quinta-feira, 15 de novembro de 2007

A PROMESSA DA VERDADEIRA PROSPERIDADE


A verdadeira prosperidade é uma promessa bíblica. Já bem explanada esta semana (ver blog ENSINO DOMINICAL), nossa contribuição será mostrar algumas faces da "falsa Prosperidade", através de uma breve abordagem histórica e teológica. Do ponto de vista pedagógico, é sempre interessante ao falar sobre o que é "verdadeiro" expor também o "falso". Como sugestão, os professores podem começar sua aula abordando a "falsa prosperidade" com sua teologia e concluir ensinando sobre a "verdadeira" prosperidade.

1. RETROSPECTIVA HISTÓRICA DA TEOLOGIA DA "FALSA" PROSPERIDADE

O evangelho da prosperidade é algo e novo na história da igreja. Seu aparecimento, contudo, se desenvolveu gradativamente e tem sua origem ligada a pessoas, épocas e lugares diversos. Estaremos aqui, lançando um fundamento histórico, que nos conduzirá a um melhor entendimento da sua expansão no Brasil.

Mediante pesquisas realizadas nos Estados Unidos sobre o assunto, duas raízes históricas e filosóficas foram identificadas: pentecostalismo (Barron, 1987) e várias seitas metafísicas do início do século XX, que floresceram na área de Boston (McConell, 1988). Dessas duas fontes, o pentecostalismo forneceu a base ou o grupo onde a teologia encontrou a maior parte de seus adeptos. Embora as igrejas pentecostais e carismáticas acolheram numa proporção maior , foram as seitas metafísicas que forneceram os ensinos e base que deram forma ao evangelho da prosperidade.

2. A RELAÇÃO COM O PENTECOSTALISMO

No final do século XIX, vários pregadores na América do Norte começaram a afirmar, que todos os cristãos tinham o direito à saúde como parte da expiação. Entre os tais destacaram-se A. J. Gordon, fundador de uma respeitada instituição de ensino teológico, e A. B. Simpson, fundador da Aliança Cristã e Missionária. Ambos escreveram livros sobre cura que até hoje são utilizados.

Os ensinos de prosperidade não tiveram origem dentro do pentecostalismo. Contudo, a tendência das denominações pentecostais de aceitarem afirmações de autoridade profética “extra-bíblica”, criou um espaço teológico onde a doutrina da prosperidade pôde se firmar e crescer. A conclusão histórica que aqui fazemos é que, embora portador da doutrina, o pentecostalismo não a tem como parte de suas crenças fundamentais.

2. AS ORIGENS DAS SEITAS METAFÍSICAS

As seitas metafísicas eram assim conhecidas, por ensinarem que a verdadeira realidade é “meta-física”, ou seja, vai além da realidade física. Isto significa que a esfera do espírito não somente é maior do que o mundo físico, mas controla cada aspecto dele e é a causa de todos os efeitos por ele sofrido.

Além da ênfase no “direito a cura”, esta teologia reivindica também o direito a “prosperidade” por meio da confissão positiva. Os ensinos do evangelho da prosperidade convergem para dois homens: Kenneth Hagin e E. W. Kenyon.

Kenneth Hagin – Nasceu em 1918. Teve uma saúde debilitada em sua infância. Complicando mais a situação, ele foi educado num ambiente de relativa pobreza, porque aquela foi uma época difícil na história dos Estados Unidos e também porque seu pai abandonou a família, quando Hagin tinha seis anos de idade. Ao atingir a adolescência, sua saúde piorou. Aos 16 anos de idade foi confinado a uma cama com perspectivas de pouco tempo de vida. Segundo seu testemunho, ele ficou ali durante 16 meses, antes que sua vida mudasse radicalmente para melhor. Segundo ainda ele narra, duas coisas aconteceram para mudar a sua sorte:

a) Ele afirma ter recebido uma série de visões nas quais foi levado primeiro ao inferno e depois ao céu, três vezes em seguida. Ele diz aos seus seguidores que, logo depois disso, recebeu uma revelação do “verdadeiro” significado de Marcos 11.23, 24 e da natureza da fé cristã. A essência dessa revelação era que, para obter resultados da parte de Deus, o fiel deve confessar em voz alta seus pedidos e nunca duvidar de que tenham sido respondidos, mesmo que as evidências físicas não indiquem que a oração foi atendida. Uma vez feita a oração, o fiel deve afirmar constantemente a resposta, até que surja a prova. Essa é, por certo, a essência daquilo que é hoje ensinado como “confissão positiva”. Hagin afirma que a fonte disso não foi outra senão o próprio Senhor.

b) Hagin não teve nenhum treinamento teológico formal. Assim como o apóstolo Paulo, ele diz que nenhum homem lhe ensinou sua doutrina, uma vez que ele a recebeu diretamente de Cristo. (Em contraste com isso, temos Paulo, que antes de ser converter, era um rabino judeu altamente treinado.).

E. W. Kenyon – Tudo indica que Kenyon foi a verdadeira fonte dos ensinos de Hagin. Kenyon foi pastor em várias igrejas, tornou-se evangelista itinerante sem nenhum vínculo denominacional. Ao passar dos anos iniciou suas atividades como radialista e produziu 18 livretos sobre seus ensinos. Kenyon também não freqüentou um seminário teológico. Para ele, a esfera espiritual pode ser controlada pela mente humana, e se o homem entender corretamente as leis espirituais da vida e tiver fé para agir segundo elas, poderá atingir resultados espantosos.

3. OS FUNDAMENTOS DA TEOLOGIA DA "FALSA" PROSPERIDADE

Além da “autoridade espiritual” e da “saúde plena”, esta teologia ensina que a “prosperidade financeira” é um direito do cristão, pois faz parte da expiação efetuada por Cristo. É comum ouvirmos os pregadores da teologia da prosperidade afirmarem que “Deus quer que seus filhos comam a melhor comida, vistam as melhores roupas, dirijam os melhores carros e tenham as melhores coisas. Observemos o que afirmou Hagin:

"... muitos crentes confundem humildade com pobreza. Um pregador certa vez me disse que fulano possuía humildade, porque andava em um carro muito velho. Repliquei: 'Isso não é ser humilde – isso é ser ignorante!' A idéia que o pregador tinha de humildade era a de dirigir um carro velho. Um outro observou: 'Sabe, Jesus e os discípulos nunca andaram num Cadilac.' Não havia Cadilac naquela época. Mas Jesus andou num jumento. Era o 'Cadilac' da época – o melhor meio de transporte existente. Os crentes têm permitido ao diabo lesá-los em todas as bênçãos que poderiam usufruir. Não era intenção de Deus que vivêssemos em pobreza. Ele disse que éramos para reinar em vida de reis. Quem jamais imaginaria um rei vivendo em estrita pobreza? A idéia de pobreza simplesmente não combina com reis" (Autoridade, 48).

Segundo ainda seus ensinos, a pobreza é fruto da falta do conhecimento de seus direitos, falta de fé para afirmar tais direitos ou o diabo o está impedindo de recebê-los. Se houver uma suspeita de que a última causa é o problema, uma sonora repreensão irá liberar tudo aquilo que o cristão tem por direito: “...tudo quanto você precisa fazer é dizer ; Satanás, tire suas mãos do meu dinheiro" (Limiares, 67).

4. CONCLUSÃO

Pela lógica dos ensinos da “Teologia da Prosperidade”, os profetas e apóstolos deveriam ter sido os crentes e homens mais ricos de todos os tempos. Mas ao contrário disto, viveram de forma simples e nos advertiram quanto ao perigo das riquezas (Tg 2.5; 1 Jo 2.15; 1 Tm 6.9-10). O que não dizer do testemunho de vida de João Batista (Mt 3.4), Pedro e João (At 3.6), Paulo (Fp 4.12) e acima de tudo do próprio Jesus (Mt 8.20).

Não somos apologistas da pobreza, é necessário entender que todo desvio doutrinário é resultado de um acréscimo ou de uma omissão de parte da verdade revelada na Bíblia Sagrada. Apesar de atrativa a “teologia da Prosperidade” é danosa, pois tudo que se insurge contra a sã doutrina é prejudicial à vida do cristão.

BIBLIOGRAFIA

PIERATT, Alan B. O Evangelho da Prosperidade. São Paulo: Vida Nova, 1993.

ROMEIRO, Paulo. Super Crentes: o evangelho segundo Kenneth Hagin, Valnice Milhomens e os profetas da prosperidade. 6 ed. São Paulo: Mundo Cristão, 1998.

6 comentários:

Emmerson EL-SHADDAI disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Emmerson EL-SHADDAI disse...

daaPaz do SENHOR Pastor!! Estava examinando a Sagrada Escritura, e no novo testamento não vi nenhuma promessa referida a dinheiro a enriquecimento de bens materiais, e sim vi muito pelo contrário...Jesus foi totalmente contra riquezas aqui na terra, e aquele jovem rico se não fosse crente ele sabia muito bem com quem estava falando, chamou Jesus de bom Mestre. E em várias passagens do Evangelho tudo é contra a riquezas e bens materiais, e nas Epístolas de Paulo. E no Antigo testamento quando analizei e estudei comentários de Pastores, e vi que não se refere a bens materiais a expressão "prosperidade" se refere a tudo dar certo, felicidade, bem-estar, e se tem algo referido com riquezas, DEUS mostra que não é essa a prosperidade que ele quer para nós. Eu queri um comentário seu sobre a Promessa nos dias de hoje, onde encontrar a promessa que tanto falam, e se a promessa da verdadeira prósperidade é condicional ou não, eu particularmente acho que seja condicional, teve um obreiro que disse que não é condicional, era no Antigo Testamento, o que o senhor acha? Fique na Paz do Nosso Senhor JESUS

Emmerson EL-SHADDAI disse...

Paz do SENHOR Pastor!!1 No sábado estarei no estudo, no templo Central. Quem vai dar aula?

Anônimo disse...

Ó cristão que se tem por sábio, atenta os seus ouvidos para tamanho favor dessa revelação, que nunca jamais existirá algo semelhante, cale-se toda boca diante de tamanha revelação não ousemos nesse dia proferir blasfemas ao prometido de Deus para esse tempo:
“Dentro em breve”, proclamam as próprias palavras de Bahá’u’lláh, “se deixará de lado a presente Ordem, e uma nova será estendida em seu lugar. Verdadeiramente, teu Senhor diz a verdade, é o Conhecedor de coisas jamais vistas”. “Por Mim Próprio”, assevera Ele solenemente, “aproxima-se o dia em que nós teremos posto de lado o mundo e tudo o que nele está e estendido em seu lugar uma nova Ordem. Ele, em verdade, tem poder sobre todas as coisas”. “O equilíbrio do mundo”, explica Ele, “foi perturbado pela influência vibrante desta Mais Grandiosa Ordem, desta Nova Ordem Mundial. A vida ordenada do gênero humano foi revolucionada através deste Sistema incomparável, maravilhoso, cujo igual jamais foi visto por olhos mortais”. “Os sinais de caos e convulsões iminentes”, assim Ele adverte aos povos do mundo – “podem agora ser discernidos desde que a Ordem prevalecente parece ser lamentavelmente defeituosa”. Ordem esse que recebera o seu Santo Nome e implantará no ápices dos corações a sua marca. Tão grande é essa revelação que ao promuniciar o seu nome a Nova economia mundial se movimentará, tão grande é essa revelação que o sinal de Deus unificará a humanidade. Cada número da letra de seu nome são como números emanados do mais puro mel que movimenta a nova ordem mundial.

Elisomar disse...

Ser prospero é saber abrir a mão para quem precisa, sem esperar retorno.

Elisomar disse...

Eu não entendi o comentário do irmão anônomo.