quinta-feira, 10 de abril de 2008

CONTRADIÇÕES ASSEMBLEIANAS


Em primeiro lugar, gostaria de falar da seguinte contradição:

Discutimos neste blog a questão do ministério feminino nas Assembléias de Deus. Pois bem, lá vai mais lenha para a fogueira.

No Congresso Mundial das Assembléias de Deus, que será realizado em Lisboa, nos dias 23 a 25 Maio de 2008, um dos oradores convidados é uma pastora da Assembléia de Deus em Nova Zelândia, a irmã Patricia Green.

Pastora Patrícia:

"nasceu na Nova Zelândia. Foi Ordenada ao Ministério pelas Assembleias de Deus Nova Zelândia. É assistente social, e tem um Mestrado Psicologia social. É uma oradora famosa em assuntos de exploração sexual, tráfico de mulheres, crianças, e prostituição. A paixão de Patrícia é criar uma consciência sobre estes assuntos e motivar as pessoas, especialmente cristãos, a resgatar as mulheres sexualmente exploradas e crianças no nome de Cristo e lhes oferecer uma vida nova. Ela já foi um grande instrumento ao começar tais ministérios em vários países. Patrícia Green é sócia da missão Outreach Internacional que começou na Nova Zelândia em 1932 tendo actualmente mais de 200 missionários e cooperadores nacionais em aproximadamente 40 países. Foi a fundadora e directora da “Landmark”, casas Cristãs para meninas, entre os anos de 1971 e 1987. Foi também a fundadora e directora do Ministérios de Rahab na Tailândia, entre 1988 e 2004. Neste momento trabalha com a instituição «vaso de Alabastro». Um ministério tem como objectivo alcançar mulheres prostitutas em Berlim, Alemanha." (Fonte: site do congresso)

Enquanto aqui se discute sobre o ministério feminino, lá fora (nas Assembléias de Deus), ele já é uma realidade.

Detalhe: Nenhum orador assembleiano brasileiro foi convidado.

Em segundo lugar, vale também ressaltar, que nenhum cantor assembleiano brasileiro foi também convidado, aliás, o Brasil será representado pelo Pr. André Valadão, da Igreja Batista da Lagoinha (nada contra ele).

Não existem cantores evangélicos assembleianos no Brasil, a altura do congresso (não somos sectaristas, tratra-se apenas de uma questão de foco)?

Dá para alguém esclarecer por favor o episódio?

Fica registrado neste blog o meu protesto contra os organizadores do evento.

Este segundo fato é profundamente lamentável.

Pr. Altair Germano - Relator do CEC da CGADB e Presidente do Conselho de Doutrina da UMADENE

Agradeço ao meu amigo Daladier, por ter me passado as informações e também postado sobre o assunto.

14 comentários:

Elisomar disse...

Deus se utiliza de quem se dispõe a realizar o seu querer. Não acho que ELe vá desprezar alguém por ser do sexo feminino, por este motivo Deus criou os seres que vivem eternamente para seu louvor assexuados (os anjos). Quanto ao evento,seria bom se tivesse um representante brasileiro, mas acho que não foi por desprezo (espero), acho que foi um lapso.

Pr. Robson Aguiar disse...

A paz do Senhor, Pr. Altair!

Nada a acrescentar... além de
paradoxo, paradoxo, pradoxo, paradoxo...

-Pradoxo, por a Lidrerança brasileira não está envolvida diretamente no evento que leva o seu nome.

-Paradoxo, porque dos 14 preletores, nem um brasileiro foi convidado aparentemente.

Paradoxo, por que nunca na história da Assembléias de Deus, tomamos conhecimento de que uma "pastora" seria uma das preletoras.

-Paradoxo, finalmente Por que os donos da festa estão na qualidade de convidados.


www.prrobsonaguiar.nireblog.com

Eliseu Antonio Gomes disse...

Prezado irmão Altair

Seria interessante ver a Lília Paz na Europa num evento dessa magnitude.

Não sabemos qual foi o critério dos organizadores para escolher o irmão André Valadão como representante do nosso País. A escolha pode ter sido feita por causa de uma visão interdeminacionalista.Eles querem passar uma mensagem. Atos valem mais do que palavras.

Além disso, existe o mérito do próprio cantor. Quem ainda não conhece, ouça e veja os mais recentes CD e DVD que ele lançou com o nome clássicos. É ótimo em todos os sentidos! No lado espiritual edifica e no lado técnico não deixa à desejar a ninguém.

Abraço.

Eliseu Antonio Gomes
http://belverede.blogspot.com/

Eliseu Antonio Gomes disse...

Digitei errado a seguinte palavrinha: In-ter-de-no-mi-na-ci-o-na-lis-ta!

É difícel escrever e também viver sendo um cristão interdenominacional.

Daladier Lima disse...

Prezado Eliseu, em princípio concordo com suas palavras, interdenominacionalismo, etc.
Eu gostaria apenas de saber se o André representa a AD no Brasil num "Congresso Mundial das Assembléias de Deus"? O Congresso é AD no mundo e o André está colocado, a meu parco ver, como o homem da música assembleiana no Brasil, e isto não é verdade, por vários motivos. Acho que o clima que eles queriam era oba-oba, o que vende milhões de CDs, aí, já é outro assunto.
Francamente, tantos cantores que ajudaram a fundar e evangelizar sob a égide das AD o Brasil, como os citados em meu post, que se inserem como fator de influência e qualidade no mundo. Meus caros, o quanto Deus tem usado o Pr. Vitorino Silva para ganhar almas nas cruzadas da AD no Brasil e no mundo (através da antiga Cruzada Bernanrd Jonhson) não é brincadeira.
Quando Vitorino começou a cantar e ganhar almas, André nem nascido era. E não só por isso..., mas vamos parar porque tempo é ouro. Agora já aconteceu e peço a Deus para que seja muito bom. Eu mesmo não iria, por não me sentir representado.

Jorge Nilson disse...

Logo logo essa onda feminista chegará também nas Assembléia de Deus no Brasil. Quais as primeiras mulheres a serem "consagradas"? Primeiro as esposas dos pastores. Depois as filhas, as cunhadas,as sobrinhas, as noras, as pregadoras famosas, as cantoras famosas... E por último os GAYS.
A maioria das igrejas na Europa que consagraram mulheres a pastora, sofreram depois pressão da sociedade para consagrar também gays. É o martelo se rendendo ao prego.
Deus pode usar quem Ele quiser a hora que Ele quiser, porém Ele não contraria a sua Palavra.
Muitos desses que apóiam a consagração de mulheres a pastora, tem alguma deficiência espiritual.
Sei que serei criticado por todos os tipos de argumentos possíveis e impossíveis, porém, prefiro ficar com a Bíblia. Muitos são chamados pastores, outros são pastores chamados. Se no meio dos pastores há muito apadriamento, imaginem no meio das mulheres. É claro que um erro não justifica o outro.
Quanto o Brasil não ter nenhum pregador ou cantor(a) que represente o nosso país, quem sabe lá o que foi isso. Será um puxão de orelha ou um protesto por não termos "pastoras"? Quem for verá.

Elisomar disse...

Jorge Nilson, acho que quem tem deficiencia espiritual é você. O que tem contra as mulheres? Não tem nada a ver isso com a consagração de gays...afinal de contas no tempo de Jesus existiam muitos gays, mas não há relatos de que Jesus os procurava propositalmente para realização de obras no reino de Deus. Mas mulheres sim... elas foram amigas, sofredoras das dores dos discípulos e das dores de Jesus, ajudadoras de muitos, no tempo de Paulo. Em relação a isso sou preconceituosa sim. Quantos as pastoras. acho que não há necessidade urgente delas, mas se houver tenho certeza que Deus as abençoará no seu minitério. Quem quiser ser gay que seja, mas não precisa misturar as coisas.

ALTAIR GERMANO, disse...

Elisomar, tomara que tenha sido mesmo um lapso. Estamos aguardando um esclarecimento da comissão organizadora.

Paz do Senhor!

ALTAIR GERMANO, disse...

Pr. Robson, o fato é sem dúvida paradoxal.

Shalom!

ALTAIR GERMANO, disse...

Amado Eliseu, entendo que no caso de visão interdenominacionalista, o nome do congresso deveria ser mudado para "Congresso Mundial Interdenominacional".

Muitos pastores assembleianos estão constrangidos com o fato.

Paz do Senhor!

ALTAIR GERMANO, disse...

Daladier, gostaria de mais uma vez parabenizá-lo por ter trazido este assunto a tona em seu blog.

O episódio é lamentável.

Um abraço!

ALTAIR GERMANO, disse...

Jorge Nilson, entendo vossa preocupação.

O tema mulheres no ministério é bastante polêmico.

Já no caso da ordenação de homossexuais (por princípios bíblicos), pelo menos nas assembléias de Deus (até onde conheço), está fora de cogitação.

Paz do Senhor!

Jorge Nilson disse...

Elisomar, esperava uma reação bem maior que a sua diante do que comentei. Sei que peguei um pouco pesado, porém queria causar essa discussão para podermos entender que este assunto ainda não se esgotou nem nesse e nem em outros artigos ou comentários. Quando falo de deficiência espiritual, refiro-me sobre os que já tive a oportunidade de "debater" e posteriormente revelou-se quem eram realmente. Não sei se estou falando com um homem ou mulher (Elisomar), pois no blog não há foto nem informação sobre sua pessoa, porém seja um ou outro sexo, digo-lhes que não se preocupe, não tenho nada contra as mulheres, tenho uma mãe, uma esposa,três filhas, uma irmã e várias sobrinhas. Quanto a consagração de mulheres ao pastorado, isto não é fim de mundo, já houve no passado e continuará ocorrendo. Isto não impedirá o crescimento da igreja. Porém, tenha paciência, estou me referindo as ASSEMBLÉIAS DE DEUS NO BRASIL. Isto ainda não foi incorporado em nossos princípios. Conheço muitas mulheres que dão muitos mais frutos que os homens à frente de igrejas. São dedicadas e determinadas, "sacrificam" muitas vezes até a família para fazer a obra de Deus. Que digam as dirigentes dos Círculos de Oração. Foram as mulheres que mais me ajudaram no começo de minha fé.
São elas que mais visitam os enfermos, os novos na fé. Foram elas que ajudaram Jesus em seu ministério. Foram elas que ajudaram os apóstolos de maneira sacrificial. Deus realmente tem usado maravilhosamente as mulheres. PORÉM, ISSO NÃO JUSTIFICA CONSAGRAÇÃO A PASTORA. O próprio Cristo teria ensinado sobre isso, contrariando assim a cultura da sua época. Os apóstolos teriam feito e ensinado a fazer. O que acontece hoje é deficiência espiritual dos homens, que não estão dando conta do recado, e estão indo na nova onda do feminismo. Estão feminilizando os homens e masculinizando as mulheres. As tarefas estão sendo imposta de maneira que os que se opõem, estão politicamente incorretos. Oremos e Deus tomará os rumos necessários e fará como Ele quer. Um abraço e obrigado pela sinceridade no seu comentário.

Elisomar disse...

Pois é Nilson, Eu particularmente não acho que haja necessidade disso, até porque há situações em que a presença masculina é fundamental. No entanto não seria o fato de alguém ser mulher que impediria sua atuação nesse campo.
Me desculpe pela reação ao seu comentário, foi uma reação feminina e não feminista. Porque quando o feminismo acontece o feminino está bem longe. rsrs