segunda-feira, 17 de março de 2008

O FRACASSO DO SUCESSO (2)


Tratava-se de um jovem humilde, simples, obediente aos pais e trabalhador. Ruivo, de belos olhos e de boa aparência, exalava graça e serenidade.

Um dia, foi tomado de surpresa quando lhe disseram que deveria se dirigir à sua casa, pois seu pai lhe chamava com urgência. Ficou desconfiado ao ver seu pai e seus irmãos reunidos, e mais ainda com a presença do homem de Deus.

O clima na casa era de certa expectativa, os olhos de todos estavam sobre ele. Não dava para entender bem o que estava acontecendo. De repente, o homem de Deus se levanta, toma o seu chifre do azeite, caminha em sua direção e no meio de seus irmãos lhe unge.

Algo profundamente extasiante acontece. Uma sensação indescritível começa a lhe envolver. Um gozo na alma nunca sentido com tanta intensidade, uma força impetuosa sem precedentes lhe toma. O Espírito do Senhor se apoderara dele.

As portas começam a se abrir para este jovem. Logo, as suas habilidades musicais lhe proporcionam a oportunidade de servir ao oprimido e atormentado rei. Havia unção em sua música. Sensibilidade, força e valentia marcavam sua personalidade. Era uma fórmula perfeita.

Certo dia, enviado por seu pai para levar mantimentos para seus irmãos que se encontravam no acampamento de batalha, se depara com uma cena que lhe enche o de indignação. Era um filisteu, que há quarenta dias bradava incessantemente e arrogantemente, desafiando o exército do rei a procura de um homem que tivesse coragem de com ele lutar.

A indignação do jovem é logo manifesta em palavras, que acabam chegando aos ouvidos do rei, que lhe manda chamar. Demonstrando confiança e relatando suas experiências como pastor de ovelhas, o jovem convence o rei, e este lhe envia como representante do seu exército. A responsabilidade é grande. Se o jovem se saísse vencedor do combate, os filisteus serviriam a Israel, caso contrário, os israelitas se tornariam servos dos filisteus. A honra da nação está nas mãos daquele moço.

Com uma fé inabalável em seu Deus e tomada pelo poder do Seu Espírito, o jovem enfrenta e derrota o guerreiro filisteu matando-o. Era o começo de uma trajetória de vitórias, conquistas e ascensão no exército real. Sua popularidade cresce ao ponto de assustar e inquietar o próprio rei, que movido por um espírito maligno, passa a odiar e a perseguir o jovem herói. Os dias de glória se transformam em dias de angústia, temor, inquietações, fome e cansaço, em meios a anos de perseguições implacáveis.

Em meio a tudo isso, uma convicção era guardada no coração do moço. Deus o tinha escolhido. De alguma forma, tudo aquilo fazia parte do trabalhar de Deus em sua vida. Com a paciência necessária, ele espera e alcança as promessas de Deus em sua vida. O jovem amadurecido pelo tempo e pelas adversidades da vida torna-se o rei de sua nação.

Uma expansão territorial sem igual foi vivenciada em seu reinado. Conquistas sobre conquistas, vitórias sobre vitórias. Tudo parecia estar sob controle. Dava até para se acomodar um pouco e dar uma descansada em seu palácio, mesmo em tempos de guerra. Afinal de contas, o jovem rei era um soberano temido e de grande prestígio, não tinha ninguém para prestar contas. Tornou-se assim, como muitos que alcançam o topo do sucesso e do poder, senhor de si mesmo. Foi o começo do fracasso do sucesso.

O nobre e poderoso rei começou a relativizar seus princípios morais e éticos. Fomentou e alimentou paixões e desejos proibidos. O fenomenal rei foi traído e vencido por seus instintos pecaminosos. Dessa forma, caiu e fracassou vergonhosamente diante de seu Deus, da sua família e do povo.

Teria se arruinado de vez, se pela graça e misericórdia de Deus não lhe fosse enviado um mensageiro para confrontá-lo diante do seu pecado. Profundamente arrependido, foi perdoado por seu Deus, restando-lhe, contudo, algumas seqüelas como resultado do grande erro cometido.

Eis aqui uma grande lição para todos que um dia alcançarão, ou já alcançaram poder e fama como servos do Senhor.

A história nos ensina que é mais difícil lidar com o sucesso do que com as provações. O sucesso é perigoso e traiçoeiro. Conviver com ele exige mais atenção e cuidado, do que em situações tidas como comuns. O sucesso por vezes nos distancia de Deus, pois proporciona uma certa sensação de auto-confiança.

Não devemos nos iludir. Não somos melhores nem piores do que Davi. Somos tão humanos e passíveis de erros quanto ele foi. Sua história fica como uma advertência e alerta para todos nós.

“Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração, prova-me e conhece os meus pensamentos; vê se há em mim algum caminho mau e guia-me pelo caminho eterno.” (Sl 139. 23, 24)

3 comentários:

Elisomar disse...

É impossível que haja erro sem danos; e por menor que seja esse erro sempre nos deixa com vontade de voltar atrás e consertar. Porque erro é erro!

josiel disse...

O verdadeiro sucesso é permanecer no anonimato mas sendo visto por Deus! Parabéns pelo post.

josiel disse...

Pastor Altair por favor me responda: É possível em nossa época surgir grandes vulto como, Wesley e outros mencionado principalmente no livro Heróis da Fé?

Josiel Victorino da Silva.