domingo, 11 de novembro de 2007

ABORTO (1)


“......
Era tão pequeno / que ninguém o via.
Dormia sereno, / enquanto crescia.
Sem falar, pedia / - porque era semente -
ver a luz do dia / como toda a gente.
Não tinha usurpado / a sua morada.
Não tinha pecado. / Não fizera nada.
Foi sacrificado / enquanto dormia.
Esterilizado / com toda a mestria.
Antes que a tivesse, / taparam-lhe a boca
– tratado, parece, / qual bicho na toca.
Não soltou vagido. / Não teve amanhã.
Não ouviu: "Querido..." / Não disse: "Mamã..."
Não sentiu um beijo. / Nunca andou ao colo.
Nunca teve ensejo / de pisar o solo,
pezito descalço, / andar hesitante,
sorrindo no encalço / do abraço distante.
Nunca foi à escola / de sacola ao ombro,
nem olhou estrelas / com olhos de assombro.
Crianças iguais / à que ele seria,
não brincou com elas / nem soube que havia.
Não roubou maçãs, / não ouviu os grilos,
não apanhou rãs / nos charcos tranquilos.
Nunca teve um cão, / vadio que fosse
a lamber-lhe a mão, / à espera do doce.
Não soube que há rios / e ventos e espaços.
E invernos e estios. / E mares de sargaços,
e flores e poentes. / e peixes e feras -
as hoje viventes / e as de antigas eras.
Não soube do mundo. / Não viu a magia.
Num breve segundo, / foi neutralizado
com toda a mestria:
Com as alvas batas, / máscaras de entrudo,
técnicas exactas, / mãos de especialistas
negaram-lhe tudo / (o destino inteiro...)
- porque os abortistas nasceram primeiro”

(Autor desconhecido)


Fonte: sol.sapo.pt/blogs

2 comentários:

Alvaro disse...

A Paz do Senhor Pr. Altair!

O aborto é um tema muito polêmico,
que por mais motivos que coloquem sobre ele para especificar uma causa, sempre mexe com uma vida, indepedente se for por uma causa de estupro, ou gravidez sem planejamento ou antes de efetuar um devido casamento.

Mas o que nós devemos lembrar é que o único que tem o direito de tirar uma vida é o nosso Deus.

Elisomar disse...

Um filho sem planejamento, em situações inusitadas da vida, gera um grande desespero dentro de nós mulheres. Acredito que haja mulheres que sejam tão insensível, que colocar um filho no mundo sem emoção nenhuma, pra ela não faz diferença. não fosse assim não existia esse número alarmante de crianças abandonadas. No entanto, há aquelas que mesmo sem planejarem a chegada de um filho, apesar da investida do diabo, mostrando-lhe o aborto como solução, resistem e deixam vir ao mundo o pequeno ser que na maioria das vezes, tornam-se filhos amigos, no futuro. Com exceção de algumas mulheres, a prática do aborto acontece no momento do desespero de se ver tanta dificuldade financeira, falta de apoio dos pais, medo dos comentários e outros. No entanto, se deve ter a consciencia, de que a vinda de um filho é geralmente culpa de seus atos, e de que maneira nenhuma, o indefeso feto deve pagar por eles. Um filho deve ser amado desde a sua concepção e por toda a vida.