sexta-feira, 21 de março de 2008

HELEN ROSEVEARE - SÉRIE BIOGRAFIAS (1)


Helen Roseveare nasceu em Cornwaal, na Inglaterra em 1925. Seu pai foi umrenomado matemático, noemado cavaleiro em razão de seus serviços patrióticos durante a guerra. Aos doze anos entrou numa escola para meninas. Em Cambridge formou-se em medicina. Foi lá que no primeiro ano passou por uma experiência de conversão.

Em 1953, navegou para o Congo, mesmo solteira, com o objetivo de servir ali com a Cruzada de Evangelização Mundial. Foi o início de sua atividade missionária. Percebendo ao chegar no Congo, a profunda carência na área de saúde, planejou um centro preparatório onde a Bíblia e a medicina básica fossem ensinados para as enfermeiras, que após treinadas, retornariam às suas cidades de origem como evangelistas leigas e prontas para oferecer os cuidados médicos preventivos à população carente. Helen cooperou ainda na construção de um hospital no Congo e em Nebobongo. Tudo isso foi realizado em meio a difilculdades e oposições das mais diversas.

Em 1957, já em Nebobongo, foi arbitrariamente afastada de suas funções, sendo substituída pelo Dr. John Harris. Os fatos lhe geraram dor e tristeza. foi claramente perseguida e injustiçada por colegas missionários. Em 1958, de férias, retornou para a inglaterra profundamente desiludida com a tarefa missionária.

Achando que seus problemas eram devidos ao fato de ser solteira, pediu a Deus em oração um marido-médico, o que não lhe foi atendido. Entendeu que Deus poderia suprir-lhe todas as necessidades, sem que fosse preciso casar-se.

Em 1960 retornou ao Congo, num momento onde o país alcançara sua independência. Foi uma época de grandes riscos para os brancos. Convicta de sua chamada e confiante na proteção de Deus, resolveu ficar: "Se Cristo é Deus e morreu por mim, então nenhum sacrifício que eu faça por Ele é demasiadamente grande". As portas se abriram, com maiores oprtunidades de serviço, devido ao retorno de alguns missionários, dentre eles, o próprio Dr. John Harris. Ocupou novamente a função de encarregada do centro médico de Nebobongo.

Com o fortalecimento das forças rebeldes, vários missionários foram alvo de ataques, violência e seqüestros. a própra Dra. Helen foi vítima de roubo e tentativa de envenenamento. Entendo que muitas pessoas dependiam dela, continuou firme e resoluta.

No dia 15 de agosto de 1964, um caminhão de carga de soldados rebeldes Simba, assumiu o hospital em Nobobongo, que foi ocupado por um período de cinco meses. Eles eram brutais e grosseiros. De suas bocas saiam palavras de ameaças e obcenidades. Foi um momento de grande tensão. Em 29 de outubro, durante a ocupação, ela foi dominada por um soldado rebelde. Seu relato é dramático:

"Eles me descobriram, puseram-me empé, bateram em minha cabeça e ombros, atiraram-me no chão, deram-me pontapés, levantaram-me outra vez apenas para voltar a espancar-me - a dor nauseante de um dente quebrado, da boca cheia de sangue pegajoso, dos óculos desaparecidos. Fora de mim, entorpecida de horror e medo desconhecido, empurrada, arrastada, levada de volta à minha casa - ouvindo gritos insultos, maldições".

Ao chegar em casa, já sem forças para lutar, foi estuprada brutalmente, sem nenhuma misericórdia. Pensou a princípio que Deus havia lhe desamparado, para depois, contudo, ser fortalecida no espírito. Seu relacionamento com Deus em nada foi abalado. A violência sofrida e a maturidade espiritual adquirida, lhe preparou para outras agressões sexuais que sofreu até ser libertada em 31 de dezembro de 1964, retornando para a Inglaterra.

Após dois anos, com uma melhor estabilidade política no Congo, sentiu-se impussionada a voltar à África, o que fez em março de 1966, reassumindo seu cargo de missionária-médica. Anos difíceis se seguiram. O novo espírito nacionalista, produziu nos nativos um sentimento de rejeição. A geração mais jovem não tinha o respeito devido por aquela que se sacrificara tanto pelo Congo.

Em 1973 a Dra. Helen deixou a África, após vinte anos de serviços, sem o devido reconhecimento e profundamente amargurada.

A amargura foi aos poucos desaparecendo, para surgir um revigoramento espiritual em sua vida. Entendia que todo o que passara fazia parte de um trabalhar de Deus em sua vida, lhe preparando para uma nova etapa. Era o oleiro modelando o vaso, para continuar usando-o para a sua glória.

Desde então, a Dra. Helen Roseveare tornou-se uma das mais solicitadas e aclamada conferencista internacional, realizando palestras sobre as missões cristãs, edificando, encorajando e testemunhando que todo sofrimento aqui nesta vida, não se compara com o que Jesus passou por nós.

Referências

TUCKER, Ruth A. E até aos confins da terra. Tradução de Neyd Siqueira. São Paulo: Vida Nova, 1986


http://en.wikipedia.org/wiki/Helen_Roseveare . Acesso em 21 de março de 2008

Um comentário:

Elisomar disse...

Isso sim que é sucesso; estar em paz com Deus e ter a certeza do dever cumprido. Se não for o Senhor que nos abata, tudo podemos nELe. Uma verdadeira progressão!