sábado, 31 de dezembro de 2016

MISSÕES: TODOS SÃO PRIORIDADES


A missão de Jesus contemplou todas as regiões de Israel, as mais ricas e as mais pobres. Galileus, judeus, samaritanos e gentios puderam ouvir a sua mensagem. Gente de raças diversas.

Da perspectiva econômica ricos e pobres foram alcançados por sua graça, amor e misericórdia. Religiosos, governantes, ladrões, meretrizes, mendigos, todos eram necessitados, pois todos pecaram (Rm 3.23).

Quando Jesus comissionou os seus discípulos, o princípio foi o mesmo, ou seja, todo o Evangelho para todos os povos (Mt 28.19; Mc 16.15; At 1.8). Todos eram prioridades.

Em sua missão, o apóstolo Paulo alcançou também pobres e ricos, senhores e servos, livres e escravos, judeus e gentios, asiáticos e europeus. Todos eram prioridades (1 Co 9.19-22).

Deus não faz acepção de pessoas (Ef 6.9; 1 Pe 1.17).O Evangelho de Jesus precisa ser pregado simultaneamente em todos os lugares, pois todos os perdidos são prioridades.

Os perdidos da região amazônica, do sertão nordestino, das desenvolvidas regiões sul e sudeste, e de outras partes do Brasil, dos países pobres e ricos economicamente de todo o mundo, da América Latina à Europa, da América do Norte à Ásia, todos são prioridades.

Qualquer discurso que enfatiza uma urgência ou prioridade missionária com base em fatores socioeconômicos não se sustenta nem encontra o seu fundamento nas Escrituras.

Não é a pobreza material de povos e nações, cidades e regiões, mas sim a pobreza e a realidade espiritual que deve fundamentar a necessidade da obra missionária, e isso não significa absolutamente que não devemos nos preocupar com as questões de justiça social. Convém ressaltar que alguns pobres e miseráveis da próspera Laodicéia dos tempos bíblicos eram ricos materialmente (Ap 3.17). Todos são prioridades.

Os erros, abusos e escândalos que envolvem a obra missionária e que acontecem no campo missionário, estão em todos os lugares. Os aproveitadores da boa fé das pessoas estão no sertão brasileiro e nos países do chamado primeiro mundo. O enriquecimento ilícito, o abuso de poder, a vantagem pessoal, o nepotismo, o favorecimento familiar, a fraude, a mentira, a imoralidade, os jeitinhos e outros pecados estão acontecendo neste exato momento aí bem próximo de você, e em todas as partes do mundo. Sim, nesse exato momento há missionários e obreiros fraudulentos agindo na África e na Europa, no sertão e nas grandes capitais brasileiras, e isso não implica em deixarmos de evangelizar, orar ou de apoiar a obra missionária nestes lugares. Também não significa que não devemos nos indignar com estas coisas, mas sempre cuidando de não cometermos injustiças com generalismos. Existem ainda e sempre existirão pessoas sérias e honestas, e que foram verdadeiramente vocacionadas por Deus para a sua obra.
 
Tenhamos cuidado ao julgar um missionário e a relevância da visão missionária de uma igreja com base apenas no lugar para onde o mesmo foi enviado. Nem todos os missionários de regiões carentes economicamente são honestos em suas motivações, como também nem todos os missionários de regiões prósperas são aproveitadores. 

Todos os lugares possuem as suas necessidades e dificuldades, mudando-se apenas alguns aspectos da natureza e da intensidade destas necessidades e dificuldades. Todos são prioridades.


Para onde e quando enviar os próximos missionários? Quais e quando devem ser trazidos do campo? Essas questões demandam muita oração por parte de toda a igreja, e a busca pela orientação e direção do Deus da missão (At 13.1-3; 16.6-10), pois afinal de contas, todas as pessoas em todos os lugares são prioridades para Ele (1 Tm 2.4; Tt 2.11). Deus amou o mundo (Jo 3.16).

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Sobre Reflexões Teológicas e Poder Institucional

A dependência institucional de alguns teólogos tem limitado e omitido muitas "reflexões", principalmente aquelas que ameaçam a sua confortável posição, cargo, prestígio, conquistas, privilégios, visibilidade, salário, etc. São até reflexões profundas e cheias de estilo, mas limitadas quanto ao seu raio de alcance global.
Geralmente são dirigidas a outros grupos, ou seja, não contempla a realidade do próprio contexto imediato do teólogo.
São também escritas para serem instrumentos de publicação, e não de transformação.
As reflexões que questionam os aspectos sobrenaturais da fé também superam em muito aquelas que tratam dos aspectos éticos e morais da fé.
Ponderar sobre as tradições sacralizadas que não se sustentam à luz de princípios bíblicos é absolutamente evitado.
Refletir sobre a conduta dos liderados é mais confortável e seguro do que tratar dos desvios dos líderes.
Chega um momento na vida do teólogo onde ele precisa se perceber e se definir se está disposto a correr os riscos da reflexão abrangente e profunda, ou se vai preferir a segurança da reflexão profunda, mas conveniente.
Vai precisar também decidir se prefere ser conhecido apenas pelo estilo elegante, pela capacidade produtiva, pelo domínio das línguas originais, ou a isso deseja também agregar a convicção audaz.
Que cada um reflita, e tome a sua própria decisão.

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

ASSEMBLEA DI DIO FIRENZE (MISSÃO ABREU E LIMA-PE)





A partir desta semana, você que reside ou está de passagem por Firenze (Florença) poderá cultuar conosco aos domingos na Assemblea di Dio (Missão Abreu e Lima-PE), às 20h00, na Via dei Biffi 1, Centro.

Até lá, se Deus quiser!

MISSÕES: REVENDO O ORÇAMENTO


No campo missionário temos uma percepção maior do quanto algumas (ou muitas) igrejas no Brasil desperdiçam seus recursos financeiros com obras e aquisições desnecessárias, e com reformas luxuosas em templos que nunca se acabam. A justificativa? Deus merece o melhor. Mas será que é esse o melhor que Deus quer? Penso que não. As necessidades espirituais e materiais das pessoas serão sempre prioritárias para Ele.

Na tentativa de aliviar ou burlar a consciência, de vez em quando um tímido gesto de misericórdia é feito, seguido de um grande culto ao próprio ego, da propaganda do ato em todas as mídias, e daquela falsa sensação de extrema generosidade e caridade.

O pior, é que alguns missionários aqui no campo já começam a imitar e reproduzir esse modelo medieval e coisificado de ser e fazer igreja.

Qual é o orçamento da igreja para investir em vidas? 

Qual é o orçamento para investir em evangelização, missões e socorro?


Qual é o orçamento?

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Sobre Cartas Fictícias para Pastores Pentecostais que se Tornaram Calvinistas

Que ninguém se iluda com cartas fictícias direcionadas a pastores pentecostais que se tornaram calvinistas.

Meu conselho a qualquer pastor assembleiano que abraçou a teologia calvinista é que seja honesto em assumi-la publicamente, como alguns já tem feito. Fazendo assim você será honesto com seus irmãos em Cristo e consigo mesmo.


Outros não assumiram ainda o seu calvinismo porque são dependentes de cargos e posições, do dinheiro que recebem por exercerem funções na igreja, ou por medo de perderem agendas e vendas de livros publicados pela editora oficial.

De fato a doutrina calvinista é em muitos aspectos incompatível com a doutrina bíblica adotada pelas Assembleias de Deus no Brasil.

Não perca tempo tentando calvinizar as Assembleias de Deus. Digo calvinizar pois o calvinismo não representa toda Reforma, apesar de presunçosamente tentar passar tal ideia.

Afirmo que nem com os deslizes da editora oficial, e com as suas práticas comerciais desprovidas de coerência com o seu compromisso institucional, o calvinismo com os seus absurdos doutrinários, contradições e erros bíblicos grotescos será abraçado como doutrina nas Assembleias de Deus no Brasil.

Penso ainda que provavelmente um grupo pentecostal-calvinista se levantará no Brasil fora das Assembleias de Deus e das Igrejas Presbiterianas, pois em sua carta fictícia, diz o teólogo calvinista que o recebimento de pastores pentecostais calvinistas entre os "reformados" é ainda um caso a se pensar e decidir. Tal cuidado é óbvio, principalmente partindo de quem zomba dos dons espirituais fazendo piadas dos mesmos em suas conferências, palestras e outros eventos.

Por fim, a previsão do teólogo calvinista em sua carta fictícia sobre "reformar" o Pentecostalismo Clássico no Brasil deve ficar somente na ficção e em seu desejo utópico.

domingo, 24 de julho de 2016

Missões no poder e na direção do Espírito Santo - Artigo Teologia Brasileira


Acesse o artigo AQUI

EU TAMBÉM ORO PELA CPAD


Oro para que o que foi construído ao longo dos anos não se perca em nome de crescimento, vendas e faturamento.

Oro para que a sua missão confessional, apologética, educativa e evangelística se fortaleça.

Oro para que valorize mais os autores nacionais, e que abra mais espaço para os novos talentos.

Oro por seus escritores, por todos aqueles que continuam comprometidos com a sã doutrina.

Oro por seu diretor, gerentes e funcionários para que continuem cumprindo com fidelidade a Deus a grande missão lhes confiada.

Oro para que permaneça como parte, e regimentalmente debaixo da orientação de outros órgãos institucionais.

Oro para que tenha a humildade de reconhecer as suas falhas e corrigir os erros.

Oro para que o labor de todas as gerações passadas seja considerado.
Oro para que as grandes decisões, presentes e futuras, que dizem respeito ao seu destino possam ser amplamente discutidas e decididas em todas as instâncias competentes.

Oro para que a Casa continue sendo nossa, e comprometida exclusivamente com os fundamentos da sã doutrina.

Oro para que resista e feche as suas portas para os modismos doutrinários, e para toda a sorte de herança teológica ou tradição que seja incompatível com a verdade das Sagradas Escrituras.

Sim, oremos todos nós pelas reais, visíveis e urgentes necessidades da nossa CPAD.

sábado, 23 de julho de 2016

SOBRE OFENSAS E RETRATAÇÕES: BUSCANDO UNIDADE E PAZ NA DIVERSIDADE EVANGÉLICA BRASILEIRA



Enquanto pessoas e instituições, passivos que somos de cometermos erros, devemos sempre nos retratar por nossos desrespeitos e ofensas para com aqueles que não pensam teologicamente como nós, e por nossas falhas institucionais que acabam provocando constrangimentos e dissabores.

Já tive a oportunidade de fazer um curso num seminário presbiteriano, e de até pregar numa igreja presbiteriana, e isso sob a devida autorização do seu presbitério local. Gozei de tal confiança, dentre outras razões, pelo fato de não expor ao ridículo a fé calvinista. Podemos discordar em questões doutrinárias, mas sem perder o devido respeito. 

Tal postura, penso eu, sempre contribuirá para a tão desejada unidade e paz na diversidade evangélica brasileira. É possível pensar diferente e ao mesmo tempo respeitosamente.

Sim, um erro não justifica o outro. Aprendamos com os erros, todos nós, e nos perdoemos em tudo, pois afinal, ninguém é perfeito.

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Um Alerta para Líderes, Membros e Congregados das Assembleias de Deus no Brasil


Já há algum tempo a CPAD, editora oficial da denominação, vem se afastando de sua missão confessional de contribuir com material inteiramente confiável para promover e preservar a sã doutrina. Em alguns dos livros que trazem o seu selo editorial encontramos autores e conteúdos com teologias que não são compatíveis com aquilo que cremos e que herdamos historicamente dos nossos pioneiros.
Durante os dez anos em que ocupei o cargo de Superintendente Geral das Escolas Bíblicas dominicais na Assembleia de Deus em Abreu e Lima-PE, detectei inúmeras vezes contradições doutrinárias e outros erros nas Lições Bíblicas, onde tive que alertar dirigentes e professores, e em algumas ocasiões comunicando também ao setor responsável da Casa os fatos, sem que uma só vez uma errata fosse publicada em seus periódicos nos casos que informei. Atualmente os mesmos erros e falhas continuam.
Sob o argumento de ampliar sua atual “vocação”, e priorizando o aspecto comercial em detrimento do confessional, a CPAD agora, além dos livros de outras editoras, abre também as portas de suas lojas para autores com convicções teológicas e doutrinárias conflitantes com as da denominação, como o calvinismo, o universalismo e outras.
Diante dos fatos, enquanto não sabemos que decisão será tomada no âmbito interno da instituição, fica aqui o alerta para que os líderes, membros e congregados das Assembleias de Deus no Brasil examinem com bastante cuidado o material publicado pela própria CPAD (livros e lições bíblicas), e o exposto em suas lojas oriundos de outras editoras.
Respeitarei qualquer que seja a decisão interna quanto aos rumos da Casa, mas não poderia deixar de fazer este alerta, pois sabemos que muitos assembleianos estão expostos ao risco de absolver por meio da editora oficial e de suas lojas, ensinos que não se sustentam à luz das Sagradas Escrituras.
Oremos por aqueles que fazem a nossa CPAD, e continuemos a ensinar a sã doutrina ao rebanho que o Senhor nos confiou.
Pr. Altair Germano
Itália, 22/07/2016