quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

Deus: Ciência e Convivência

A teologia te dará saberes. A intimidade com Deus te dará a presença dele.

A teologia te dará ciência. A intimidade com Deus te dará experiência sobrenatural.

A teologia te dará erudição. A intimidade com Deus te dará unção.

A teologia te dará métodos hermenêuticos. A intimidade com Deus te dará revelação.

A teologia te dará eloquência. A intimidade com Deus te dará poder espiritual.

A teologia te dará o hebraico e o grego. A intimidade com Deus te dará variedade de línguas. 

A teologia te dará títulos. A intimidade com Deus te dará humildade.

A teologia te dará um acréscimo no currículo. A intimidade com Deus te dará o testemunho dele.

Cresça em ciência. Cresça mais ainda em convivência Deus.

Entenda que o saber sobre Deus, sem o conviver com Deus é apenas vaidade. Tola e passageira vaidade.

Seguindo no Servir

Pela graça de Deus, este ano estaremos presidindo o Conselho de Doutrina da Assembleia Deus em Abreu e Lima-PE (IEADALPE), onde ao lado dos demais companheiros, trabalharemos no sentido de promover e defender os fundamentos bíblicos e doutrinários expressos em nossa Declaração de Fé.
O Senhor me tem concedido de servir nesta igreja já há 30 anos, onde dentre as diversas atividades, além de pastorear congregações e coordenar áreas eclesiais, por dez anos trabalhamos como Superintendente Geral da Escola Bíblica Dominical, e por dois anos como Vice-Presidente da Igreja, deixando o referido cargo para atender o trabalho missionário na Itália, de onde retornamos há quatro meses, e onde deixamos uma igreja implantada na cidade de Florença.
Sigo adiante, servindo a igreja no estado de Pernambuco e em todos os demais lugares, onde através do ministério do ensino e da pregação temos procurado cumprir o nosso chamado.
Agradeço ao pastor Roberto José Dos Santos (Presidente da IEADALPE) pela indicação, e continuo contando com as vossas orações.
Ao Senhor Jesus, que me teve como fiel, pondo-me no ministério (1 Tm 1.12), tributo toda honra, glória e louvor.

Homens e Mulheres de Honra - 2 Timóteo 4.1-22

Ele evangelizou, ensinou, fundou igrejas, discipulou, visitou, curou enfermos, ressuscitou mortos, instituiu obreiros, se doou sem reservas para a obra de Deus, e viveu os seus últimos dias numa prisão, abandonado pelos seus companheiros de jornada, e aguardando ser executado.
Mesmo em tais condições, permaneceu firme em seu chamado, escrevendo e aproveitando cada oportunidade para ainda servir, fortalecido e assistido pelo seu Senhor, que nunca o desamparou. Falo de Paulo, o apóstolo.
Nada de honrarias humanas. As circunstâncias não lhe permitiram. Inclusive, quando ainda em plena liberdade e atividade, teve que por vezes defender a sua legitimidade e autoridade apostólica.
Assim como Paulo, pelas mais diversas razões, e muitas delas injustificáveis, grandes homens e mulheres de Deus já morreram, e ainda morrerão solitários, abandonados e esquecidos por muitos (ou praticamente por todos).
São homens e mulheres de honra. Imperfeitos, mas sinceros. Improváveis, mas escolhidos. Falhos, mas usados por Deus.
Só há uma maneira de não frustrar-se, decepcionar-se ou amargurar-se durante ou no fim do nosso ministério, em relação ao que recebemos ou deixamos de receber como honrarias humanas. É não desejando-as, aguardando-as ou reivindicando-as.
Paulo aprendeu de Jesus, e nós aprendemos de Paulo. Que magnífico exemplo!
Infelizmente, em seu processo histórico de institucionalização ainda inacabado, as distorções em torno das honrarias na igreja fazem com que muitos adoeçam, se angustiem, sofram, traiam, matem e morram por elas.
É preciso admitir que as honras humanas são muito sedutoras. Elas fazem com o nosso ego o que poucas outras coisas conseguem fazer.
Muito embora Deus tenha as suas maneiras de nos honrar aqui e agora, que divergem em natureza e propósito das humanas, são as honras do porvir, que receberemos do nosso Senhor, nos céus, que devem ser aguardadas com fé em meio ao bom combate, e até ao fim da carreira.
Homens e mulheres que amam e honram a Deus, e que demonstram isso pela obediência, testemunho e serviço, serão de modo justo e digno galardoados e honrados por ele e para a glória dele naquele dia.
Aguardemos por isso, e nossos dias serão mais plenos de senso de justiça, paz e alegria no Espírito Santo.

sábado, 5 de janeiro de 2019

PR. ALTAIR GERMANO - AGENDA 2019



JANEIRO

- 14 a 17: Escola Bíblica de Obreiros na AD em Campina Grande-PB
- 23 : Estudo Bíblico para Jovens na AD J. Paulista Baixo (IEADALPE)

- 30 : Congresso de Jovens da IEADALPE

FEVEREIRO

- 1 a 3 : Conferência de EBD na AD em São José-SC


MARÇO

- 3 : Congresso de Jovens na AD em Pombal-PB
- 4 : Congresso de Jovens na AD em Picuí-PB
- 5 : Confraternização da Mocidade na IEADALPE

- 10 : Assembleia Ministerial Ordinária da IEADALPE
- 18 a 21 : Escola Bíblica de Obreiros na AD em Marília-SP

- 23 e 24 : AD em S. Miguel-AL

ABRIL

14 : Assembleia Ministerial Ordinária da IEADALPE

MAIO

- 12 a 19 : Escola Bíblica de Obreiros da IEADALPE


JUNHO

- 9 : Assembleia Geral Ordinária da COMADALPE
- 21 a 23 : Conferência de EBD na AD em Balneário Camboriú-SC
- 26 a 28 : Escola Bíblica de Obreiros na AD em Juíz de Fora-MG


JULHO

10 : Congresso de Adolescentes da IEADALPE

12 a 14 : Escola Bíblica de Obreiros na AD em F. de Santana-BA (CONAMAD)

SETEMBRO

8 : Culto de Missões da IEADALPE

OUTUBRO

25/10: Escola Bíblica de Obreiros e Membros na AD em Bragança Paulista-SP (CIEADESPEL)

NOVEMBRO

- 29 e 30: Escola Bíblica de Obreiros na AD em Venda Nova do Imigrante-ES


DEZEMBRO

8 : Assembleia Ministerial Ordinária da IEADALPE

A Educação Teológica nas Assembleias de Deus no Brasil: Pré-venda




O desenvolvimento da educação teológica formal nas Assembleias de Deus no Brasil pode ser classificado em cinco fases:
- Omissão (1911 a 1943): da fundação das Assembleias de Deus no Brasil ao início dos debates sobre a educação teológica formal;
- Rejeição (1943 a 1958): do início dos debates sobre a educação teológica formal à fundação do Instituto Bíblico da Assembleia de Deus - IBAD;
- Implantação (1958 a 1979): Da fundação do IBAD ao reconhecimento da Escola de Educação Teológica das Assembleias de Deus - EETAD pelo Conselho de Educação e Cultura da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil - CEC-CGADB;
- Consolidação (1979 a 2003): Do reconhecimento da EETAD à fundação da Faculdade Evangélica de Tecnologia, Ciências e Biotecnologia da CGADB - FAECAD, com cursos reconhecidos pelo Ministério da Educação;
- Expansão (2003 em diante): Da fundação da FAECAD aos dias atuais.
Pré-Venda no www.editoraalive.com.br

A Evolução do Uso da Exegese pelos Obreiros Assembleianos Brasileiros no Preparo de Mensagens Bíblicas


Segue abaixo um breve relato de como os obreiros assembleianos brasileiros (pastores, evangelistas, presbíteros, etc.) passaram a utilizar os recursos exegéticos na elaboração e preparo da pregação e do ensino bíblico.
1. Ler apenas a Bíblia e pregar de improviso é indicador de um alto nível de espiritualidade. Só é necessário ler a Bíblia e contar com o auxílio do Espírito Santo na pregação e no ensino (Dos primórdios até a década de 80).
2. Breves anotações passam a ser feitas nas margens da Bíblia. As Bíblias de estudo começam a ser usadas como fonte de auxílio no preparo das mensagens (De 1980 a 1990).
3. Surgimento das primeiras “colas” (anotações feitas em pequenos pedaços de papel) colocadas discretamente dentro da Bíblia. Os dicionários bíblicos são usados como fonte de auxílio no preparo das mensagens (De 1990 a 2000).
4. Utilização dos primeiros esboços bíblicos nos púlpitos. Os comentários bíblicos e outros recursos literários passam a ser usados como fonte de auxílio no preparo das mensagens (De 2000 a 2010).
5. Os léxicos, gramáticas e outros recursos exegéticos de hebraico-português e grego-português são agregados aos demais recursos e fontes de auxílio para o preparo de mensagens (Após 2010).
Esse é um panorama geral da evolução da relação do obreiro assembleiano com o uso dos recursos exegéticos para a elaboração de mensagens bíblicas (pregação e ensino), que se relaciona diretamente com o desenvolvimento da educação teológica no contexto denominacional.
Durante todo esse período, muitos obreiros estiveram à frente do seu tempo, fazendo uso de recursos exegéticos que só viriam a se tornar comuns e populares em anos posteriores.
Vale salientar, que mesmo sem utilizar os recursos exegéticos que hoje dispomos e utilizamos, muitos dos nossos pioneiros e antecedentes, com sinceridade e fervor espiritual, foram usados poderosamente por Deus nos púlpitos, nos deixando a grande responsabilidade de manter a chama pentecostal acessa no preparo e na exposição da mensagem bíblica.
Eles tinham uma grande preocupação em não cair no formalismo acadêmico, e no mero preparo intelectual de mensagens, destituídas da iluminação e da unção do Espírito.
Hoje temos mais recursos exegéticos e acessibilidade aos mesmos. Seremos mais cobrados por isso.

Educação Formal Superior e Extremismo Institucional


Quando o currículo acadêmico se tornar o principal instrumento de recomendação para as diversas atividades ministeriais (pastoreio, pregação, ensino, produção literária, etc), nossa falência institucional se tornará evidente.
A titulação formal não é mais importante do que a vocação espiritual. O diploma não tem primazia sobre o dom.
São as evidências dos dons que recebemos do Senhor, que devem sempre nos recomendar.
Do extremo da reprovação da educação formal superior (teológica ou não), parece que já estamos caminhando para o extremo da indispensabilidade das titulações formais.
Mantenhamos o saudável equilíbrio, com cada coisa em seu devido lugar, na ordem de prioridade e essencialidade para o reconhecimento e o desempenho do ministério.
Tola e desnecessária é a ignorância intelectual.
Enganosa e perniciosa é a vaidade acadêmica.
Trágicos e equivocados extremos!

Interpretação Bíblica: Necessidades e Possibilidades


“Ao contrário de muitos, não negociamos a Palavra de Deus visando lucro; antes, em Cristo falamos diante de Deus com sinceridade, como homens enviados por Deus” (II Co 2:17)
Uma prática que se tornou costumeira de certos “conferencistas” negociadores da Palavra de Deus na atualidade, é o “leilão de agendas”. Quem dá mais?
O negócio (literalmente) funciona da seguinte maneira:
1. O conferencista é contactado por uma igreja e fecha uma agenda, estipulando de imediato o valor da oferta.
2. O conferencista recebe um outro convite para a data já agendada.
3. O conferencista não informa de imediato que já tem compromisso para aquela data.
4. O conferencista com base no valor da oferta que acertou na agenda já firmada, estipula um valor maior para a nova agenda.
5. Caso seja aceita a proposta, o conferencista aceita a nova agenda, sem considerar a que já tinha firmado.
6. O conferencista agora busca uma maneira de cancelar a agenda anterior, geralmente contando uma mentira, inventando uma desculpa.
7. A agenda anterior é cancelada, gerando muitos transtornos para a primeira igreja que contactou o conferencista.
8. O conferencista aguarda a data da agenda onde conseguiu a oferta maior.
9. Se surgir até a data da agenda um outro convite, ele volta a proceder da mesma maneira, podendo firmar e cancelar diversas agendas até as vésperas do evento.
10. O conferencista chega enfim ao evento da igreja onde conseguiu a maior oferta, faz ar de espiritual, e prega com todo o cinismo possível, levando geralmente, por suas habilidades de oratória, as massas ao delírio.
Ao longo dos anos tenho acompanhado, e digo isso com tristeza, a ascensão e o fracasso de muitos destes renomados negociadores da Palavra de Deus, que existem desde os dias do apóstolo Paulo.
Que os tais se arrependam e se convertam dos seus maus caminhos enquanto é tempo. Que andem em verdade e integridade diante de Deus e da Igreja.
O detalhe é que as igrejas geralmente ficam sem saber que estão participando de um leilão.
Um fato que deve ser considerado, é que nem toda agenda cancelada por um conferencista, palestrante, pregador ou ensinador, é em razão do motivo aqui exposto.
Existem situações emergenciais e justificáveis, que podem resultar na necessidade de se cancelar uma agenda, e isso tanto por parte do preletor, quanto por parte da própria igreja que o convidou.

Leiloando a Agenda


“Ao contrário de muitos, não negociamos a Palavra de Deus visando lucro; antes, em Cristo falamos diante de Deus com sinceridade, como homens enviados por Deus” (II Co 2:17)
Uma prática que se tornou costumeira de certos “conferencistas” negociadores da Palavra de Deus na atualidade, é o “leilão de agendas”. Quem dá mais?
O negócio (literalmente) funciona da seguinte maneira:
1. O conferencista é contactado por uma igreja e fecha uma agenda, estipulando de imediato o valor da oferta.
2. O conferencista recebe um outro convite para a data já agendada.
3. O conferencista não informa de imediato que já tem compromisso para aquela data.
4. O conferencista com base no valor da oferta que acertou na agenda já firmada, estipula um valor maior para a nova agenda.
5. Caso seja aceita a proposta, o conferencista aceita a nova agenda, sem considerar a que já tinha firmado.
6. O conferencista agora busca uma maneira de cancelar a agenda anterior, geralmente contando uma mentira, inventando uma desculpa.
7. A agenda anterior é cancelada, gerando muitos transtornos para a primeira igreja que contactou o conferencista.
8. O conferencista aguarda a data da agenda onde conseguiu a oferta maior.
9. Se surgir até a data da agenda um outro convite, ele volta a proceder da mesma maneira, podendo firmar e cancelar diversas agendas até as vésperas do evento.
10. O conferencista chega enfim ao evento da igreja onde conseguiu a maior oferta, faz ar de espiritual, e prega com todo o cinismo possível, levando geralmente, por suas habilidades de oratória, as massas ao delírio.
Ao longo dos anos tenho acompanhado, e digo isso com tristeza, a ascensão e o fracasso de muitos destes renomados negociadores da Palavra de Deus, que existem desde os dias do apóstolo Paulo.
Que os tais se arrependam e se convertam dos seus maus caminhos enquanto é tempo. Que andem em verdade e integridade diante de Deus e da Igreja.
O detalhe é que as igrejas geralmente ficam sem saber que estão participando de um leilão.
Um fato que deve ser considerado, é que nem toda agenda cancelada por um conferencista, palestrante, pregador ou ensinador, é em razão do motivo aqui exposto.
Existem situações emergenciais e justificáveis, que podem resultar na necessidade de se cancelar uma agenda, e isso tanto por parte do preletor, quanto por parte da própria igreja que o convidou.

O Ciclo dos Movimentos do Espírito e Restauracionistas


A história nos revela, que desde os dias dos apóstolos, movimentos do Espírito e restauracionistas acabam institucionalizados, formalizados e fossilizados, a institucionalização produz conformação em alguns e inconformação em outros, a conformação e a inconformação provocam divisões, os inconformados buscam uma restauração, a busca pela restauração gera um novo movimento, que depois acaba institucionalizado, formalizado e fossilizado, que produz conformação em alguns...
Conformados e inconformados, formalizados e renovados, fossilizados e restaurados, institucionalizados e desinstitucionalizados, se perpetuarão até a volta de Jesus.
Vale dizer, que nem todo movimento restauracionista é do Espírito, mas todo movimento do Espírito é restauracionista.