quarta-feira, 31 de outubro de 2007

A PROMESSA DA CURA DIVINA

Assim como fiz na lição sobre “A promessa do batismo no Espírito Santo”, estarei abordando alguns equívocos relacionados com “A promessa da cura divina”. São eles:

1. Cura divina como atestado de retidão moral e espiritual – Já ouvi de muitos o argumento de que o fato das curas divinas acontecerem por intermédio de seus ministérios, as mesmas estariam legitimando e aprovando a conduta e ensino destes obreiros. Puro engano. Como já escrevi em outro post, determinado "pastor moderno", defendendo-se de alguns questionamentos quanto a certo comportamento adotado, alegou o seguinte:

"[...] a unção, a Glória de Deus e a presença do Espírito Santo continuam sobre o Ministério que o Senhor me confiou. Os sinais, a salvação das almas continua, se não iguais, maiores do que antes".

Há um pequeno (ou grande) equívoco nesta argumentação. Entendo pela Bíblia Sagrada, que as manifestações e sinais citados pelo pregador, não evidenciam por si só a aprovação de Deus sobre a vida e o Ministério de ninguém. Sobre o "rejeitado" Saul (1 Sm 15.22-28) veio ainda o Espírito de Deus e o mesmo profetizou (1 Sm 19.20-24). Jesus advertiu veementemente: "Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade." (Mt 7.22-23)

Não julgo aqui a sinceridade do referido obreiro, só que seus argumentos não servem para respaldar sua "conduta inconveniente". Conheço pastores e pregadores que viveram anos cometendo pecados graves, sem que a obra sofresse em suas mãos, e sem a cessação dos "sinais e maravilhas", incluindo cura divina através de seus ministérios.

Não são os sinais, mas sim a qualidade dos "frutos" que identificam aqueles que fazem ou não a vontade de Deus (Mt 7.14-21)

2. Cura divina como agente de promoção pessoal – Nada é tão promocional como um marketing pessoal fundamentado num ministério de operações de maravilhas e cura divina. Tais pessoas não estão interessas em glorificar a Deus, mas sim, de se autopromoverem à custa daquilo que não lhes pertencem. O marketing pessoal é um instrumento que mascara muitas vezes a realidade. Até quando o “parecer” prevalecerá sobre o “ser”? A aparência sobre a essência? Para estes cabem as palavras de Pedro dirigidas para Simão (o mágico) “Tu não tens parte nem sorte nesta palavra, porque o teu coração não é reto diante de Deus.” (At 8.21). Por outro lado, muitos crentes acabam “idolatrando” os obreiros e irmãos que foram agraciados com os dons de curar (1 Co 12.9b), tratando-os como supercrentes ou superpastores.

3. Cura divina como produto do “Mercado da Fé” - A situação de extrema pobreza e miséria, enfrentada por nosso povo, é a mola propulsora para o sucesso dos mercantilistas da fé, que acabam promovendo o crescimento de "igrejas", que na realidade tornaram-se grandes centros de investimentos fé-nanceiros (não confundir com financeiros), hospitais de exploração (não confundir com restauração), e clínicas ilusiológicas (não confundir com psicológicas).

“Mas houve também entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá falsos mestres, os quais introduzirão encobertamente heresias destruidoras, negando até o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição. E muitos seguirão as suas dissoluções, e por causa deles será blasfemado o caminho da verdade; também, movidos pela ganância, e com palavras fingidas, eles farão de vós negócio; a condenação dos quais já de largo tempo não tarda e a sua destruição não dormita.” ( II Pe 2.3 )

Usar a cura divina como fonte de lucro não é coisa tão difícil. Uma boa oratória e uma aparência agradável, seguidos da fé simples das massas manipuláveis bastam para ganhar alguns reais (ou dólares). É preciso lembra que isto se torna possível, visto que a fé é produzida pela palavra pregada e não pelo pregador:

“Logo a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Cristo.” (Rm 10.17)

4. Cura divina como instrumento de barganha – “Senhor, se tu me curares, ou curares minha esposa, meu filho, minha sogra, prometo que te servirei de maneira diferente. Vou trabalhar para ti incansavelmente, te darei o dízimo com fidelidade, obedecerei ao meu pastor, farei tudo que quiserdes”. Você já ouviu esta oração em algum lugar? Pois bem, ela nem sempre retrata um estado de profundo quebrantamento. Em boa parte dos casos trata-se de mera barganha. Vivemos um momento tão crítico que as pessoas só fazem as coisas (inclusive para o Senhor) se vislumbrarem antes algum tipo de vantagem. O apóstolo Paulo, um dos grandes homens que foram usados por Deus como canal de bênçãos e cura divina para muitas pessoas se expressou da seguinte forma: “Eu de muito boa vontade gastarei, e me deixarei gastar pelas vossas almas.” (2 Co 12.15a). E ainda “Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, nem por constrangimento; porque Deus ama ao que dá com alegria.” (2 Co 9.7)

5. Cura divina como fenômeno meramente humano e natural – Os céticos, os liberais, os naturalistas e os materialistas, fazem parte de um grupo que não acreditam ou duvidam da existência dos milagres. Declaram, como fez o teólogo alemão Bultmann (1884-1976) numa tentativa de adaptar o Evangelho a uma cosmovisão moderna, e de equacionar o problema entre “fé e razão” e “religião e ciência”, que o Evangelho precisa ser demitologizado, ou seja, os mitos precisam ser destruídos criticamente.

As narrativas bíblicas do A.T e N.T. acerca das curas operadas pela ação de Deus (e por isso sobrenatural), não são narrativas mitológicas, são fatos inquestionáveis que não fazem parte apenas de um passado distante. Hoje, em pleno século XXI, o Senhor continua agindo e por meio da fé operando curas no meio e através do seu povo. Ele continua sendo “o Senhor que te sara.” (Êx 15.26)

יְהוָה,רֹפְאֶךָ

14 comentários:

wendelberg disse...

Caro Pastor, parabéns pela direção que o Sr vem adotando nos posts sobre as lições bíblicas. Essa abordagem a respeito de desvios, ou uso incorreto das promessas de Deus são de suma importância e devem ser apresentados aos alunos, na tentativa de "refrear" o avanço dos conceitos heréticos e aplainar os caminhos da fé para os que almejam a salvação.
A paz do Senhor.

Emmerson EL-SHADDAI disse...

Paz do SENHOR Pastor!! Parabéns, para o senhor e o Pr. Esdras Cabral. Gostei muito de ontem, bonita festa, que pena que não tinha 19,90 para comprar o livro... Srsrsrsrrsrsrss depois eu compro. Estarei passando este seu comentário para alguns dos nossos professores da EBD, os que não poderem ir sábado.
Quanto... Não só uma cura? Os milagres que acontecem em outros ministérios, desorganizados, idólatras, de doutrinas e costumes contrários com a Bíblia? São por conta da fé das pessoas? Ou um ato de soberania, a supremacia divina de DEUS? Deus cura quem ele quer? Porque sabemos que o homem não tem nada se não vier de cima! E sabemos que os Dons não são sinais de santificação. Porque acontecem tais milagres? Sabemos que muitos na Bíblia, homens e seus filhos, foram curados pela fé deles, será que não seria o caso desses ministérios? Ou também não pode ser espíritos enganadores? Fique na paz de JESUS CRISTO.
Rhibuk Arh!

Gutierres Siqueira, 18 anos disse...

Parabéns pela abordagem apologética em relação a temas como: batismo no Espírito Santo e Cura Divina.

Gutierres Siqueira
www.teologiapentecostal.blogspot.com

Eliseu Antonio Gomes disse...

Pr Altair

Com certeza colocar os dons de curar acima do nome de Jesus é um erro doutrinário grave. Mas, por outro lado ignorar que os dons de cura que existem é outro erro. Os sinais seguem aos que crentes!

Tudo deve ser bem dosado. O ministério terreno de Cristo foi marcado por curas e libertações demoníacas. Hoje acredito que os seguidores dEle devem agir igual.

Está determinado e assinalado muito claramente por Cristo no grande comissinamento, Marcos 16:

15. E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura.
16. Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado.
17. E estes sinais seguirão aos que crerem; em meu nome, expulsarão demônios; falarão novas línguas; pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e imporão as mãos sobre os infermos e os curarão.

Paz do Senhor.

ALTAIR GERMANO, disse...

Amado Wendelberg,

obrigado por sua participação neste post. Conto com vossas contínuas orações, certo que as mesmas cooperarão com as finalidades deste blog.

Um abraço e a paz do Senhor!

ALTAIR GERMANO, disse...

Nobre Emmerson,

fique a vontade em passa o comentário e aproveite para divulgar o blog.

Paz do Senhor!

ALTAIR GERMANO, disse...

Querido Gutieres,

gostaria de aproveitar vossa participação e parabenizá-lo pelos escelentes artigos postados em vosso blog.

Um abraço e paz do Senhor!

ALTAIR GERMANO, disse...

Amado Eliseu,

os dons de cura não apenas existem e operam na atualidade, mas acima de tudo, exitem para a glória de Deus!

Paz do Senhor!

Elisomar disse...

Pastor,
Gostaria que fizesse um comentário mesmo que fosse no estudo, em relação aos milagres de cura que acontece com os adoradores de imagens. uma vez alguém me perguntou, e eu falei que Deus por sua misericórdia atende a oração dos ignorantes. Essa foi minha resposta, mas não sei se estava certa. rsrs não precisa publicar.

Elisomar disse...

Mesmo não sendo assunto desse estudo, aproveito para parabenizá-lo pela iniciativa de comemorar os 490 anos da reforma. Amei o culto, e achei lindo, a banda tocar Castelo Forte! A igreja tbm deveria ter cantado. Senti vontade de aplaudir. rsrs

ALTAIR GERMANO, disse...

Elisomar,

credito aos fenômenos de curas oriundas da devoção aos "ídolos" ou "espíritos" os seguintes fatores:

- Curas geradas por fatores psicológicos

- Curas geradas por ações de espíritos enganadores

Paz do Senhor!

OLHO VIVO disse...

MILAGRES & MILAGRE$
NO QUE CREIO

Que eu creio em milagres disto eu não tenho dúvidas até porque eu sou um deles, o que eu não admito em hipótese alguma e não creio é nesta indústria da exploração do povo estampada diariamente nas telas das televisões e nos templos de entidades que usam a religião como instrumento de abuso na venda de curas que não passam de trapaças e de encenações para ludibriar a fé do povo. Os milagres existem, mas existem também os MILAGREIRO$ que utilizam destas artimanhas para extorquirem boas somas dos desavisados e dos desesperados.

O primeiro ponto a observarmos nesta questão dos milagres relatados na Bíblia é em que circunstâncias eles aconteceram? Invariavelmente todos os milagres descritos nas Escrituras foram resultados de momentos na vida daqueles que foram INSTRUMENTOS para que os mesmos acontecessem, inclusive Jesus. Em momento algum se propagou ou se divulgou, como se faz hoje, que este ou aquele ia passar ou estar em tal lugar e que em estando ali haveria sinais de curas e milagres, isto está muito claro nas Escrituras. Não há relato nas Escrituras sobre campanhas de curas e milagres, ninguém saia avisando que um Super Herói iria estar em tal cidade e ali faria mil e uma maravilhas. Outra coisa é que os homens de Deus, incluindo o próprio Jesus, eram muito reservados quanto a esta prática de curas e milagres, até porque sabia-se que isto poderia se transformar, como aconteceu de fato, numa industria e numa mina de dinheiro e de ESCÂNDALOS. Os milagres nos tempos apostólicos eram realizados através de pessoas SÓBRIAS e comprometidas com o Evangelho, que viviam em função dele EVANGELHO e não de patrocinar entidade, igrejas ou agremiações. Também não era usado para desmoralizar a concorrência ou para demonstração de poder ou de superioridade. Outro fato interessante é que os milagres não se resumiam a isto ou aquilo, curava-se enfermidades, restaurava-se o físico, ressuscitava-se mortos, mas tudo dentro de critérios que de fato pudessem dar sustentação aos acontecimentos. Assim, Jesus usou o lôdo para dar vista ao cego, a água para transformá-la em vinho e até um morto para ser ressuscitado. Outro fato a considerar é que jamais um demônio foi se manifestar dentro de um templo, coisa que hoje é comum, daí se imaginar que há algo errado nas igrejas uma vez que até nos terreiros de umbanda a sua manifestação é rara. Eu poderia ir mais longe, mas fico por aqui.

Segundo, como precederam e como se deu depois de serem consumados os milagres? Invariavelmente todos os milagres relatados nas Escrituras precederam da necessidade da manifestação real do poder de Deus para que o povo pudesse crer naquilo que ouviam. Havia todo o cuidado para que aquilo não se transformasse em um ESPETÁCULO nem tão pouco p paciente fosse exposto ao ridículo como ocorre hoje. Na realidade hoje os CURANDEIROS vivem de mostrar as suas proezas como forma de demonstrarem abertamente quem é o mais poderoso, qual a igreja contabiliza o maior numero de prodígios, qual a igreja tem o milagre mais cabeludo e vai por aí. A linha não muda, todos sem exceção, exploram com irracionalidade a boa fé do povo. Outra coisa é que os favorecidos por um milagre tinham a recomendação expressa de não fazerem qualquer propaganda daquilo que haviam recebido como graça de Deus. Mas, o que se vê hoje é uma indústria de propagandas imoral que visa exclusivamente atrair o povo para ser extorquido dentro das igrejas. A questão fundamental que é a salvação da alma e a conscientização da condição de pecador foi abolida destas igrejas, se é que podemos classificá-las como tal, dando espaço para uma espiritualidade triunfalista baseada na irracionalidade de se procurar Deus pelo que ele pode oferecer e não pelo que ele é.

Continua...

OLHO VIVO disse...

Continuação...

Creio em milagres sim, e sou um deles. Há tempos atrás, caí do telhado da igreja numa altura aproximada de 5,0 metros e para a medicina convencional eu seria parte das estatísticas, mas Deus não permitiu isto e depois de alguns dias ele me levantou do leito hospitalar, fato que deixou os médicos e os que me acompanhavam perplexos. Recentemente estive em um leito hospitalar, com septicemia, desenganado pela medicina aguardando somente o momento de partir, no entanto Deus agiu em meu favor e hoje estou aqui contrariando TODAS as previsões da medicina. Nem por isto eu fui para a minha igreja fazer propaganda do que ocorreu e mesmo assim a sociedade não deixou de saber que eu creio em um Deus que tudo pode.

O que há de fato é uma CONCORRÊNCIA IMORAL E IRRACINAL entre os que vivem desta prática absurda na intenção clara e declarada de promoverem o crescimento de seus grupos religiosos através da exploração da indústria dos milagres. Isto fica ainda mais evidente quando nos programas televisivos o tempo todo é gasto com propagandas de milagres e curas mal explicadas. A humilhação é evidente com os fiéis sendo OBRIGADOS a fazerem acrobacias no palco para comprovarem o tal milagre recebido. Nenhum dos seguidores desta doutrina sequer menciona o céu como objetivo do ser humano, pecado nem pensar, o que evidencia que a salvação se resume a ser curado de uma doença qualquer e pronto. O que vale mesmo é o aqui e agora, a eternidade... Deixa isto para lá, dá muito trabalho para explicá-la para estes curandeiros.

Não encontramos na Bíblia ninguém gritando, dando ordem para Deus, ou fazendo milagres por atacado. Também não encontramos nenhum relato de servos de Deus afirmando que fez ou faz qualquer coisa, os fatos aconteciam naturalmente sem estardalhaço e sem propaganda. Os crentes do passado TESTEMUNHAVAM da graça redentora do amor incondicional de Deus, eles não precisavam de propagandas, pois a vida falava mais alto que as obras e os milagres.

Milagres hão de ser conseqüência e não objetivo na vida espiritual. Antes de qualquer coisa há de se preocupar com a alma e não com o físico, até porque este corpo vai para a sepultura e não para o céu. Fique atento, existem MILAGRES e MILAGRE$ e cabe a você diferenciar um do outro.


Carlos Roberto Martins de Souza
crms2casa@hotmail.com

fcanegocios disse...

100 Fatos Sobre a Cura Divina
Muitos crêem que Deus às vezes cura os doentes, mas não têm conhecimento pessoal de Jesus sempre presente, e sempre neles para curar; não

têm conhecimento dos fatos que provam que a saúde do físico é uma parte da salvação de todas as pessoas. Presenciam a cura do próximo, mas duvidam que seja a vontade de Deus os curar a si mesmos. Aguardam uma revelação especial da vontade de Deus quanto a seu próprio caso, e nesse ínterim fazem tudo ao alcance da ciência humana para ficarem sãos; recorrem aos meios naturais, duvidosos se Deus os quer ou não curar. Se não fosse a vontade de Deus que ficassem sãos, não se deviam esforçar para ficar sãos, nem mesmo por meios NATURAIS. Se é a vontade de Deus que fiquem sãos, então é lógico dizer que a melhor maneira para restaurar a saúde deve ser por meios DIVINOS. A Bíblia revela a vontade de Deus quanto à cura do corpo tão claramente como revela a vontade de Deus quanto à salvação da alma. Não é necessário que Deus revele, de maneira especial, Sua vontade quando já revelou claramente a Sua vontade na Sua Palavra (isto é, quando Ele prometeu definidamente fazê-lo). Suas promessas de curar são tanto uma revelação da Sua vontade de curar como Suas promessas de salvar revelam Sua vontade de salvar. Um estudo esmerado das Escrituras, por qualquer pessoa sem preconceitos, mostrará claramente que Deus é tanto O que cura como é O que salva Seu povo. É sempre Sua vontade salvar e curar todos os que têm a vontade de 0 servir. Em prova disso, eis os seguintes 100 fatos: 1. A enfermidade não é mais natural que o pecado. Deus fez tudo "muito bom," Gên. 1.31. Portanto não devemos esperar o remédio no pecado nem na enfermidade, mas em Deus, que nos criou felizes, fortes, sadios e em comunhão com Ele. 2. O pecado e a enfermidade, entraram no mundo pela queda. Portanto devemos esperar a cura de ambos pelo Salvador. 3.. Quando Deus chamou Seus filhos do Egito, fez com eles uma aliança de cura, Ex. 15.26; 23.25. Através de toda a história deles, encontramo-los, quando caídos em enfermidades e pestilências, se voltando para Deus com arrependimento e confissão, e sempre, quando perdoados de seus pecados, suas enfermidades foram curadas. 4. Relata-se em Num. 21.8, como Deus curou aqueles que foram picados pelas serpentes ardentes, por fitarem a serpente de metal levantada sobre uma haste, que era um tipo do Calvário, João 3.14,15. Se "TODO" mordido, que olhou para a serpente de metal, foi curado, é lógico que 'TODO" enfermo que olha para Jesus será curado hoje. 5. Jesus disse: "COMO Moisés levantou a serpente no deserto, ASSIM (com o mesmo propósito) importa que o filho do homem seja levantado," João 3.14. Vede Números 24.4-9. 6. O povo tinha pecado contra Deus, e os homens têm pecado contra Deus hoje. 7. A mordedura venenosa das serpentes resultou na marte; o "salário do pecado é a morte" hoje, Rom. 6.23. 8. 0 povo clamou a Deus, e Ele ouviu seu clamor, provendo um remédio — a serpente levantada; aqueles que clamam a Deus, hoje, descobrem que Deus

tem ouvido seu clamor e provido para eles um remédio — Cristo levantado. 9. 0 remédio era para "todo o mordido;" o remédio é para "todo aquele que nEle crê" hoje. 10. No remédio receberam os dois, o perdão dos pecados e a cura dos corpos; em Cristo, recebemos os dois, o perdão de nossos pecados, e a cura de nossos corpos enfermos hoje. 11. Não havia exceções então — o remédio era para "todo o mordido," não há exceções hoje — nosso remédio é para "todo aquele que nEle crê." 12. Todos foram exortados a olharem para o remédio para si mesmos; todos são chamados a crerem em Cristo para si hoje. 13. SERA QUE E O BASTANTE PARA CRER NA CURA EM NOSSOS DIAS, TENHA FÉ! ACREDITE ISTO E REAL... EV. FRANCISCO
NUNCA SE ESQUEÇA JESUS ESTA VOLTANDO, PREPARA-TE ENQUANTO PODE, APOS A MORTE SEGUE-SE O JUIZO. peça o restante para fcaluvas@yahoo.com.br FRANCISCO CARLOS ev.