quarta-feira, 12 de março de 2008

OS NOVOS PECADOS CAPITAIS CONFORME A "ÚNICA IGREJA VERDADEIRAMENTE CRISTÃ"


Segundo a lista apresentada pela "única igreja verdadeiramente cristã", os novos pecados capitais são:
1. Fazer modificação genética
2. Poluir o meio ambiente
3. Causar injustiça social
4. Causar pobreza
5. Tornar-se extremamente rico
6. Usar drogas

Trata-se uma atualização para se adequar a nova realidade globalizada.

Os novos pecados capitais merecedores de condenação segundo a "única igreja verdadeiramente cristã" serão agregados aos anteriores: gula, luxúria, avareza, ira, soberba, vaidade e preguiça.

A lista foi publicada no domingo no jornal do Vaticano, "Osservatore Romano".

Aproveitando a ocasião, faremos aqui (com a indicação dos nobres leitores) uma lista com os pecados capitais da "única igreja verdadeiramente cristã". Ou alguém acha que nela não há pecados? O que acontece é que ao apontar os pecados dos outros, tenta-se por vezes encobrir os próprios.

Reconhecer que temos pecados é o primeiro passo para a nossa libertação e salvação. Tentar encobrí-los, por meio de qualquer artifício é mera hipocrisia.

Nosso propósito é profético. Só denunciando o pecado, é que proporcionaremos àqueles que estão entorpecidos a oportunidade de arrependimento e conversão.

Entre nos comentários deste post e faça a sua indicação!

OBS: Em breve listaremos os pecados capitais da Igreja Evangélica no Brasil, ou vocês acham que ela ia escapar (afinal de contas não existe igreja cristã "militante" perfeita)?

5 comentários:

Elisomar disse...

Não podemos numerar os pecados dessa "santa igreja...são infinitos.

Gutierres Siqueira, 19 anos disse...

Os sete pecados da igreja evangélica brasileira:

01. “O orgulho apostólico”, onde os títulos são a expressão da fome maquiavélica do poder.

02. “A politicagem eclesiástica”, onde confundem ovelhas com campo eleitoral.

03. “A adoração extravagante (literalmente)”, onde adoram Deus baseado em uma espiritualidade veterotestementária, são os judaizantes modernos.

04. “O empirismo místico carismático (retetés)”, onde confundem poder de Deus com práticas bizarras e anti-bíblicas.

05. “A teologia que dá prosperidade”, onde confundem Deus com o Papai-Noel.

06. “Os aviltamentos que arrebatam as multidões”, onde confundem culto com entretenimento.

07. “O bilionário mercado gospel”, onde CD, DVD, livretos etc, são vendidos sem conteúdo bíblico.

Gutierres Siqueira
www.teologiapentecostal.blogspost.com

Victor Leonardo Barbosa disse...

sete pecados da igreja evangélica pastor Altair:

1. teologia da prosperidade.
2. politicagem eclesiástica.
3.G-12.
4.Adoração Extravagante.
5.Mercado Gospel.
6.Reteté.
7.teísmo aberto.

ufa, se formos numerar os nossos...imagine o da igreja católica romana.


Que Deus SALVE o "santo padre" Joseph Ratzinger.

Abraços e Paz do Senhor!!!!

Cleo disse...

A Imprensa está noticiando que o Vaticano criou “novos pecados capitais”. Não é bem assim; é incrível a capacidade desta de fazer barulho, especialmente com relação à Igreja Católica. O que aconteceu?

Na semana de 10 a 15 de março, realizou-se no Vaticano um curso de atualização para sacerdotes sobre o Sacramento da Confissão, patrocinado pela Penitenciária Apostólica do Vaticano. Em entrevista ao jornal do Vaticano "L´Osservatore Romano", o responsável pelo Tribunal da Penitenciária Apostólica, monsenhor Gianfranco Girotti, abordou outros pecados do mundo moderno, no contexto da globalização: manipulação genética, o uso de drogas, a desigualdade social, a poluição ambiental, pedofilia, entre outros. Em nenhum momento, ele falou em "Pecados Capitais! Quem fez essa referência foi a Imprensa por sua conta.

A Igreja, com sua experiência de dois milênios, nos ensina que os piores pecados são aqueles que ela chama de "capitais". Capital vem do latim "caput", que quer dizer "cabeça". São pecados "cabeças", isto é, que geram muitos outros. Assim como, por exemplo, a capital de um estado ou de um país, de onde procedem as ordens, as decisões e comandos. Da mesma forma, desses pecados “cabeças” nascem muitos outros. Por isso, eles sempre mereceram, por parte da Igreja, uma atenção especial. São sete: soberba, ganância, luxúria (impureza), gula, ira, inveja e preguiça.

Podemos ver, por exemplo, como filhos da soberba: o orgulho, a vaidade, a arrogância, a prepotência, a auto-suficiência, a jactância, entre outros. Podemos ver como filhos da ganância: a exploração da pessoa humana, a destruição do meio ambiente como fonte de enriquecimento, as brigas pelos bens materiais, entre outros. Entre outras afirmações, monsenhor Gianfranco Girotti destacou os pecados relacionados aos direitos individuais e sociais, os da área bioética, nos quais há violações de direitos fundamentais da natureza humana (aborto, eutanásia, inseminação artificial; uso de células-tronco embrionárias, clonagem humana, etc.). "Através de experiências e manipulações genéticas, cujos êxitos são difíceis de prever e manter sob controle" declara. Ressaltou também a gravidade da desigualdade social, na qual "os ricos se tornam cada vez mais ricos e os pobres cada vez mais pobres", alimentando uma insuportável injustiça social. E falou ainda da ecologia.

Na verdade, todos esses pecados cabem bem na lista antiga dos pecados capitais, pois eles podem ser desdobrados em muitos outros; inclusive nesses citados pelo monsenhor Gianfranco. Contudo, ele apenas desejou deixar mais explícito a gravidade deles.

O Vaticano está preocupado com o grande número de católicos que não se confessam. Ao menos uma vez a cada ano, o católico é obrigado a fazer uma confissão, segundo o Catecismo da Igreja Católica (Mandamentos da Igreja, §2042). O Sacramento da Confissão foi instituído por Jesus logo após a Ressurreição; Ele enviou os Apóstolos dizendo: "A quem vocês perdoarem os pecados, os pecados estarão perdoados; a quem vocês não perdoarem os pecados, os pecados não serão perdoados" (João 20, 22).

veterinario disse...

O que mais preocupa no meio evangélico é que está sendo despertado a cobiça nas pessoas, pondo assim em risco a salvção da alma.Tanto Jesus quanto os seus Apóstolos pregam uma vida de contentamento. Se é que somos seguidores de Jesus Cristo. Não faço apologia à pobreza. Mas não devemos reter o excedente das bênçãos que nos bastam para uma vida com muita dignidade. Temos sim de praticar a verdadeira Religião consoante Tiago l:27.
Não quero dizer com isso que temos que ficar acomodados com uma vida de grandes necessidades, mas procurarmos sempre melhorar o nosso poder aquisitivo e assim podermos abençoar os mais carentes e especialmente a OBRA DE DEUS, tendo, claro, muito cuidado para não cairmos no "conto do pastor".
(pedroalvino@hotmail.com)