vida de algumas mulheres, mas sim, os de lhe conferir cargos eclesiásticos e aceitá-las no governo da igreja local.

Abraços!

Daladier Lima disse...

Pois é Pr. Altair, um problema freudiano.

Anônimo disse...

Que pena, que a igreja está entrando no mesmo caminho da sociedade, quando tem problemas, apoiam-se nas celebres conclusões de cientistas vazios de Deus...isto é falta de Biblia !!!Minha gente, que tem a ver Froyd com a igreja... a mulher foi criada com um fim: "AJUDADORA IDONEA DO HOMEM" e não igual, substituta, ha muito que a mulher vem fazendo a obra de Deus sem ser pastora, em crescimentos da igreja como nos primeiros dias do primeiro século, osobreiros eram poucos, o crescimento era vertiginosamente maior do que hoje, e nunca falaram aos apóstolos para consagra mulher ao ministerio de pastora. Em Fil. 4, vemo-as como ajudadoras, em Romanos 16, outra vez como ajudadoras...Quanta mente vazia, vai orar minha gente , tanto circulo de oração vazio,principalmente de manhã....hoje diante dos dilemas da sociedade nossos governantes estão apelando a orientações dadas por sociologos, psicologos, antropologos,etc...atrizes...humoristas, é sego guiando sego, será que vamos entrar na mesma????TEM MISERICORDIA DA TUA IGREJA JESUS.

Daladier Lima disse...

A priori não deveria me preocupar com atabalhoados anônimos debatendo este assunto. Há uma história por trás do debate que não pode ser desprezada por alguém que cai de paráquedas. Mas..., um blog (cujo proprietário deve ser respeitado e não tem nada a ver com o nível de seus visitantes) presume que qualquer pessoa pode opinar.
Dizer que Freud não tem nada a ver com a igreja, enquanto grupo social (será que vão entender esta digressão?), é, no mínimo, falta de cosmovisão cristã. A menos que não discutamos relações de poder e sexo?!
No capítulo 16 de Romanos, por exemplo, e para não perder muito tempo, fala que as mulheres eram trabalhadoras, não apenas ajudadoras. É o que quer dizer o verbo kopiaô, usado várias vezes por Paulo ali.
Vamos fundamentar um pouquinho a contra argumentação, senão vou ter que ignorar. Está muito fraca.

Daladier Lima disse...

Visitem no meu blog a última postagem sobre o Ministério Feminino, um presente às mulheres por ocasião do Dia da Mulher. Fique à vontade para opinar e criticar!

Pr. Alessandro Garcia disse...

Pr. Altair, essas notícias vem realmente confirmar a desarmonia que existe entre nós quanto a alguns assuntos.
Não sou favorável a ordenação de mulheres ao ministério pastoral não por serem incompetentes, pois elas já provaram para todos que são capazaes de realizar tarefas tão bem quanto nós os homens.
A questão é uma só: Não encontro respaldo bíblico para a ordenação feminina.
Quanto ao chamado para realizar a obra de Deus, elas não precisam de títulos para cumprí-lo. Aliás ninguém precisa necessariamente ser ordenado a algum cargo ministerial para fazer a obra de Deus. Bem antes de ser presbítero e pastor, eu já me encontrava plenamente envolvido na Seara do Mestre. A ordenação veio como confirmação do chamado de Deus em minha vida. Creio que esta tem sido a experiência de milhares de crentes.
Quanto as nossas amadas e queridas irmãs, jamais devemos impedí-las de se envolverem na obra do Senhor. Podem elas exercer funções na igreja local e até nas convenções sem serem necessariamente pastoras.
Quantas servas de Deus que são excelentes dirigentes de círculos de oração, professoras da EBD, missionárias, palestrantes e pregadoras em pequenos e grandes eventos e principalmente ganhadoras de almas? Tudo isto elas podem e fazem muito bem, mas o ministério pastoral, entendo que Deus confiou ao homem.

Graça e Paz.

Heitor disse...

A Paz do Senhor !
Pr.Altair,
Certa vez li numa revista evangélica, que a proporção de cristãos evangélicos no Brasil, de cada 10, são 7 mulheres e 3 homens. Independente de cargos, as mulheres fazem "muito mais" do que nós, homens de Deus mas apesar disso tudo e deixando todo machismo e feminismo de lado, BIBLICAMENTE NÃO HÁ RESPALDO PRÁ SE CONSAGRAR MULHERES. Isso é invenção humana e infelismente tem muita Igreja Evangélica, ao que parece, prá "concorrer" com as Denominações Neo - Pentecostais 9que começaram a adotar isso no Brasil), esquecem-se da Bíblia e, no "acho que não tem nada a ver", consagram as mulheres prá uma função que, biblicamente repito, não tem respaldo. Tenho o privilégio de ser casado com uma santa mulher de Deus, exímia Professora de Língua Portuguesa e que também é enfática ao afirmar isso:
"Apesar dos excelentes serviços prestados por nós, mulheres à causa do Mestre, Biblicamente é errado nos consagrar ao Pastorado.
Espero que nossa CGADB no mínimo, chame o líder daquela Igreja aqui no DF, e peça prá que ele se explique ou do contrário, desligue ela da CGADB !

Pr. Newton disse...

Estou impressionado com a preocupação de alguns muitos líderes evangélicos, ou seja, o interesse em defender, mulheres no poder da igreja.

Dito: Mulheres devem ter a coragem e a sensibilidade de não errar onde os homens erraram! Quais homens? Os de Deus? Claro que os que erram são os que consentem este agravante dentro dos templos de tijolos.

Meu dito: Meio confuso, esta afirmação, porque, homens erraram e mulheres erraram, e os dois continuarão errando, com coragem ou não, e com a falta de sensibilidade ou não. Afinal, a sensibilidade das mulheres, se perde, com a necessidade de possuir um cargo, declaradamente fora da autoridade bíblica.

Dito: O que poderíamos temer com a entrada de mulheres no ministério?

Meu dito: Existe uma defesa das mulheres por homens, interessados em quê? E por quê? O porquê do desafio, informando que é uma concorrência?

Não existe concorrência, e sim, um desvio de conduta da mulher, ocasionada pelo homem responsável -ou irresponsável- em seu ministério, sem a plena orientação do Espírito de Deus em concordância com as orientações da Bíblia.

O que não foi excelente em dois mil anos, o querem fazer excelente no final dos tempos.

As mulheres em breve ocuparão os bispados e apostolados. Afinal, quem não deseja o poderoso título de apóstolo? Nisto os homens estão errando, e as mulheres também errarão.

A vaidade, o orgulho e a soberba, pertencem aos homens e as mulheres.

Maranata, ora vem Senhor Jesus!

pr. Newton Carpintero
www.pastornewton.com

Daladier Lima disse...

Prezado Heitor, não há como a CGADB enquadrar a igreja do DF. A Convenção Geral provavelmente ratificou uma proposição sobre o Ministério Feminino, 18 anos atrás, na Convenção Mundial nos EUA! Dezoito anos! Você não leu errado, portanto, não é novidade. Para maiores informações leia no meu blog sobre o assunto.

Anônimo disse...

Mulher não foi feita para ser pastora... Absurdo!!!
E o seu marido, estará debaixo em submissão à esposa quando estiver na igreja?
Na Igreja ela será o cabeça do marido?
E fora da igreja, o marido voltará a ser o cabeça da mulher?
Quanta confusão! Aliás, mais confusão ainda... etc, etc, etc...

valmir moura disse...

infelizmente alguns estão pegando versiculo isolado para querer falar onde a biblia se cala já presencie alguem até chamando o apostolo paulo de machista e quero até mostrar outro machista se paulo é machista tambem jesus o foi porque ele não colocou nenhuma mulher no seu ministério existia muitas ate sua propria mãe,marta, maria madalena.e tantas outras jesus que veio demostrando superior a tantas questões e barreiras criadas pelo povo judeu téria com certeza quebrado esse machismo existente.uma coisa sei alguns que se acham superiores por ter um conhecimento ou ter estudado um pouco mais querem até falar onde a biblia se cala precisamos é orar mais e deixar esses ensinamentos extra biblico de lado sem provocar mais discordias entre os irmãos e ensinar o que verdadeiramente esta escrito para nosso crescimento espiritual

valmir moura/desterro disse...

para ser um apostolo havia algumas qualidades a ser exigidas primeiro ter visto o senhor pessoalmente e segundo um versiculo não mais do que um fala de duas mulheres ter se destacado entre os apostolos como hoje existe membros que se destacam mais que diaconos diaconos que se destacam mais que presbiteros e assim sucessivamente isto não quer dizer que aquelas duas mulheres eram apostolas conf.estar em romanos pelo que eu sei e tenho conhecimento doutrina é formada por um conjunto de versiculos e deve estar contido no novo testamento entre romanos e judas para ensinamento da igreja atual e não num só versiculo pois aprendir que forma regra ensima de um só versiculo é héresia

Daladier Lima disse...

Prezado Valmir, da minha parte não estou pegando versículos isolados, e se o senhor acompanhou o debate desde o início (se quiser posso enviar até os comentários deletados) verá que a discussão é eminentemente prática. Mas, vamos trocar algumas figurinhas.

Um homem não podia conversar com uma mulher em lugares públicos, Jesus conversou com várias, muitas vezes sozinho, uma delas beijou seus pés, algo impensável na sociedade judaica do seu tempo. O testemunho de uma mulher não poderia ser considerado num tribunal, Jesus fez questão de se revelar primeiramente a uma mulher, para que ela fosse e contasse que ele estava vivo. Uma mulher não podia cultuar, nem cantar no templo, nem orar junto com os homens (note que isto estava previsto na Bíblia, não era apenas interpretação rabínica!). Tudo isto aconteceu na Igreja Primitiva. Quem liberou para cultuarem juntos? Quem doutrinou sobre o assunto? A Bíblia se cala. Que faremos? Vamos proíbi-las?

Não disse que Paulo era machista, apenas escreveu influenciado por um contexto machista, assim como o senhor está fazendo. E se dissesse, não vejo problema algum. Quantos grandes líderes não foram tal? Conheço pastores que repreenderiam um obreiro por cruzar as pernas ao sentar! Não há pecado nisso, é cosmovisão. Pesquise um pouco sobre o assunto. Aliás, Daniel Berg e Gunnar Vingren quando iniciaram nossa igreja estabeleceram mulheres como líderes. Estariam desviados nossos ilustres fundadores?

Para sua informação (maiores informações no meu blog) a CGADB assinou um documento 18 anos atrás,(o senhor não leu errado, são dezoito anos mesmo!) reconhecendo o ministério feminino.

Para não me estender muito, por falar em versículos diversos apoiarem uma doutrina, porque o senhor, dentre outros comentaristas aqui, não exercita o ósculo? Paulo recomenda tal prática em cinco (eu disse cinco!) livros diferentes!

Daladier Lima disse...

Para os interessados sugiro a leitura do link "http://www.scribd.com/doc/44464/MULHERES-NO-MINISTERIO". Basta copiar o que está entre parênteses e colar no navegador.

É um documento massudo, com mais de sessenta páginas sobre a atuação das mulheres no ministério de Paulo. Depois não digam que faltam referências no Novo Testamento.

Em tempo, vejo como absolutamente saudável qualquer discordância, de qualquer pessoa. Não comentei aqui buscando unanimidade.

MOISÉS FRANCISCO disse...

A paz do Senhor a todos!
Pr. Altair Germano, sinceramente o tema é bastante preocupante, visto que também alguns depoimentos inspiram raízes do movimento feminísta até então na mídia mundial. Movimento este que tem causado prejuizos quase inrreparáveis na sociedade e pricipalmente nas famílias, dado ao desvio de conduta feminino, no papel especial da mulher na família com relação aos cuidados dos filhos e de seu esposos e também na administração de seu lar. Quero deixar claro que não sou maxista, apenas creio que Deus constituiu a familia e a seus respequitivos membros, estabeleceu principios. A questão é: O que diz a Biblia sobre isto?,a visão é agradar a Deus ou a si própio,como também a pessoas?.

Heitor disse...

A Paz do Senhor !
Irmão Daladier Lima,
O irmão fala deste documento de 18(dezoito) anos atrás. Aonde acho o mesmo ? a CGADB ratificou o mesmo ?
Ainda assim, biblicamente não é correto, à luz da Bíblia Sagrada. Não duvidando do amado mas, no site da CGADB, no link "nossa posição sobre", tem um artigo nomeado pelo Pr.Antonio Gilberto(RJ), que para mim é um dos maiores ensinadores bíblicos que temos no Brasil, falando o porque da não consagração feminina ao pastorado. Não seria uma contradição a CGADB concordar com algo e depois discordar disso ?
P.S: Analisando o Regimento interno da CGADB, ela tem poder SIM, de enquadrar qualquer Igreja filiada a ela que esteja sendo contrário nos aspectos doutrinários e litúrgicos sim. É só querer !

Daladier Lima disse...

Prezado irmão Heitor, é justamente esta contradição que evidencio desde o início do ano, no meu blog e onde posso debater o assunto, como aqui. A posição do Pr. Antonio Gilberto esboroa quando, por exemplo, se envia missionárias ao campo, um ato corriqueiro nas ADs brasileiras, ou quando se permite que elas ministrem palestras, como ocorre com a CPAD nos CAPEDs e outros eventos de grande porte. O próprio articulista não se furta a estar ao lado de tais mulheres, nestes eventos. Portanto, a discussão é inútil.
A resposta à sua pergunta: "Não seria uma contradição a CGADB concordar com algo e depois discordar disso?" é sim, mas é o que acontece na realidade.

mauricio disse...

Pr. Aguiar,

Se Deus etá usando as mulheres de uma forma sobrenatural, quem é a denominação que vai recusar dar títulos a essas mulheres? Títulos muitas vezes conquistados com bajulações, manipulações e apadrinhamentos. Deus não é machista, nem feminista. A bíblia, sim, foi escrita num contexto machista. Salomão tinha 1000 mulheres, ou seja, elas eram apenas um objeto de prazer para o homem. Deus tolerou... mas nunca aprovou isto... Ef 5.22ss que a mulher deve estar submnissa ao seu marido (no contexto familiar) e não a todos os homens.

ICHTUS disse...

A Paz do Senhor amados.

Não encontro nas Sagradas Escrituras amparo para ordenação de pastoras, evangelistas, presbíteras, bispas...
É fato que existem mulheres que fazem um trabalho maravilhoso na obra de Deus em muitas áreas, mas não penso que isto abone a consagração delas.
Infelizmente, as Assembléia de Deus estão perdendo sua identidade e, em muitos lugares, já foram removidos os marcos antigos.
Caso fosse o caso de tais ordenações, a Bíblia seria clara neste aspecto e no princípio da Igreja isto teria sido implementado.
Também não podemos confundir o trabalho missionário e evangelístico com o pastoreio, dadas as peculariedades de cada área.
Por fim, o que entendo é que as mulheres estão envaidecidas, buscando uma condição de status que parece-me com uma espécie de soberba.
Que a CGADB abra os olhos enquanto é dia...

É o parecer.

Wilson Schneider Amaral - IEAD Curitiba.

Daladier Lima disse...

Prezado irmão Wilson, por coincidência ou não também não encontro em toda a Bíblia autorização para mulher cantar em congregação. Não é a realidade histórica do protestantismo. Isso significa que se na ordenação marcos estão sendo removidos, isso já aconteceu ao longo dos 500 anos da Reforma, não se sabe quando.

Ana Lúcia disse...

A CRUZ MUDOU A HISTÓRIA DAS MULHERES —
A Cruz Resgata a Dignidade das Mulheres

Deus sempre agiu, no passado, no presente, e agirá no futuro sob a perspectiva da Obra da Cruz. Como afirmou certo escritor: “Há uma cruz no coração de Deus”. Jesus Cristo em relação às mulheres revela algo extremamente importante: Ele deu o verdadeiro valor às mulheres. As mulheres são pessoas e não objetos. Elas deveriam, portanto, ser identificadas e reconhecidas como seres humanos iguais, como discípulos iguais, e pessoas em si mesmas, não como meros objetos de desejo dos homens. Quando Ele utilizou o título “filha de Abraão”, condição completamente desconhecida nas obras judaicas, ele estava indicando sua posição de “cidadã da nação”. Sua escolha deliberada do título destaca o valor dado à mulher. Assim, tem-se a clara impressão de que o valor essencial das mulheres como pessoas, para Jesus, se mostrava exatamente igual ao dos homens, embora essa idéia fosse estranha ao pensamento judeu daquela época. Sua atitude, ou seja, a maneira como Jesus tratou as mulheres, veio causar mudanças radicais. Ele, pois, esperava que Seus discípulos seguissem o mesmo exemplo.
Jesus possibilitou, às mulheres, o convívio livre com o grupo dos discípulos, o que não ocorria antes. As mulheres, no judaísmo, eram segregadas porque representavam um constante perigo para o homem. Ao contrário dos rabinos, Jesus não advertiu contra olhar para uma mulher ou relacionar-se com ela, mas fazê-lo com impureza. Somente a Cruz poderia abrir essa possibilidade, porque ela traz consigo a libertação do pecado, da malícia e da maldade. São vários os argumentos na história bíblica que nos indicam a forma tão “revolucionária” como o Senhor tratou as mulheres, no sentido de valorizá-las e reconhecê-las como pessoas. Mary Evans em sua avaliação do papel da mulher na sociedade e na igreja afirma em relação a Jesus: “Se houvesse a menor evidência de má conduta sexual, então o ministério de Jesus teria ficado desacreditado e não haveria mais necessidade de maiores investigações”.
Jesus tinha compaixão por todos os que sofriam, sejam homens ou mulheres, e os curava. Porém, o fato surpreendente se encontra em sua atitude em desconsiderar “quaisquer injunções contra a idéia de incorrer em impureza legal ou ritual se o fizesse”. O exemplo dessa realidade pode ser confirmado no caso da mulher de fluxo de sangue. Jesus provocou deliberadamente admiração, chamando a atenção para o episódio em que ela o tocara. Isso, segundo a lei judaica, O tornaria impuro (Mt 9.18-26). Em muitas outras ocasiões, ao curar e tocar as mulheres, não se fala da necessidade de que Ele passasse pelo ritual da purificação estabelecido pela lei. Ao cumprir a Lei, Jesus torna todos tipos de purificação ritual desnecessários. No entanto, o mais significativo é o fato de Ele posicionar a mulher em um novo lugar de dignidade sob a nova aliança.
Portanto, é importante perceber que Jesus não hesitou em tocar nas mulheres, ou tomá-las pela mão; mas Ele permitiu da mesma forma que as mulheres O tocassem. O que Ele quis mostrar, com tais atitudes, era a possibilidade de homens e mulheres se relacionarem como seres humanos. Ele falava livremente com elas. Curou-as e permitiu que elas Lhe tocassem e trouxessem seus filhos para serem abençoados por Ele. E deu-lhes a oportunidade de servi-Lo. Todas essas atitudes eram impróprias para um rabino. Eles desaprovavam até que as mulheres servissem às mesas.
Desse modo, Jesus mostra-Se radical ao tratar com as mulheres. Enquanto os rabinos as colocavam em uma posição bem inferior, Jesus, ao contrário, falou com as mulheres, cuidou delas, acolheu-as no grupo dos Seus amigos e aceitou o serviço delas.
É admirável ler os Evangelhos e contemplar o Senhor Jesus tratar as mulheres como seres humanos responsáveis, tê-las como amigas, dar-lhes a oportunidade de elas ouvir Seus ensinos. Ou melhor, Ele, pessoalmente, as instruiu, desenvolvendo temas teológicos com elas, permitindo-as dar respostas. Jesus mostrava que as mulheres não só podiam aprender e compreender, mas, igualmente, participar de debates. Sua conversa com a mulher siro-fenícia (Mt 15.21-28; Mc 7.24-39) e com a mulher samaritana foram as mais demoradas e significativas. A primeira buscava a cura para sua filha, seguindo Jesus, mas isso acabou irritando os discípulos. Eles pediram a Jesus que a mandasse embora. Todavia, Ele reagiu de modo bem diferente: Ele a viu como uma pessoa, um ser humano e desenvolveu um diálogo com ela de acordo com suas necessidades. Conversou com ela. Fez que ela passasse por um tremendo teste. Nessa oportunidade, o Mestre demonstrou que as provas não surgem simplesmente para humilhar; muito mais para nos levantar. Por isso, Ele não lhe atendeu de imediato, porque desejava dar-lhe a oportunidade de ela declarar e confessar sua fé. A resposta daquela mulher estrangeira revelou discernimento e inteligência e causou admiração, alegria no coração do Senhor. É significativo nessa experiência, não somente a inteligência da mulher, mas o fato de Jesus dialogar com ela de modo deliberado a fim de despertar sua capacidade de entendimento.
Outro exemplo maravilhoso se apresenta no encontro de Jesus com a mulher samaritana (Jo 4.7-12). Apesar de ser impróprio para um judeu conversar com um samaritano, Jesus causa admiração aos Seus discípulos ao vê-Lo dialogando com uma mulher samaritana. Ele passou um bom tempo com ela, além de lhe pedir água, ficou conversando, discorrendo, e dando-lhe profundas instruções teológicas. Ele mostrou, assim, a capacidade de apreender da mulher. O entusiasmo da mulher foi tão grande que conquistou muitos “homens” para crer nEle. Que mulher-evangelista estava nascendo naquele momento!
Muitos outros exemplos poderiam ser mencionados: tais como Maria e Marta, como ocorre nos Evangelhos (Lc 10.38-42; Jo 11.20-33). A narrativa fala de Maria que “quedava-se assentada aos pés do Senhor a ouvir-lhe os ensinamentos”. Trata-se de um rabino ensinando um aluno. O aspecto importante e extraordinário é que o “aluno” era uma mulher. Fica claro que Jesus dava instruções particulares a um grupo maior do que os doze apóstolos e que, neste grupo, as mulheres estavam incluídas.
Jesus recebeu a unção de uma mulher. E a identidade dessa mulher é “Maria de Betânia”. Esse acontecimento revela que os ensinamentos de Jesus a Maria deram fruto. Sua atitude, ao ungir Jesus, pode ser considerada, em primeira mão, como uma simples e bela expressão de seu amor e devoção. Mas Jesus interpretou com muito mais significado. Na verdade, Maria sabia o que estava fazendo. Tanto Mateus como Marcos (Mt 26.12; Mc 14.8) apontam Maria com muito mais discernimento teológico do que os discípulos demonstravam na ocasião em que aconteceu esse fato. O Mestre se viu forçado a repreender Seus discípulos, porque eles acreditavam ter mais entendimento espiritual do que aquela mulher. Mas Jesus demonstra-lhes que o oposto era a verdade.
As mulheres participaram, também, das narrativas da paixão. É importante o papel das mulheres nos últimos capítulos dos quatro Evangelhos. Elas estavam presentes na hora da Sua morte na Cruz e no Seu sepultamento. Foram elas as primeiras a receber a notícia da ressurreição. Foram elas as primeiras a ver a Jesus, depois de ressurreto. E, também, elas foram as precursoras, as pioneiras, ou seja, as primeiras a falar da ressurreição. Cabe admitir o que diz C.E.B. Crandfield: “Um aspecto de todos os quatro evangelhos que favorece a autenticidade da história como um todo é o destaque das mulheres; pois este é um aspecto que a igreja primitiva não estaria inclinada a inventar”.
Desse modo, as mulheres foram reconhecidas nessas narrativas principalmente como “testemunhas”. Se para os judeus o depoimento das mulheres não possui valor; Jesus demonstrou que para os cristãos a realidade deveria ser totalmente diferente. O significado da participação e da presença das mulheres junto à Cruz se encontra no fato de que os detalhes do que estava acontecendo podiam ser consolidados pelo seu testemunho. Todos os detalhes da morte, do sepultamento, e da ressurreição de Jesus se tornaram conhecidos através do testemunho das mulheres.
Assim, além de se tornarem testemunhas dos fatos mais importantes da história, as mulheres foram apresentadas, nos Evangelhos, como recebedoras da mensagem. Certamente, elas foram as primeiras a receber a mensagem da ressurreição porque chegaram lá antes dos outros. Uma ocasião tão importante, ter na Providência de Deus a precedência das mulheres sobre os apóstolos, deveria servir de evidência, de uma indicação autêntica para determinar a nova posição da mulher na comunidade de Jesus Cristo.
Mary Evans também assevera que, além das mulheres serem testemunhas dos fatos e receberem a mensagem, também, foram convocadas a transmitir a mensagem da ressurreição. Portanto, é importante insistir e enfatizar novamente algo revelador e tão crucial: as mulheres foram as primeiras a anunciar a mensagem do Evangelho da ressurreição. Elas foram as primeiras a irem à sepultura. Elas foram as primeiras a proclamar o acontecimento em virtude da ordem dos anjos e do próprio Jesus Cristo. Quem eram essas mulheres? “Eram Maria Madalena, Joana, Maria, mãe de Tiago; também as demais que estavam com elas confirmaram estas cousas aos apóstolos. Tais palavras lhes pareciam um como delírio, e não acreditaram nelas” (Lc 24.1-11). Os discípulos foram repreendidos por sua incredulidade, pois não deram crédito às palavras das mulheres quanto à ressurreição (Mc 16.14). Portanto, na comunidade cristã, as mulheres deveriam ser reconhecidas, tanto quanto os homens, em sua capacidade de testemunhar e transmitir a mensagem revelada por Cristo Jesus.
Sem dúvida, Mary Evans tem razão ao dizer que as mulheres desempenharam um importante papel no registro desses acontecimentos. Nessa ocasião, as mulheres demonstraram perseverança, lealdade e, até mesmo, uma fé maior do que a fé dos doze apóstolos. Na verdade, cabe destacar uma questão interessante, quanto às reações das mulheres. Elas sempre são identificadas como seres mais emotivos e mais sensíveis em comparação aos homens. Todavia, nessa ocasião histórica, singular, mesmo tomadas de grande emoção, não ficaram paralisadas. Pelo contrário, saíram correndo, com o coração ardente e desejoso de falar da grande e maravilhosa obra de Deus: a ressurreição de Cristo.
Tais argumentos e evidências demonstram com clareza que as mulheres receberam de Jesus um tratamento digno de um ser humano: não sendo, em momento algum, discriminadas, excluídas ou condenadas por Ele. Não um ser diferente e especial, em relação aos homens, mas idêntico, porque Ele amava a ambos, homens e mulheres, com a mesma grandeza e intensidade.
Entendamos, pois, que a Cruz de Cristo tem o poder, também, de nivelar a todos — homens e mulheres, pobres e ricos, sábios e ignorantes, grandes e pequenos. Somente a Cruz de Cristo pôde trazer um novo tempo no qual os preconceitos, a discriminação e a segregação contra as mulheres fossem eliminados. A Cruz demonstra a grande verdade: “Deus não faz acepção de pessoas”.

Você, talvez, não conhecem a Irmã Antonieta Rosa.Ela é líder de uma grande igreja - Assembléia de Deus - com várias congregações. Mas ainda não foi "reconhecida pelos homens" como pastora. Exercer o ministério de Pastora já é um fato. Isso vocês homens e líderes da Assembléia de Deus terão que resolver diante de Deus. E chama é Deus. Quem unge é Deus. E Quem usa é Deus.

Heitor disse...

A Paz do Senhor !
A quem postou acima,

Eu já ouvi falar da irmã Antonieta Rosa, só que ela não pastoreia Igreja da AD não viu ? a irmã está equivocada.
Sim, é fato que quem chama é DEUS, quem unge é DEUS e quem capacita é DEUS porém...
Este mesmo DEUS, que levantou a Igreja primitiva também é o DEUS que não permitiu que mulheres assumisem o Pastorado de Igrejas. Para um entendimento melhor, leia no site da CGADB o que diz lá em "nossa posição sobre" : tem um artigo porque as AD's não consagram e/ou reconhecem o chamado pastorado feminino. E isso não é desvalorizar as abnegadas servas de DEUS até porque prá ir morar no Céu não é preciso ser Pastor, tem que ser salvo e perseverar até o fim...

P.S: Ao amado Daladier lima:
Vc cita um documento de 18 anos atrás que a CGADB reconheceu o Pastorado feminino. Aonde encontro o tal documento ? e depois: foi levantado este questionamento na AGO da CGADB em 2001(Brasília-DF), foi posto em votação e ganhou com esmagadora votação a NÃO ORDENANÇA às mulheres ao pastorado. 18 anos atrás reporta a 1990 e a tal votação foi em 2001 portanto, e bem mais recente. É o que tá valendo.

Daladier Lima disse...

Prezado irmão Heitor veja o link http://daladier.blogspot.com/2008/09/uma-trama-trgica-da-histria.html que mostra o momento de tal adesão. Repito: essa história são favas contadas, basta-nos ver a quantidade missionárias mantidas pela AD no Brasil.

Abraços!

Josias, O protestante disse...

JOSIASOPROTESTANTE CONFESSO QUE FIQUEI SURPRESO AO ACESSAR O BLOG DO PASTOR ALTAIR, E ME DEPARAR COM ESSE ASSUNTO, MULHERES COMO PASTORAS. ATE ONDE EU SEI E COM ALGUNS PASTORES PRESIDENTES DA ASSEMBLEIA DE DEUS COM
QUEM FALEI TODOS EVITARAM O
ASSUNTO. NOSSA IGREJA AD-BRASIL ESTA PENDURADA POR UMA LIMINAR CELESTIAL E ISTO PORQUE AINDA EXISTEM ALGUNS CONSERVADORES DA SA DOUTRINA. AOS HEBREUS CAP 5 VS 4.

francisca disse...

Pra.Francisca
A Pr.Altair e pr.Robson Aguiar

QUE COMENTÁRIO INFELIZ ESSE DE QUE NEM UMA MULHER ESCREVEU A BIBLIA, ELA PODE NÃO TER ESCRITO NENHUM LIVRO, MAS LER AMADO COM ATENÇÃO OS EVANGELHOS,ELAS FORAM GRANDES E IMPORTANTES EXEMPLOS NO MINISTÉRIO DE JESUS,E SE NÃO PERCEBEU NEM UM VERSICULO DA BIBLIA MOSTRA O MESTRE COM MACHISMO COM ELAS, MUITO PELO CONTRÁRIO JESUS FOI ATENCIOSO ATÉ COM ADULTERA A LIVRANDO DA MORTE,QUANTO MAIS MULHERES FORTES E CORAJOSAS QUE DEDICAM SUA VIDA AO SENHOR COM SEU PASTORADO.
FICO TRISTE DE VER ESSE TIPO DE COMENTÁRIO,MAS ORO PRA QUE DEUS ABRA A VISÃO DE HOMENS QUE ACHAM QUE MULHERES NÃO SÃO CAPAZES DE LIDERAR NA OBRA DO SENHOR!!!
CARO AMADO,JESUS TÁ VOLTANDO, DEUS VAI USAR HOMENS E MULHERES PARA PROCLAMAR A SALVAÇÃO,E USÁ-LOS COMO INSTRUMENTO DE MILAGRES. HOMEN OU MULHER, O QUE É PRECISO É DEIXAR O PRECONCEITO E SER FIEL A DEUS, DEIXAR DE COLOCAR A MÃO NAS OBRAS DE DEUS.
SE TEM MULHERES EM MINISTÉRIO É PQ CERTAMENTE OS HOMENS ESTÃO SE ESQUIVANDO DE FAZER A OBRA DO SENHOR, NINGUEM É INSUBISTITUIVEL.
GRAÇAS A DEUS POR ISSO!!!!
A PAZ

Tia Dulce Moraes disse...

A Paz do Senhor Pr Altair Germano.
Não pude deixar de ler os comentários anteriores sobre a postagem do irmão.
Meu esposo e eu sempre conversamos a respeito do assunto aqui discutido. E confesso que acredito não ser fácil para a liderança das Igrejas do Brasil mudar o quadro existente a respeito do ministério pastoral feminino.
Para mim, ainda é difícil expressar com o mesmo respeito: "Pastora". Acredito que a "pastora" é a esposa do pastor. Quando se casam, devem compreender que um completa o outro. Sendo assim, não vejo porque separar isso. A "pastora" é ordenada no momento em que o seu marido é. Talvez seja ignorância de minha parte pensar assim, mas acho muito estranho ordenar uma mulher como pastora e o marido dela ser um "zé ninguém" na igreja. Penso eu, que em primeiro lugar vem o chamado de Deus para o meu esposo e eu como sua ajudadora devo acompanhá-lo.
Bem, ainda tenho minhas inquietações. E prefiro deixar essa decisão sob a responsabilidade de homens de Deus como o Senhor e os demais líderes das Assembléias de Deus no Brasil, que por certo buscarão no Senhor o caminho e a melhor decisão.

A Paz!

Irmã Dulce Moraes

Anônimo disse...

A principio sou contra, mas não fecho questão. A muito a ser analisado.

Acho importante o trabalho das mulheres na igreja, mas dai a pastora tem uma enorme distancia.

Alem do mais em muitas igreja que ordemam pastoras, apenas dão um titulozinha a mulher do pastor, pura demagogia

JA fui em casamentos em igrejas que ordena pastoras e leram na cerimonia a texto que que a mulher seja submissa e que o marido é o cabeça. Neste caso não é fora de contexto?

Acho um tema relevante e uma igreja vinculada a uma convenção e que usa o nome da denominação não deveria dar uma de moderninha criando o cargo da pastoras. Ora se a denominação é contra mude o nome da igreja.

nei

Anônimo disse...

Quando passamos a zelar mais da imagem de uma instituição que do Evangelho é isso que ocorre:mais de 4 bilhões de pessoas sem Cristo e pessoas preocupadas com ordenação ou não de mulheres,vale uma pergunta,Pastorado é um título ou um dom?E se é dom este dom é masculino?quanta ignorância e ainda usando da bíblia,perdoem-me eu quero é ganhar almas para Cristo

Pra. Zenilda disse...

Fico muito feliz de que as Assembléias de Deus estejam ordenando pastoras. Todos os argumentos surgidos nessa discussão já tenho lido e ouvido muitas vezes. Mas Deus chama. E o Espírito sopra como quer. Nas igrejas batistas da CBB já temos 83pastoras. Glória a Deus!
Abs a todos e a todas as queridas pastoras
Pra. Zenilda Reggiani Cintra
(http://pastorazenilda.blogspot.com/)

Gilson disse...

Depois da “ordenação” da Cassiane, cantora famosa, em “pastora” em um ato de puro emocionalismo, em convenção em São Paulo, ha alguns anos, pelo Exmo Pastor, Doutor em divindade, Manuel Ferreira, do min. De Madureira, isto porque na realidade era para ser ordenado o esposo dela, então evangelista, com todas as exigências devidas a ordenação de um Pastor, mas no ato a emoção surgiu, e ouve-se uma perola, a irmã Cassiane também e consagrada pastora. A tranca foi arrombada, passou um boi, vai passar uma boiada. Desculpe a rima.

As implicações da hermenêutica neoliberal (ou achismos) acabam transformando a mensagem das Escrituras inacessível à Igreja. De acordo com essa abordagem, acabamos sem Escritura, sem revelação, sem verdade e sem pregação, podendo, no máximo, pregarmos apenas uma interpretação nossa do texto, mas nunca a verdade divina.

Se não podemos alcançar o sentido das Escrituras, não nos resta qualquer base para a doutrina e a prática da igreja, para decisões teológicas, para o ensino doutrinário, para a ordem eclesiástica.
Assim, instala-se o caos, por meio do qual cada um pode interpretar, como quiser, as Escrituras, as decisões da Igreja e seus símbolos de fé.

Em meu blog ha temas nesta área, visite: http://gilson-contraheresias.blogspot.com/

Daladier Lima disse...

Prezado Gilson, a tranca foi "arrombada" (usando suas palavras) desde que permitiram ás mulheres cantar na igreja. Até a Igreja Primitiva mulher não tinha oportunidade na igreja. Então, não é achismo, novidade e nenhuma de suas argumentações. Acho uma tendência natural do tempo e do gênero. Em 1920, a AD consagrava diaconisa. Por que não hoje? Machismo?
Que mal uma mulher pastora pode trazer à igreja? Emocionalismo? Os homens fazem isso muito bem. Heresia? Às pencas os homens trouxeram-nas para nossos templos!

Anônimo disse...

sinto neste momento que esta se cumprindo oque que diz as escrituras a respeito do final. nao sou pastor sou simples membro da ass.de deus mas vejo como esse negocio de machismo e feminismo que sao coisas mundanas esta virando pretesto pra mudar a palavra de deus. irmaos (homens e mulheres) vamos nos distanciar de tais heresias mulheres pra deus é tao valorosa quanto o homen mas cada um no seu lugar agora dizer que a palavra de deus (biblia) é machista é tratar deus como sendo igual ao homen no sentido espiritual isso é blasfemia . mulheres nao se cintam diminuidas pois vcs ja tem a tarefa de cuidar de filhos e do marido sintam se felizes em acompanhar seus maridos nao almejam semelhança com o homen sejam fieis as escrituras nao importa a quanto tempo foi escrita nada deve ser mudado nas escrituras.

Daladier Lima disse...

Prezado Anônimo, faltou complementar sua mensagem (que transcrevi até com os erros de português): "mulheres nao se cintam diminuidas pois vcs ja tem a tarefa de cuidar de filhos e do marido sintam se felizes em acompanhar seus maridos nao almejam semelhança com o homen sejam fieis as escrituras nao importa a quanto tempo foi escrita nada deve ser mudado nas escrituras" e fiquem caladas na igreja, como disse o apóstolo Paulo!

Anônimo disse...

Pr Carlos Gonzaga

Graça e Paz, amados
Vejo que muitos dos amados colegas pastores ainda não entenderam que o que está em discussão não é o conjunto de doutrinas basilares que são o sustentáculo da fé cristã e da Igreja do Cordeiro.
O assunto da ordenação feminina ao ministério pastoral, pelo pouco que pude estudar nesses meus vinte e seis anos de fé cristã, não fere em nada a santidade da igreja de Jesus Cristo. Na minha época de seminarista já havia esse debate sobre ordenar ou não as nossas amadas irmãs ao ministério pastoral.
Eu não vejo essa ofensa a Deus que alguns colegas veem. Lembremos que quando o apóstolo Paulo viveu as mulheres, em todas as culturas, via de regra, não eram valorizadas. O Senhor Jesus trouxe-as para junto de si e valorizou-lhes o trabalho executado. A Escritura afirma "Porque todos sois filhos de Deus pela fé em Crist Jesus; porque todos quantos fostes batizados em Cristo já vos revestistes de Cristo. Nisto não há judeu nem grego; não há servo nem livre; não há macho nem fêmea; porque todos vós sois um em Cristo Jesus" carta aos gálatas capítulo 3 versículos 26-28.
Percebemos aqui que não há na Bíblia - Novo Testamento - nenhuma proibção à ordenação de mulheres ao pastorado.
Quanto ao Pr Robson Aguiar, quero tão somente aconselhá-lo a não usar textos de pastores batistas tradicionais, haja vista que em suas igrejas as mulheres não podem cantar no púpito, não podem ensinar, ficam caladas, e, como afirma o articulista "só cuidando do marido e dos filhos".
Não quero com minha participação, polemizar sobre o assunto em tela. Apenas, e tão somente, buscar com todos um entendimento onde possamos glorificar o nome do Eterno, que é digno de toda honra, glória e poder.

Em Cristo, e aguardando a sua volta, Pr Carlos Gonzaga
Assembleia de Deus de Anápolis em Parnamirim Rio G. do Norte.

Em tempo: Minha esposa não é pastora - é professora universitária - e afirma que não tem essa chamada. Ensina na EBD.

Anônimo disse...

olha, li os comentários acima... confesso q fico bastante estarrecida pelo fato de gerar discussoes, quando titulos nem são necessáriso para nós mulheres , pq aquelas q são chamadas mesmo para a obra de Deus faz e está fazendo a obra, e muitas mulheres q ora desprezadas estão de cara no pó , orando pelos homens, sustentando o ministério deles... querendo ou não quem está levando a igreja e o evangelho adiante é a mulher,obedecendo ao ide de Jesus, que para mim é prioridade, não que não existe homens de Deus, exite e sempre vai existir... embora uma larga porcentagem deles deixem de levar a sério seu ministério , sem falar aqueles q nem se envergonham de não ter chamada e ser consagrados pelo simples fato de ser importante ou ter dinheiro...mas vamos ao que interessa, no meu ver, não é importante ter um titulo e sim fazer a obra de Deus, se a mulher tiver titulo vai fazer, se não tiver titulo vai fazer, embora esta não é a pratica das assembléias de Deus...eu só espero que o ministério da mulher seja respeitado, q quem tem chamada faz e não espera reconhecimento humano... infelizmente temos problemas não só espirituais chamado trabalho, mas materiais, qunado enfatizam o feminismo esacerbado e não olham para os homens que vem usufluindo pacificamente das maos femininas, exemplificando melhor, muitas mulheres se matam pra dar conta do trabalho, da casa, dos filhos, do marido e ainda tempo de orar e jejuar e consagrar sua vida, familia a Deus... pelo menos eu conheço várias que fazem isso, não só uma, váriassss...não pelo fato de ser feminista, mas pelo simples fato de ter que ajudar o esposo..´. não é luxo do feminismo, mas necessidade mesmo...
é a realidade... estamos numa sociedade que exige de nós, e temos que ser assim. eu oro mto pelas mulheres e tambem pelo homesn para que Deus levante obreiros para sua seara. o que é um titulo se for dado para a pessoa errada?

cash mail disse...

ALGUMAS PESSOAS PRA DEFENDER O PASTORADO FEMININO DISSERAO DEUS É DEUS LEVANTA QUEM ELE QUISER OQUE NAO DEIXA DE SER VERDADE MAS NAO PODEMOS ESQUECER QUE O PROPRIO DEUS NUNCA CONTRARIA SUA PROPRIA PALAVRA NENHUMA REVELAÇAO PODE SE SOBREPOR A PALAVRA DE DEUS ENTAO ESSE ARGUMENTO DE QUE DEUS DEU A ELAS O DOM DE PASTOREAR CAI POR TERRA PORQUE FAZENDO ISSO DEUS ESTARIA CONTRARIANDO A SI PROPRIO JA QUE ELE MESMO DEIXOU CLARO QUE A MULHER NAO PODE TER AUTORIDADE SOBRE HOMEM POR ELE SER O CABEÇA DA CASA E CRISTO O CABEÇA DA IGREJA ENTAO ESSE NEGOCIO DE HAMAR O IRMAO DE MACHISTA POR ER UMA OPINIAO DE ACORDO COM A BIBLIA ISSO É ALGO DIABOLICO O INIMIGO SE INFILTROU NO MEIO DA IGREJA PARA IMPLANTAR HERESIAS

pedrasgemasbrasil disse...

O tema em comento é bastante oportuno, pois, não mais aguento ver tantas HERESIAS, ABERRAÇÕES E INVENCIONICES no público chamado evangélico, e esta chaga vem ferir de morte a nossa tão querida Assembleia de Deus, que num passado recente primava por manter o que fora estabelecido por Deus.
Pensei em tecer comentários fundamentados na Bíblia sobre tal pretensão do movimento feminista na Assembleia de Deus, mas, depois dos sábios e bem fundamentados comentários do Nobre Pastor Robson Aguiar, me pus a pensar, será que alguem ainda arvorará em defender uma seara duvidosa e indefensável? Que Deus continue inspirando ao amado Pr Robson Aguiar não só neste particular, mas, nas sem fim INOVAÇÕES desprovidas de respaldo Bíblico.

Fraternalmente em Cristo

Zenilton F. Portes

Robson Aguiar disse...

ERRATA

30 de abril de 2008 20:57

Onde se lê proibi, elia-se proibe.

Robson Aguiar disse...

ERRATA 2

Desculpem, mas, a pressa nos fez digitar errado novamente. Risos.

Onde se lê, proibi e elia-se, leia-se, “leia-se proíbe”.

evanilda disse...

Minha resposta é mais um testemunho ou desabafo. Sou casada há 20 anos, tenho dois filhos, há dez anos meu marido e eu, aceitamos Jesus Cristo como nosso Único e Suficiente Salvador, na Assembléia de Deus, mas migramos para outra denominação, por um único motivo, uso de costumes machistas, usando o Nome de Cristo, de forma no mínimo distorcida. Houve momentos, em que eu desejei ter nascido homem, pois já não bastasse “aturar o machismo no mundo secular” agora teria que enfrentá-lo dentro do Corpo de Cristo, para mim foi demais, e por vários momentos quase desisti do meu Alvo, Jesus Cristo, Meu Pastor. É uma das muitas ciladas de Satanás para macular a Igreja, composta de homens, mulheres, jovens e crianças. Depois de muito orar percebi que Deus me deu essa condição feminina e o privilégio de hospedar uma vida, ou melhor, duas vidas no meu ventre (daí a diferença muscular), agradeceram ao Senhor por ter me criado fêmea, privilégio esse que jamais os “machos – os +istas terão, pois os verdadeiramente “machos” não precisam nem ler estas linhas e não perde a condição de “macho” por entender que para servir ao Deus Todo Poderoso não importa a genitália que se carrega entre as pernas, (Genesis 1.26 E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; domine sobre os peixes do mar. Genesis 1.27 E criou Deus o homem a sua imagem; à imagem de Deus o criou, macho e fêmea os criou. E quanto aos “engravatados” (sentido figurado) que em nome de Cristo defende a discriminação e tentam surrupiar a condição da mulher, orem para tentar imitar, o Nosso Senhor Jesus Cristo que quebrou muitos paradigmas, entre eles:
-Conversar com a samaritana no poço, atitude que vocês “machistas” não fariam, hoje, em pleno séc. 21;
-Aceitar ajuda financeira de mulheres, isso mesmo, mulheres que tinham independência financeira, naquela época; elas colaboraram com o Rei, o Salvador. ( As mulheres hoje são maioria e o pilar dos Templos( material e espiritual )e sustentam vocês “os engravatados” , para exibir seus títulos, canudos, etc.
-Livrar a mulher adultera do apedrejamento até a morte, ato este justificado com base na lei mosaica; vocês “machistas, ”ao contrário, talvez fossem os primeiros a jogar pedras;
Obs.: Muitos machos –os + istas não contente colocaram um jugo maior ainda nas mulheres como:não depilar pernas, axilas, aparar as pontas do cabelo ao ponto de proibi-las de trabalhar para o Senhor, enquanto vocês não cumprem o mesmo, pois cortar o cabelo ,a barba e usar gravata são vaidade. Para aqueles que querem seguir as leis de Moisés, lá no AT; vai uma sugestão, a de interpretar divulgar de forma correta a Sã Doutrina.
Talvez Jesus não tenha escolhido mulheres para apóstolo, como citou um irmão, pelo simples fato que Ele já estava arrumando confusão demais com os “fariseus” ou entendidos da lei, e não era intenção Dele ferir os costumes, tradições ou leis, desde que não fosse um ato injusto, mas como isso não interessa a certos intérpretes da Bíblia, aí não passa de conjecturas, etc. Há, em tempo, como bem colocou o Pastor, nós mulheres, não precisamos de ordenação, título e canudos “secular” ,coisa que vocês “engravatados’ criaram, querem e defendem com unhas e dentes, e nós é que agimos com emoção, pois quem nos escolhe, nos chama e nos qualifica é o Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo, Amém. Vocês queiram ou não. Mas oro para que Deus ilumine e “destrave essa mentes cauterizadas pelo machismo.
Obrigado Senhor Jesus por chamar, preparar e colocar pessoas a frente de um ministério, como o Pastor Sóstenes Apolo, Altair Germano e outros e, também o irmão Daladier Lima com mentes não cauterizadas, dispostos a imitar Cristo quebrando paradigmas e nos livrando de certos jugos, num momento que é mister trabalhar e arrebanhar mais almas para Nosso Amado e Querido Jesus Cristo. Que Deus nos Abençoe a todo e nos revista com Sua Armadura. Amém

evanilda disse...

Irmão ou Pastor Daladier Lima, entendo suas colocações e, quanto às “retaliações” sobre o assunto em pauta, imagine o que nós mulheres sofremos e sentimos, na pele. É lamentável que os “engravatados” (no sentido figurado) tentam retaliar e destroçar” O Corpo de Cristo” sendo que Jesus como o Cabeça não é nada machista. Glória a Deus. É um assunto necessário e edificante, sim, pois revela a hipocrisia, de muitos “encanudados” dentro das Igrejas. Resta saber se realmente foram “chamados” ou se autodenominaram chamados, sem ao menos conhecer a história e a bibliografia dos autores da Bíblia e estudar com diligência e imparcialidade.
“Em tempo: Hoje se muitos acham o apóstolo Paulo machista, até pouco tempo eu também achava, e se há alguma heresia é dos” pastores e/ou pregadores” que transmitem a palavra de Deus sem observância nenhuma, mas sim conforme a sua vã interpretação. É claro que Paulo era “radical”, uma das evidências é o fato de imitar Jesus inclusive no celibato. Continuo orando e agradecendo ao Senhor por essas mentes iluminadas.
O que será que Jesus acharia desses “irmãos” que se diz “anônimos” ao se posicionar sobre a Palavra do Deus Vivo, uma vez que Jesus nunca se omitiu ou se escondeu? Se escondem de quem ou do quê?

evanilda disse...

Que a paz, do Nosso senhor Jesus Cristo, esteja com todos nós. Amém.
Pastor, Altair Germano, seu blog está ótimo, pois tirou do baú um assunto muito polêmico e edificante. Só não entendi o seu comentário no que tange ao fato de tirar certos comentários do ar, pelo motivo de que pessoas se sentem ofendidas. Ofendidas com o quê?
Pode ter certeza pastor, que nós mulheres, ouvimos e lemos absurdos devido à nossa condição de fêmea e, muitas vezes ofendidas intrínseca ou extrinsecamente, mas colocamos nossa armadura, Vinda de Deus, é claro, e agüentamos como diz o ditado popular “no osso do peito,” Sugestiono que façam o mesmo. Tem muitos criticando o “feminismo”, embora tente entender o que é realmente o feminismo senão a raiz do machismo.
Vivemos ou não numa sociedade democrática? Se minha memória não falha, Jesus sempre respeitou os costumes, as tradições e as leis locais. Ou tem alguns que querem voltar ao passado, ou são fariseus sobreviventes, que caso ouve ou lêem o que não querem , matam ou aniquilam.
Jesus Cristo, em que devemos nos espelhar e imitar são democrático ou ditatorial?
Uma vez, alguém me disse: Quando nos sentimos incomodados com algum comentário é porque o “capuz” serviu e, nossas bases, sem alicerce sólido, são mexidas. Até hoje pergunto se há algum fundo de verdade nesse comentário.
Eu não sabia que “Contestar “ou” Protestar” fosse pecado ou algo parecido, pois nossa condição de Cristão Evangélico tem como base o protesto, isso mesmo, pois vem do Protestantismo de Lutero. Quem se sente incomodado que não leia, eu mesma passei por cima de comentários absurdos sobre nossa condição de mulher, comentados nesse blog, mas pedir para retirar é absurdo. Vai aqui o meu protesto.
Vamos acordar irmãos e não perder de vista, nosso alvo maior, Jesus Cristo.

evanilda disse...

Perdoe irmão e evangelista Daladier Lima, por colocar no comentário de 30.06.2010, irmão ou pastor, foi erro de digitação, pois já havia entrado no eu blog, que está maravilhoso, e li sua biografia. Que Deus abençoe a todos.

evanilda disse...

APAZ DO SENHOR JESUS CRISTO A TODOS QUE LÊEM ESSE BLOG
Caro Pastor, Robson Aguiar, dizem que o ser humano aprende melhor na adversidade, aproveitando tal situação resolvi que, independente de concordar ou não com sua visão, não deixaria de ler com mais cuidado os seus argumentos, afinal defendo a democracia. Portanto é com todo o respeito que dirijo estas palavras.
Com relação ao seu comentário intitulado ARGUMENTO DA AUTORIDADE DAS ESCRITURAS não consegui entender seu argumento, uma vez que a BÍBLIA trata da relação do casal, macho e fêmea, A submissão se refere ao relacionamento entre o casal, e a função de ambos dentro da relação homem e mulher, sem esquecer que cada um tem seus papéis dentro da família, mas daí, estender para o ministério, parece estranho, pois o mesmo é ou não individual, caso for negativo, como ficam as mulheres quando seus maridos não aceitam JESUS e muito menos trabalham na obra, estão fadadas a não Salvação e impedidas de ganhar seu galardão, ou trabalharão as escondidas, Nosso Deus seria tão injusto?
É Impressão minha, ou estão misturando a individualidade do casal e querendo fazer com que a mulher seja submissa a todos os machos. Na bíblia a submissão é bem clara, para e entre o casal. Ou os machos estão incitando a poligamia feminina?
OBS: GENESIS 1.26.27
26 Então disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem conforme a nossa semelhança; domine ele sobre todos os peixes do mar...........
27 Assim Deus criou o homem, á sua imagem, a imagem de Deus o criou, macho e fêmea os criou.

20 Deus formou a mulher como adjuntora aqui tem o sentido de completar o homem e não a de ser escrava.
23 E serão os dois uma só carne, isso significa que Adão e Eva pecaram juntos, mas estranho os castigos impostos por DEUS serem individuais;
GENESIS 3 .16,17
16 sendo a ela multiplicada as dores de parto (indica que Eva teria partos sem dor) E SEU DESEJO SERÁ PARA O SEU MARIDO (desejo sexual?) e ele te dominará. Já observaram uma mulher apaixonada?
17 Adão por dar ouvidos à Eva recebeu a terra amaldiçoada e, em fadiga comeria dela todos os dias da sua vida. A mulher não pode trabalhar na terra ou fora dela? Se todos levarem ao pé da letra tal colocação, que Deus nos proteja.
EFESIOS 5.22
Mais uma vez trata da submissão ao marido e não com todos os homens, é a relação particular entre ambos. O que isso tem a ver com a relação mulher e a Igreja de Cristo?

1 PEDRO 3.7
6 Diz que a mulher deve chamar seu marido de SENHOR. A sua esposa o chama de: SENHOR MEU MARIDO?
7.Igualmente ,vos, maridos , vivei com elas EM ENTENDIMENTO,dando honra a mulher, como vaso mais frágil................
O que significa em ENTENDIMEN TO?
Vaso mais frágil? O que o autor quis dizer com isso? Fragilidade física, emocional, etc..
Mais uma vez a Palavra de Deus fala do relacionamento entre o casal.

Timóteo 2.12-14 3.1 Para entender o que e Timóteo quis dizer aqui, temos que voltar no passado e entender como era o comportamento das pessoas naquela época e naquela igreja específica, caso contrário faremos com que a Bíblia caia em contradição.

evanilda disse...

Caro Pastor, Robson Aguiar, dizem que o ser humano aprende melhor na adversidade, aproveitando tal situação resolvi que, independente de concordar ou não com sua visão, não deixaria de ler com mais cuidado os seus argumentos, afinal defendo a democracia. Portanto é com todo o respeito que dirijo estas palavras.
Com relação ao seu comentário intitulado ARGUMENTO DA AUTORIDADE DAS ESCRITURAS, não consegui entender seu argumento, uma vez que a BÍBLIA trata da relação do casal, macho e fêmea, A submissão se refere ao relacionamento entre o casal, e a função de ambos dentro da relação homem e mulher, sem esquecer que cada um tem seus papéis dentro da família, mas daí, estender para o ministério, parece estranho, pois o mesmo é ou não individual, caso for afirmativo como ficam as mulheres quando seus maridos não aceitam JESUS e muito menos trabalham na obra, estão fadadas a não Salvação e impedidas de ganhar seu galardão, ou trabalharão as escondidas, Nosso Deus seria tão injusto?
É Impressão minha, ou estão misturando a individualidade do casal e querendo fazer com que a mulher seja submissa a todos os machos. Na bíblia a submissão é bem clara, para e entre o casal. Ou os machos estão incitando a poligamia feminina?
OBS: GENESIS 1.26.27
26 Então disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem conforme a nossa semelhança; domine ele sobre todos os peixes do mar...........
27 Assim Deus criou o homem, á sua imagem, a imagem de Deus o criou, macho e fêmea os criou.

20 Deus formou a mulher como adjuntora aqui tem o sentido de completar o homem e não a de ser escrava.
23 E serão os dois uma só carne, isso significa que Adão e Eva pecaram juntos, mas estranho os castigos impostos por DEUS serem individuais;
GENESIS 3 .16,17
16 sendo a ela multiplicada as dores de parto (indica que Eva teria partos sem dor) E SEU DESEJO SERÁ PARA O SEU MARIDO (desejo sexual?) e ele te dominará. Já observaram uma mulher apaixonada?
17 Adão por dar ouvidos à Eva recebeu a terra amaldiçoada e, em fadiga comeria dela todos os dias da sua vida. A mulher não pode trabalhar na terra ou fora dela? Se todos levarem ao pé da letra tal colocação, que Deus nos proteja.

evanilda disse...

EFÉSIOS 5.22
Mais uma vez trata da submissão ao marido e não com todos os homens, é a relação particular entre ambos. O que isso tem a ver com a relação mulher e a Igreja de Cristo?
1 PEDRO 3.7
6 Diz que a mulher deve chamar seu marido de SENHOR. A sua esposa o chama de: SENHOR MEU MARIDO?
7.Igualmente ,vos, maridos , vivei com elas EM ENTENDIMENTO,dando honra a mulher, como vaso mais frágil................
O que significa em ENTENDIMEN TO?
Vaso mais frágil? O que o autor quis dizer com isso? Fragilidade física, emocional, etc..
Mais uma vez a Palavra de Deus fala do relacionamento entre o casal.

Timóteo 2.12-14 3.1 Para entender o que e Timóteo quis dizer aqui, temos que voltar no passado e entender como era o comportamento das pessoas naquela época e naquela igreja especifica, caso contrario faremos com que a Bíblia caia em contradição.

DEUTERONÔMIO 22.5- TRATA DE LEI DE MOISÉS OU ORDENAMENTO JURÍDICO DAQUELA ÉPOCA, NÃO OS MANDAMENTOS DE DEUS, OU ESTOU MAIS UMA VEZ ENGANADA. Há pregadores que afirmam que trata-se de metáfora para simbolizar os gueys e as lesbicas , portanto tratasse de vestimenta interna .

Obs. Minha sugestão é que leia os versículos seguintes de DEUT.22.5
1 TIMOTEO 2.9- Está inserido no capítulo que trata da INSTRUÇÃO SOBRE A ADORAÇÀO dentro da Igreja e o comportamento da mulher naquela época e situação. Vale lembrar que anterior a essa época , lá no AT ,as mulheres não podiam aprender a Palavra de Deus e eram mantidas em átrios separados,já aqui elas estavam sendo aceitas no templo junto com os homens , mas ficavam tagarelando e enfeitando os cabelos em pleno culto, daí porque PAULO teve que tomar uma atitude drástica. Portanto não acho cabível tal analogia entre ambos os Capitulos.

1 TIMOTEO 3.7. Era necessário que o homem fosse marido de uma mulher só , pois quem praticava imoralidade sexual e a poligamia eram os homens , as mulheres que se arriscassem a tal ato eram apedrejadas e mortas, portanto não existiam tais mulheres para serem repreendidas.
QUANTO AO SEU ARGUMENTO DA E

Teologook disse...

Graça e Paz amados, vejo o ministério feminino com bons olhos, uma vez que o próprio Cristo não fez acepção a tal auxilio. Lamento ver a Assembléia de Deus como aquela, que só aceita tais novidades, pelo fato de não querer ficar para trás de outras denominações que aceitam tal ministério, tantas coisas que não se via, e hoje de forma forçosa, estão sendo vista, por puros interesses denominacionalistas. Se apelarmos para o psiquê feminino, teremos muitas igrejas salvas, de pastores impossados, por meio de apadrinhamentos, e bajulações, que estão longe de um verdadeiro Chamado Pastoral, por tanto; que venha as mulheres de Deus, com suas visões e vidas de orações,algumas muito superior a alguns pastores, e que elas ocupem o seu lugar devido, não nas assembléias de deus simplismente, mas no Reino de Deus, que é sem Acepção de Sexo.

Gabi-Net Pastoral disse...

CEADDIF 1
Prezados irmãos, chamo-me Wilson Barboza da Silva. Sou pastor da CEADDIF e da Assembléia de Deus em Brasília, de onde brotam os comentários a partir da matéria "PASTORAS ASSEMBLEIANAS BRASILEIRAS". Sou feliz porque Deus me deu meios e formas para redigir o projeto - e defendê-lo em plenário convencional - da resolução que recentemente, em setembro de 2011, adimitiu ordenar mulheres. Primeiramente gostaria de lembrar que poderíamos gastar menos tempo se pessássemos que ORDENAÇÃO não é uma figura bíblica. ORDENAÇÃO é um ato de corporação (no caso, as Convenções). Na Bíblia existe chamado e envio. Os apóstolos não tiveram esta denominação a partir de um ato estatutário. Lembrar que a Igreja emergente na Bíblia levou muitos anos proscrita, de forma que seus atos nem tinham a conotação civil que tem hoje. A formalização de um ato como a ORDENAÇÃO é coisa que durante muitos anos não chamou a atenção das mulheres porque elas são mais práticas e menos confusas do que os homens em sua burocratisse. Naamã queria um rito para se curado. Os filhos de Zebedeu queriam posição de destaque no reino de Deus. As mulheres sempre foram mais simples. Em Lucas 8 a Palavra mostra que para elas seguirem Jesus a ponto de até à morte dEle terem sido mais eficientes que os homens. A gratidão as impulsionava mais que a vaidade, que sempre foi dos homens e que agora alguns querem atribuir às mulheres.
É verdade que Jesus não ordenou mulheres. Ninguém pode tirar disto uma regra. Se o fizer terá, que proibir ordenação de não judeus porque Jesus não ordenou nenhum gentio. É bom a gente ver bem certas sutilezas bíblicas. Nós não devemos atribuir a Jesus o que não sabemos se Ele disse. Muito menos julgar que "não saber se fez" equivale a "saber que não fez". Jesus pode ter ordenado mulheres e os escritores deixaram de registrar. João afirma em seu Evangelho que Jesus fez muitas coisas que se fossem registradas nem em todos os livros do mundo caberiam. Por outro lado, o próprio Jesus falou que nós faríamos obras maiores que as dEle. É uma afronta grosseira a uma afirmação de Jesus usarmos o limite do registros bíblicos em relação a seus feitos para dizer que são também limites para nossas ações porque daí a afirmação de faríamos coisas maiores estaria anulada e nós só poderíamos fazer exatamente o Ele fez. Eu ainda estou esperando alguém me mostrar que a ORDENAÇÃO de mulheres está proibida por Jesus porque determinada para os homens especificamente não está e para mulheres também não.
O envio das mulheres aos apóstolos pode ter a cara de ORDENAÇÃO. Só não teve porque as mulheres estavam movidas pela alegria da novidade da ressurreição mais do que pelo orgulho de ministrar os homens. Deles nós podemos dizer que, se fossem enquadrados em 1 Co 1-19, estariam fritos. Esses que foram chamados por Cristo e enviados, eram, após a ressurreição todos - eu disse TODOS - falsas testemunhas de Cristo não ressuscitara. Pobre homens ORDENADOS!

Gabi-Net Pastoral disse...

CEADDIF 2
ao propor aos bravos de Brasília a aprovação de minha proposta, usei esses argumentos e me vali do que está no Estatuto da CGADB, no seu Art. 4º:
"Art. 4º. Compete à CGADB:
..................................
III - assegurar a liberdade de ação inerente a cada Igreja Assembléia de Deus no Brasil, na forma de sua constituição estatutária, sem limitar as suas atividades bíblicas acorde com este Estatuto, com absoluta imparcialidade;
...................................
Parágrafo único. Consideram-se ações inerentes a cada Assembléia de Deus no Brasil:
...................................
e) a apresentação de candidatos a pastores e a evangelistas na respectiva Convenção Estadual ou Regional;
................................."
O Estatuto da CGADB nos respalda e mais, obriga à mãe defender, exatamente neste assunto, as filiadas, ou seja, as convenções regionais e, por meio delas, as igrejas.
Afirmo que todos aqueles que querem proibir a ordenação feminina não tem uma proibição clara das Escrituras tem uma proibição sua própria e uma combinação desarticulada de passagens bíblicas com desprezo de paradigmas (Se quiserem, eu não quero mas posso explicar). Para nós é melhor e mais sadia, na dúvida não cercear vocações.
Finalmente, no seio da CEADDIF nenhuma mulher será ordenada por ser esposa de pastor. As que passarem por tal ato, terão como mérito aferido o trabalho que já fazem, algumas melhor que os homens.
Seja como for, respeito todas as opiniões. A saúde do que fazemos vem do debate mesmo. Até Deus está disposto a isto ao dizer: "Vinde então, e argui-me" (Is. 1.18). Nem ele foge de um bom debate. Moisés que o diga!
Que Deus a todos abençoe.
WILSON